A arte de fazer sabores de maçã aos 20 anos

A arte de fazer sabores de maçã aos 20 anos

Educação. A sucessão parece certa em Verger Le Gros Pierre em Compton. Nohemie Gilbert, filha dos donos da empresa familiar, conseguiu produzir um novo tipo de maçã.

Seu sonho nasceu quando ele tinha 9 anos. Começou então um longo processo e o resultado acaba de ser anunciado durante a feira regional de ciências, realizada na Universidade de Sherbrooke no último fim de semana.

Noheme forma dupla com sua amiga Juliette Rolfe de Cookshire-Eton. Ambos estudaram ciências naturais no Séminaire de Sherbrooke (faculdade). Lá eles aprimoraram seu projeto para compartilhar sua paixão com um público mais amplo. O trabalho árduo foi recompensado, pois estiveram entre os 13 vencedores selecionados para participar da final provincial, que será realizada em Montreal, de 19 a 21 de abril. A dupla tem a oportunidade de viajar para Ottawa para a Feira de Ciências do Canadá, que acontecerá de 25 de maio a 1º de junho.

Noheme hibridizou duas variedades de maçã (Honeycrisp e Summerhead) que ela gostou para criar uma nova variedade que lhe agradasse. O processo foi muito lento e dez anos depois formaram-se dois frutos vermelhos numa árvore que crescia no pomar da família.

Segundo os futuros cientistas, a nova fruta era muito crocante e pouco suculenta, mas proporcionava um sabor bastante frutado. Por baixo da casca bem vermelha, a polpa de cor creme contém uma pequena dose de acidez.

“Isto é um bom presságio para a comercialização”, esperam eles, “mas serão necessários mais dez anos até que plantemos árvores suficientes e colhamos maçãs suficientes para vender”.

A lentidão do processo e a colheita de apenas duas maçãs não abalam o otimismo de Noheme e Julieta. “Comer as nossas próprias maçãs foi uma experiência maravilhosa, especialmente porque não podemos controlar a natureza ou os genes. O nosso trabalho poderia não ter levado a nada”, acrescentam com entusiasmo.

READ  Facebook acidentalmente desconectou usuários do iPhone

Diante do estande montado no Centro Cultural da Universidade de Sherbrooke, Juliette e Noheme publicaram uma obra pouco conhecida do grande público. Ao ouvir suas explicações apaixonadas, os visitantes morderão sua próxima maçã de uma maneira diferente. Eles vão se lembrar que o processo criativo é muito mais longo do que apenas amadurecer essa fruta popular na árvore.

Paixão pela genética

Ambos os parceiros adoram esta fruta, mas também são apaixonados pela genética e pela criação de variedades e sabores de maçã. Eles falam sobre a árvore genealógica da macieira como se fosse sua árvore ancestral. A transmissão dos olhos azuis de uma geração para outra é comparada às cores e sabores das maçãs de um tipo para outro. Fertilização, crescimento, hibridização e genômica aparecem agora em seu vocabulário.

“Um dos nossos sonhos é produzir maçãs variadas distribuídas em supermercados, mas tão deliciosas e resistentes quanto as compradas em pomares”, afirmam. Queremos também incentivar os consumidores a abandonarem os seus hábitos e a mudarem as suas compras. »

Outras maçãs desta variedade produzidas em 2015 deverão ser colhidas no próximo outono. Num sinal de que os estudantes universitários estão vendo além do nariz, a produção de uma segunda nova variedade de maçã começou recentemente.

Nohemi já sonha em vender seus novos produtos para a empresa da família e para outros pomares da região. Ela também está considerando iniciar estudos universitários em saúde, biologia ou empreendedorismo. Por sua vez, Juliet pretende obter o diploma de bacharel em direito e ciências para, em última instância, defender os direitos dos produtores agrícolas.

You May Also Like

About the Author: Genevieve Goodman

"Criador. Fã de café. Amante da Internet. Organizador. Geek da cultura pop. Fã de TV. Orgulhoso por comer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *