A Bienal de São Paulo dá lugar de orgulho a artistas indígenas

Até 5 de dezembro, os visitantes poderão admirar no pavilhão aninhado no coração do parque deIbirapuera, pulmão verde da megalópole do Sudeste do Brasil, 1.100 obras de 91 artistas de todo o mundo, incluindo nove de povos indígenas.

Prevista originalmente para 2020 e adiada devido à pandemia, esta grande exposição coletiva, cuja primeira edição ocorreu em 1951, estará acessível gratuitamente a qualquer pessoa com certificado de vacinação COVID-19.

O tema desta edição é Esta escuro mas eu canto (Está escuro mas estou cantando), inspirado em verso do poeta Thiago de Mello, do Amazonas (norte).

Diferentes obras do artista brasileiro Jaider Esbell.

Foto: afp via getty images / NELSON ALMEIDA

Um dos pontos fortes da mostra é o contato com as obras de. Jaider Esbell e outros artistas indígenas contemporâneos, e se deslumbrar com sua riqueza poética, disse o italiano Jacopo Crivelli, um dos curadores da Bienal, do semanário Veja.

Artista visual e escritor da etnia Makuxi, Esbell, 42, mora na reserva indígena Raposa Terra do Sol, no estado de Roraima (norte), território emblemático marcado por conflitos de terra e invasões de garimpeiros ilegais.

Por ocasião desta Bienal, apresenta em particular a obra Entidades (Entidades), uma escultura inflável de 17 m de comprimento que representa duas cobras roxas decoradas com padrões circulares coloridos.

Obra do artista brasileiro Jaider Esbell, que tem 17 metros de extensão.

Obra do artista plástico brasileiro Jaider Esbell, que tem 17 m de extensão.

Foto: afp via getty images / NELSON ALMEIDA

Situadas no meio do lago do Parque do Ibirapuera, elas representam fertilidade e proteção para os povos indígenas da Amazônia, cada vez mais vulneráveis ​​desde a chegada ao poder, em 2019, do presidente de extrema direita Jair Bolsonaro.

READ  GODSENT no Brasil com o ex-MIBR

Dentro do pavilhão da Bienal, uma instalação apresenta objetos que sobreviveram ao terrível incêndio do Museu Nacional de Rio de Janeiro (sudeste), em setembro de 2018.

Por exemplo, encontramos o meteorito Santa Luzia, com cerca de 2 toneladas, encontrado em 1922 no estado de Goiás (centro-oeste).

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *