A esperada final da Copa América (Claudine Deauville)

Esta é a final com que sonhávamos no início do torneio. É o confronto final entre os dois gigantes sul-americanos. É um confronto direto entre duas estrelas massivas que são surpreendentes em suas semelhanças e diferenças. É Argentina contra Brasil e Lionel Messi contra Neymar.

O Brasil sobrevoou o campeonato, como aves de rapina em busca de presas. Ele é implacável às vezes, mas também é capaz de preguiça. Era sabido que é muito terrível quando a Copa América é realizada em seu solo. Dos nove títulos que conquistou, cinco foram em casa. Na verdade, toda vez que ele jogou em casa em Cuba, o Brasil ganhou. Ele vem com uma confiança tremenda, mas também com uma pressão tremenda. O direito de errar é tão fraco quanto um papel, mesmo que não haja público nas arquibancadas para chamar a equipe para fazer o pedido.

Brasil

Então o Brasil começou o torneio como se esperava: ele marcou sete gols sem permitir nada, mas contra um adversário que ele havia derrotado primeiro pelo Covid e um segundo que havia derrotado na final da Copa anterior. Venezuela e Peru estavam ajudando o Brasil a cortar seus dentes. Ele esteve menos relaxado nas outras duas partidas da fase de grupos. Uma vitória difícil sobre a atraente Colômbia, que ainda grita para escapar depois de sofrer um gol em certas circunstâncias e um empate contra o Equador, que está longe de ser talentoso. Nas quartas e semifinais, o Brasil jogou com confiança. Um gol foi suficiente contra Chile e Peru, ambas as vezes graças ao pé de Lucas Paquetá. Eles dizem que o fim justifica os meios. E assim o Brasil chegou à final sem muitas dores e deixou a impressão de que seguiu em frente.

READ  L'Equipe está relançando

Argentino

A Argentina começou com uma grande surpresa, enfrentando os chilenos Arturo Vidal, Mauricio Isla, Gary Medel e Claudio Bravo, mas sem Alexis Sanchez ficando em casa para tratar uma lesão. A pontuação de 1 a 1 indica que a Argentina não está acima de seus negócios e deveria ter trabalhado para retirar esta decisão. Eles mal podem se consolar contra Paraguai e Uruguai com vitórias curtas por 1 a 0 e a Bolívia colherá sua sede de sucesso no gol. 4-1. Nas quartas-de-final, o Equador não conseguiu parar a máquina em movimento e perdeu por 3-0. Mas a Colômbia convocou nas semifinais e a Argentina venceu a passagem para a final nos pênaltis. Não será fácil … no entanto, vimos uma equipe crescer e ganhar coesão à medida que o torneio avançava.

Neymar

Tite havia anunciado as cores no início do torneio, e o time tinha que jogar pelo Neymar. Ele perdeu a Copa América 2019 devido a uma lesão e voltou com grande desejo e paixão de vestir a camisa da Seleção novamente. Composto por dois gols até o momento, um deles de cobrança de pênalti, ele é certamente o que mais dá força na defesa do adversário, aquele que às vezes apanha a luz do campo e deixa manchas de sombras que permitem aos companheiros chegarem lá. Desconto. Seja em campo ou na vida, Neymar possui aquela aura de estrela que envolve muitos jogadores brasileiros … Pelé, Ronaldo, Romário, Ronaldinho, Kaká, Roberto Carlos … Só Neymar pode fazer a diferença.

Messi

Messi joga pelo time e o time joga pelo Messi. Ele tem essa influência no jogo que o torna um jogador excepcional. Ele tem sido freqüentemente comparado ao seu famoso compatriota, Maradona, que foi comparado à sua parte perversa porque ele não busca os holofotes. Pep Guardiola, então treinador do Barcelona, ​​disse sobre ele: “Messi é o único jogador que corre com a bola mais rápido do que sem. Aos 33, ele pode estar um pouco mais lento, os zagueiros podem ter uma melhor chance de segurá-lo, mas ele ainda é um mágico em seus movimentos, e suas mudanças de direção, sua leitura do jogo e seus chutes livres implacáveis ​​Só Messi pode fazer a diferença.

READ  Covid: À medida que a crise sai do controle, a Indonésia se tornou o epicentro da epidemia global

o último

Então, o que esperar desta final se não for um grande jogo. Quando o Brasil garantiu sua vaga, Neymar disse que esperava jogar contra a Argentina “porque há amigos”, mas também afirmou que o Brasil vai vencer. Provavelmente. A vantagem de público não seria uma vantagem, mesmo que pela primeira vez no torneio houvesse espectadores nas arquibancadas. Um pequeno 10% do maracanã, dividido igualmente entre brasileiros e argentinos. O Brasil tem a obrigação de vencer em casa e pode ser o favorito. A profundidade de seu assento deixa você tonto e o equilíbrio entre a sucessão e a experiência é impressionante. Tite observa a xícara, mas à sombra de outra xícara ele anseia por mais. Esforços de um para se preparar para a invasão do outro.

Lionel Messi não conquistou nenhum título importante com seu país e, com o tempo, as chances serão menores. É um gol atrás do recorde de Pelé como o maior artilheiro da América do Sul em jogos internacionais, que ele poderia alcançar nesta final. Será que a Argentina pode derrotar seus demônios e dar a sua estrela o troféu pelo qual tanto anseiam? Ela tem 14 títulos em seu nome, um a menos que o título mais coroado do Uruguai. Mas a última data de 1993, quando Lionel Messi tinha seis anos. Desde então, ela chegou à final por quatro vezes, perdendo três nos pênaltis, incluindo contra o Brasil em 2004.

O passado nem sempre garante o futuro. Então, Brasil ou Argentina? Neymar ou Messi? Resta torcer para que, quando a partida começar, o apito do árbitro soe bem e que esta final corresponda às expectativas.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *