A história “genética” da variante P.1, muito virulenta no Brasil

No início de 2021, Manaus, uma grande cidade brasileira no meio da floresta amazônica, estava lutando com uma nova variante do coronavírus. Muito virulenta, essa variante denominada P.1 transbordou dos hospitais da metrópole. Também levantou preocupações quanto à sua capacidade potencial de reinfectar pessoas que já contraíram COVID-19. Do ponto de vista científico, entretanto, relativamente pouco se sabia sobre esta cepa de SARS-CoV-2.

UMA estudo muito aprofundado publicado esta segunda-feira em Nature Medicine agora conta a história “genética” desta variante. Os autores analisaram detalhadamente a assinatura genética de 250 amostras do vírus retiradas de pacientes no Amazonas entre março de 2020 e janeiro de 2021. Ao observar o surgimento das diferentes mutações, conseguem reconstruir a árvore evolutiva que dá origem à variante P. .1.

Em maio de 2020, uma primeira onda poderosa atingiu Manaus. As autoridades implementaram medidas que aumentam o distanciamento físico e, portanto, reduzem a circulação do vírus. No entanto, a “transmissão comunitária de baixa endemia” continuou por meses. Entretanto, uma nova variante (B.1.1.28) substituiu a existente (B.1.195), mas isso não alterou a dinâmica da epidemia. No entanto, abriu caminho para a variante P.1, que apareceu em novembro de 2020.

O virologista brasileiro Felipe Gomes Naveca e colegas observam que é difícil prever o surgimento de uma variante de preocupação analisando suas linhas parentais. Nenhum “padrão incomum” foi detectado nas mutações que surgiram em Manaus no final do verão de 2020. Graças às suas novas análises, os pesquisadores conseguem dizer que a variante P.1 não apareceu de um lado. explodir em um paciente com um episódio muito longo de infecção, mas sim através de um acúmulo de mutações em diferentes hospedeiros.

READ  a taxa básica subiu 3,5% por causa da inflação

“Em síntese, nossos resultados confirmam que as substituições de linha têm sido um fenômeno recorrente na evolução local do SARS-CoV-2 no estado do Amazonas, sob efeito de fatores ecológicos e virológicos”, escrevem. Após o seu aparecimento, a variante P.1 foi capaz de se espalhar muito rapidamente, especialmente porque algumas medidas anti-epidêmicas foram abandonadas em setembro. Em menos de dois meses, tornou-se dominante no Amazonas, antes de chegar a outras regiões.

Em dados | Nosso conteúdo no COVID-19

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *