A ilha tropical submersa de Rio Grande Rise, há muito perdida, fica na costa do Brasil

A ilha tropical submersa de Rio Grande Rise, há muito perdida, fica na costa do Brasil

A descoberta de ilhas submersas revela capítulos ocultos na história geológica do nosso planeta, fornecendo informações únicas sobre a dinâmica terrestre e oceânica que moldou o mundo tal como o conhecemos hoje. Dentre essas descobertas, destaca-se a Elevação do Rio Grande, planalto vulcânico subaquático localizado a aproximadamente 1.200 km da costa do Brasil, por sua história e excepcional potencial econômico. Pesquisadores afiliados à Universidade de São Paulo no Brasil e à Universidade de Southampton no Reino Unido conduziram um extenso estudo, publicado na revista Relatórios Científicos, revelando que esta estrutura já foi uma ilha tropical rica em biodiversidade e minerais, agora submersa. Esta revelação não só enriquece a nossa compreensão dos processos geológicos, mas também destaca a importância dos recursos escondidos sob o fundo do mar, abrindo novos caminhos para a investigação científica e a exploração sustentável dos recursos minerais.

Uma ilha perdida emerge

Em 2018, uma colaboração internacional entre cientistas da Universidade de São Paulo e da Universidade de Southampton levou a uma expedição notável ao largo da costa do Brasil. Concretamente, esta missão tinha como objetivo explorar a Elevação do Rio Grande. Esta ilha submersa está localizada a aproximadamente 1.200 quilômetros do continente. No início da exploração, os pesquisadores descobriram camadas de argila vermelha 650 metros abaixo da superfície do oceano. O participante da expedição Bramley Murton, do Centro Oceanográfico Nacional de Southampton, explica em um comunicado : “ A argila vermelha simplesmente não é encontrada no fundo do mar. Os depósitos se assemelhavam a solos tropicais “.

A existência destas argilas vermelhas é, portanto, significativa. Indica um processo de alteração que só pode ocorrer ao ar livre, sob influência direta das condições climáticas tropicais. Isso inclui alto calor e umidade. Esse intemperismo ao ar livre leva à formação de caulinita, um mineral argiloso que domina essas camadas vermelhas.

Mapa batimétrico do fundo do mar ao longo da margem continental sul brasileira, incluindo a subida do Rio Grande. ©Ana Alberoni

A presença dessas argilas no fundo do oceano sugere fortemente que a Elevação do Rio Grande já foi uma ilha tropical. Foi emergido e exposto à atmosfera, permitindo assim o desenvolvimento de solos tropicais antes de sua submersão. Esta descoberta põe então em causa a compreensão da história geológica da região. Permite uma nova perspectiva sobre os processos tectônicos e climáticos que influenciam a formação e evolução das paisagens subaquáticas.

READ  Alonso e Ocon prontos para sofrer no Brasil

A história geológica da Elevação do Rio Grande revelada por uma ilha submersa

Há cerca de 80 milhões de anos, o Planalto do Rio Grande emergiu das profundezas do Oceano Atlântico Sul. Na verdade, foi moldada por intensa atividade vulcânica. Uma pluma do manto alimentou esta atividade. É uma coluna ascendente de rocha derretida originada nas profundezas do manto terrestre. Perfurou a crosta oceânica para criar novas formações geológicas.

Durante este período, surgiu uma grande ilha, comparável à Islândia moderna em termos de dimensões e características geológicas. Murton acrescenta: “ começou como uma versão cretácea da Islândia “. Esta ilha foi o resultado direto do acúmulo de lava e materiais vulcânicos ejetados durante as erupções. Com o tempo, sob a influência de processos tectônicos e da erosão, essa massa de terra derivou lentamente. Começou sua descida inexorável sob a superfície do oceano, carregando consigo evidências de sua existência passageira.

Imagens de alta definição capturadas pelo HyBIS ROV. São visíveis diferentes argilas de cor vermelha e marrom entre os fluxos de lava. © P. Srivastava et al., 2024

Cerca de 40 milhões de anos após sua formação inicial, a Elevação do Rio Grande passou por uma nova fase de atividade vulcânica. Esta fase tardia foi marcada por erupções menos intensas, mas poderosas o suficiente para criar formações rochosas adicionais. Eles foram enriquecidos com minerais preciosos.

Exploração e implicações econômicas da ilha submersa

Uma primeira expedição, em 2018, a bordo do navio de pesquisa brasileiro Alpha Crucis, utilizou sonar para mapear o terreno subaquático. O objetivo era caracterizar as crostas ricas em ferromanganês do fundo do mar. O mapeamento revelou um cânion de 30 quilômetros com paredes íngremes, a fenda Cruzeiro do Sul, além de terraços de praia fossilizados, plataformas erodidas pelas ondas e cachoeiras submersas. Oito meses depois, a equipe navegou no RRS Discovery equipado com ROV. Ele filmou rochas ao longo das paredes do cânion e coletou amostras usando um braço robótico.

READ  lança a construção da usina solar SSM3-6 no Brasil

Ao estudar as amostras, os pesquisadores identificaram minerais específicos resultantes da cristalização do magma. Incluem elementos como cobalto, níquel e lítio, muito procurados por suas aplicações industriais. A descoberta desses recursos minerais na Elevação do Rio Grande levanta perspectivas econômicas promissoras. Mas os desafios em termos de sustentabilidade e preservação dos ecossistemas marinhos estão envolvidos.

Em dezembro de 2018, o Brasil solicitou à ONU que ampliasse suas fronteiras marítimas e abrangesse esta região. Está localizado muito além da zona econômica exclusiva do Brasil. O Brasil deve demonstrar semelhanças geológicas com o continente para justificar esta expansão. Para ter sucesso, o Brasil também deve demonstrar a sua capacidade de explorar esta área de forma sustentável. Um desafio num contexto em que a legislação sobre mineração submarina em águas internacionais continua por definir.

Fonte: Srivastava, P., J. Murton, B., Sant'Anna, LG et al., “Argilas vermelhas indicam exposição subaérea da Elevação do Rio Grande durante o episódio vulcânico do Eoceno”. Representante Científico 13, 19092 (2023)

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *