A onda de divulgações de denúncias continua a dominar o Facebook

San Francisco | O Facebook estava ciente do extremismo de muitos usuários e da avalanche de desinformação relacionada à eleição presidencial de 2020 nos Estados Unidos, mas não reagiu de acordo com documentos de denúncias, Francis Hogan, obtidos por vários jornais americanos.

• Leia também: O Facebook está em processo de mudança de nome e imagem de marca

• Leia também: Rede social de Trump, um novo indicador para as “Américas”

• Leia também: Francis Hogan, o engenheiro determinado a tornar o Facebook menos prejudicial

Essas descobertas são as mais recentes de uma longa fila, desde a primeira onda de investigações que publicaram Jornal de Wall Street em setembro, graças a relatórios internos enviados por esse ex-funcionário do grupo californiano.

Sexta-feira, artigos de O jornal New York Times, O Washington Post Ou a NBC, que enfocou o papel do Facebook na polarização profunda da vida política nos Estados Unidos.

No início de novembro, poucos dias após a votação, um analista, por exemplo, disse a seus colegas que 10% do conteúdo político visto pelos usuários norte-americanos da plataforma eram mensagens confirmando que a votação havia sido fraudada, de acordo com O jornal New York Times.

Esses rumores infundados, espalhados pelo ex-presidente Donald Trump, irritaram muitos conservadores e conspiradores, que culminaram nos distúrbios no Capitólio em 6 de janeiro.

Os partidários do bilionário republicano invadiram o Congresso naquele dia ao ratificar o democrata Joe Biden. Cinco pessoas morreram durante ou logo após o ataque.

No processo, o Facebook, como o Twitter e outras plataformas importantes, baniu Donald Trump e os movimentos extremistas envolvidos nos distúrbios.

Mas, de acordo com uma divulgação na sexta-feira, os funcionários do grupo da Califórnia acreditam que poderiam ter previsto o problema melhor.

READ  Madeira pendurada na Igreja de San Luis de France | A capital | Notícias o sol

“Jornada de Carol”

Esta informação foi extraída de milhares de documentos internos que Francis Haugen arquivou na Securities and Exchange Commission, a Securities and Exchange Commission.

No início de outubro, reiterei aos senadores americanos que os líderes da empresa, Mark Zuckerberg à frente, “financiam seus lucros com nossa segurança”.

Estudos anteriores mostraram que o Facebook está ciente dos problemas psicológicos das vidas e corpos aparentemente “perfeitos” de adolescentes superexpostos e influenciadores no Instagram.

Este é o traço comum dessas descobertas: o gigante das mídias sociais sabia dos problemas, mas optou, na maioria das vezes, por ignorá-los, de acordo com o denunciante e outras fontes anônimas.

Os artigos de sexta-feira referem-se a um relatório intitulado “A jornada de Carol para Qunun”.

Carol Smith, uma “mãe conservadora da Carolina do Norte”, era uma conta falsa criada por um pesquisador, instigado pelo Facebook a estudar o papel da plataforma na atração de usuários.

Segundo a pesquisadora, no verão de 2019, Carol Smith foi exposta pelo algoritmo da rede social a “uma torrente de conteúdos extremistas, conspiratórios e chocantes”, incluindo grupos do movimento QAnon.

defesa

Diante dessa nova onda de críticas, o Facebook divulgou um comunicado lembrando seus significativos investimentos na limpeza de suas plataformas e no apoio ao processo democrático.

“Mas a responsabilidade pela insurgência recai sobre aqueles que infringem a lei e aqueles que os incitam a fazê-lo”, disse Jay Rosen, vice-presidente do Grupo de Integridade Cívica.

Essa defesa tem poucas chances de satisfazer os governantes eleitos que se reuniram contra a rede social.

Principalmente porque a enxurrada de revelações não para: um consórcio de dez organizações jornalísticas, da CNN ao mundo, se prepara para publicar artigos baseados nesses documentos, segundo o site especializado The Information.

READ  Parece que a Coreia do Norte reiniciou seu reator nuclear

Um novo denunciante surgiu, de acordo com um artigo na Washington Post Sexta a tarde.

Como ex-membro da Equipe de Integridade Civil, ele apresentou uma declaração à Comissão de Valores Mobiliários em 13 de outubro, acusando o Facebook de colocar os lucros acima das questões humanitárias.

Nesse documento, o ex-funcionário, em particular, relaciona os comentários feitos em 2017, quando a empresa estava decidindo a melhor forma de administrar a polêmica relacionada à interferência da Rússia nas eleições presidenciais dos EUA de 2016, por meio de sua plataforma.

“Vai ser um flash na panela. As autoridades eleitas estarão gemendo. E em algumas semanas, elas terão mudado. Enquanto isso, estamos imprimindo dinheiro lá embaixo e tudo está bem”, disse Tucker Pounds, um membro da equipe de comunicação do Facebook.

de acordo com Washington PostO segundo informante afirma em seu depoimento que os executivos do Facebook regularmente minam os esforços para combater a desinformação e o discurso de ódio por medo de irritar Donald Trump e seus aliados, e não correr o risco de perder a atenção dos usuários, o que é essencial para seus enormes lucros.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *