A Rússia cruza 900 mortes de COVID-19 em 24 horas pela primeira vez

Moscou | A Rússia registrou, na quarta-feira, pela primeira vez, mais de 900 mortes devido à Covid-19 em 24 horas, surto epidêmico agravado pela vacinação lenta, obrigando algumas regiões a introduzirem licenças de saúde.

• Leia também: Uma ex-conspiradora viveu novamente desde sua partida

Durante as últimas 24 horas, a Rússia registrou 929 mortes pelo coronavírus emergente, um novo recorde para o país, de acordo com o último relatório diário do governo.

As autoridades também listaram 25.133 novos casos de pessoas com teste positivo para COVID-19, de acordo com a mesma fonte.

A contagem do governo, que se baseia em uma definição altamente restritiva de mortes por COVID-19, chegou oficialmente a 212.625, tornando a Rússia o país mais mortal da Europa.

Mas as perdas reais são muito maiores. O instituto de estatísticas Rosstat, que tem uma definição mais ampla de mortes epidêmicas, relatou mais de 350.000 mortes no final de julho.

O número de mortes e novas infecções continuou a aumentar nas últimas semanas, quebrando regularmente recordes diários.

Até quarta-feira, 3.589 casos foram registrados na capital, Moscou, e 2.187 em São Petersburgo, a segunda cidade do país.

A fim de manter a economia frágil, o governo não tem tomado medidas nacionais fortes, como contenção, desde a primavera de 2020 para impedir a propagação do vírus.

O Kremlin, habitualmente muito mais centralizado e preocupado sobretudo com a preservação da economia, considera que compete às autoridades regionais a tomada de decisões.

Sinal de preocupação crescente, o passaporte-saúde, necessário para ir a restaurantes ou locais que recebem eventos culturais ou esportivos, foi reintroduzido em outubro em seis regiões. Kaliningrado e Chuvashia estão programados para fazer o mesmo durante a semana.

Desde meados de junho, a Rússia foi duramente atingida pelo tipo de vírus delta, que é o mais contagioso.

READ  Rescuers in Norway lose hope of finding landslide survivors

A epidemia foi reforçada por uma cansativa campanha de vacinação, a recusa das autoridades em tomar medidas de saúde mais rígidas e o desrespeito ao uso de máscaras por parte da população.

De acordo com dados do site especializado Gogov, menos de 30% dos russos estão totalmente vacinados, embora existam muitas vacinas nacionais.

A população suspeita muito das vacinas produzidas na Rússia e repetidamente anunciadas pelo Kremlin, em particular o Sputnik-V, que foi lançado antes mesmo da conclusão dos testes clínicos.

Embora os estudos pareçam confirmar sua eficácia, nem a Organização Mundial da Saúde nem a União Europeia o aprovaram.

Veja também…

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *