A variante indiana foi descoberta em “pelo menos 17 países”, de acordo com a Organização Mundial de Saúde

Hoje, terça-feira, a Organização Mundial de Saúde anunciou a descoberta da chamada variante indiana do Coronavírus, que se suspeita ter mergulhado a Índia em uma grande crise de saúde, em “pelo menos 17 países”.

Leia também: Ajuda internacional chega à Índia

Leia também: Direto | Os últimos desenvolvimentos no Coronavirus

Segundo a Organização Mundial da Saúde, a variante B.1.617, mais conhecida como variante indiana devido à sua primeira ocorrência na Índia, foi detectada em mais de 1.200 sequências de genoma, em “pelo menos 17 países”.

“A maioria dos instantâneos carregados no banco de dados GISAID vêm da Índia, Reino Unido, Estados Unidos e Cingapura”, disse a Organização Mundial da Saúde em sua atualização semanal sobre epidemias.

Nos últimos dias, a variante também foi relatada em vários países europeus (Bélgica, Suíça, Grécia e Itália).

O modelo inicial da OMS baseado em sequenciamento fornecido ao GISAID indica que “B.1.617 tem uma taxa de crescimento mais alta do que outras variantes prevalentes na Índia, indicando maior infecção”.

A Organização Mundial da Saúde classificou recentemente esta variável como uma “variável de interesse” em vez de uma “variável de interesse”. Porém, este sobrenome indica que esta variante é mais perigosa (maior infecciosa, mais letal e capaz de escapar das vacinações contra a vacina).

Essa alternativa ainda levanta questões. Segundo a Organização Mundial da Saúde, “outros comportamentos” podem ser a razão para o ressurgimento de casos na Índia, como o não cumprimento das restrições de saúde e os ajuntamentos em massa.

A organização também observa que outras variantes atualmente em circulação são altamente contagiosas, mas a combinação desses dois fatores “pode ​​desempenhar um papel no ressurgimento de casos” na Índia.

READ  A situação continua catastrófica no Texas

A Índia enfrenta uma explosão de infecções, quebrando o recorde mundial de 352.991 novas infecções e um recorde nacional de 2.812 mortes na segunda-feira, elevando o número total de casos em todo o mundo para 147,7 milhões.

Há uma necessidade urgente de “mais pesquisas”, especialmente sobre a extensão da infecção, gravidade e risco de reinfecção da variante indiana “” para entender o papel que ela desempenha na crise de saúde na Índia.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *