Adeus, novos esportes e a corrida pelos recordes … Dez motivos para seguir as Paraolimpíadas de Tóquio

Duas semanas após a cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos, era a vez dos Jogos Paraolímpicos. Durante dez dias (24 de agosto a 5 de setembro), Tóquio viverá ao ritmo dos eventos e de 4.000 atletas de todo o mundo. O arquipélago japonês será, sem dúvida, palco de grandes atuações e novos recordes. Aqui estão as 10 razões pelas quais você não deve perder a competição.

cerimônia de abertura

Após o desfile de 206 delegados durante a cerimônia de abertura das Olimpíadas e 1.824 drones voando sobre o Estádio Olímpico Nacional de Tóquio para formar o logotipo dos Jogos, é hora da cerimônia de abertura paraolímpica. Não há dúvida de que a cena irá mais uma vez à altura da ocasião. Esta festa vai começar a partir de 13h (horário francês), terça-feira, 24 de agosto, e notavelmente verá o desfile de 134 delegações, 26 a menos que o Rio em 2016.

O retorno da rainha inimiga Omara Durand

A cubana Omara Durand é a rainha indiscutível do inimigo. No Rio, peguei tudo. Classificado como T12 (deficiência visual), culminou 100m, 200m e 400m. Três novas medalhas de ouro além das anteriores que conquistou em Londres, sem contar os onze títulos mundiais. O jogador paralímpico mais rápido do planeta também detém três recordes mundiais: no 100m (11 “40), 200m (23” 03) e 400m (51 “77) em sua classe. Em Tóquio, ela tem como meta aos 29 anos ganhar três novos títulos olímpicos.

Omara Durand, que competiu com sua mentora Juneul Kendlan, venceu os 400m femininos na classe T12 e estabeleceu um novo recorde mundial de 51seg 77 durante as Olimpíadas Rio 2016 (TASSO MARCELO / AFP)

Brasil, o mestre do futebol para cegos

O futebol para cegos, também chamado de futsal, é praticado por jogadores com deficiência visual. Desde que entrou No programa dos Jogos Paraolímpicos de 2004, em Atenas, a disciplina teve apenas um país vencedor: o Brasil. E embora sejam os favoritos mais uma vez, os brasileiros precisam ficar atentos aos argentinos, que querem se vingar da derrota na final. O Mundial 2018 e os Jogos Semi-americanos de Lima em 2019. Os franceses também querem se vingar dos brasileiros que os venceram na final de 2012, em Londres.

Badminton e Para Taekwondo, novos em Tóquio

Assim como nos Jogos Olímpicos, novos esportes foram incorporados ao programa dos Jogos Paraolímpicos a cada edição. Em Tóquio, os dois novos esportes são Badminton e semi-taekwondo. Duas novas especialidades em que a França se destaca. No badminton, o bicampeão mundial e tricampeão europeu de simples Lucas Mazur é o favorito ao ouro paraolímpico, assim como Bobha Kong, tetracampeã mundial de Para-Taekwondo.

Shingo Konida visa triplicar sua casa no tênis em cadeira de rodas

É uma das manchetes mais esperadas. shingo canadá japonês, Vencedor de 24 torneios do Grand Slam, medalha de ouro nos Jogos Paraolímpicos de 2008 e 2012, busca a terceira medalha O título do tênis em uma cadeira de rodas na frente de seus fãs. Já o primeiro jogador a conseguir a dobradinha consecutiva em simples (2012 e 2016), o número um do mundo luta por três títulos paralímpicos consecutivos. Entre as mulheres, apenas uma jogadora conquistou a medalha de ouro quatro vezes consecutivas. Esta é a holandesa Esther Vergeer entre 2000 e 2012.

As últimas partidas de Daniel Dias

Ele às vezes é comparado a Michael Phelps porque ele também é uma lenda. O brasileiro Daniel Dias (33), que disputará sua quarta e última lutas, venceu 24 medalhas paralímpicas em três exemplares, incluindo 14 medalhas de ouro. Este registro excepcional o torna o nadador paraolímpico mais coroado de todos os tempos. Adicionar a isto 27 títulos latino-americanos e 30 medalhas em campeonatos mundiais. Nunca satisfeito ele Ela espera aumentar seu recorde em Tóquio, antes de se aposentar.

Com 24 medalhas paraolímpicas em triplicado, Daniel Dias no Rio se tornou o nadador masculino mais condecorado nas Paraolimpíadas de todos os tempos.  (FABIO MOTTA / ESTADAO CONTEUDO / AFP)

Sherif Othman, a lenda do levantamento de peso

Ele também é uma lenda em sua especialidade. O objetivo do egípcio Sherif Othman, tricampeão de levantamento de peso, é vencer Seis medalhas de ouro paralímpicas em sua carreira. “Tóquio 2020? Estou muito confiante e ansioso por Paris 2024! Esta é minha meta. Gostaria de ganhar seis medalhas de ouro nas Paraolimpíadas”, anunciar. O gol já está acontecendo, pois ele já venceu o inning. Portanto, Tóquio e Paris 2024 estão na mira.

Tatiana McFadden, Quiet Force

Você deve ouvir sobre isso. A americana Tatiana McFadden, especializada em corrida em cadeira de rodas, É a força da natureza. Com suas 17 medalhas Paraolimpíadas, incluindo sete medalhas de ouro, querem ir mais longe em Tóquio e vencer Sete medalhas de ouro em suas sete corridas. Se ela for bem-sucedida, ela quebrará o recorde da lenda do atletismo com deficiência, a canadense Chantal Petit Clerc, como a atleta mais coroada da história do atletismo, tanto capaz quanto com deficiência.

É mais que seu recorde, ela é uma atleta completa, pois corre todas as distâncias, dos 100 metros à maratona. E isso vence tudo. Em 2013, Tatiana McFadden também se tornou a primeira atleta feminina da história a vencer as quatro maratonas mundiais (Boston, Chicago, Nova York e Londres) em um ano. Explorar confirma os três anos seguintes.

China é atleta paraolímpica

A China quer fazer mais história. Após as Olimpíadas de Tóquio, a potência asiática pode se tornar o país de maior sucesso pela quinta vez consecutiva. A última vez que ela não conquistou o primeiro lugar no quadro de medalhas nos Jogos de Sydney foi há mais de vinte anos. Na época, a China ocupava o sexto lugar na classificação geral, dominada pelos australianos, anfitriões do evento.

O primeiro grupo de refugiados

Pela primeira vez em Tóquio, uma equipe de refugiados participará dos Jogos Paraolímpicos. Seis atletas (uma mulher e cinco homens) compõem esta primeira equipe qualificatória “A equipe mais corajosa do mundo” Pelo presidente do Comitê Paraolímpico Internacional (IPC), Andrew Parson. Esta equipe coleta Os atletas são da Síria, Burundi ou Irã e vão participar de semi-atletismo, remo ou natação.

READ  11 jogadores incríveis que mudaram sua fidelidade internacional

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *