Agora você pode caminhar até o fundo do Paraná, o segundo maior rio da América do Sul

Agora você pode caminhar até o fundo do Paraná, o segundo maior rio da América do Sul

Postado em:

Pessoas caminhando à jusante do rio Paraná, entre a Argentina e o Paraguai: é o que um vídeo postado recentemente nas redes sociais mostrou que se tornou viral. Esse rio – o segundo da América do Sul – atingiu seu nível mais baixo em décadas, afetando o meio ambiente e a economia local. Culpe a seca histórica ligada às atividades humanas.

Neste vídeo divulgado no início de agosto, vemos pessoas caminhando sobre pedras. A retratada comenta: “Estamos descendo o rio Paraná, é muito triste. […]. Veja: Paraguai, em frente … a ilha de Caraguatay … veja o resto das águas … a costa argentina, por onde passamos … […]”

O fundo do rio Paraná, semi-árido, na ilha de Caraguatay, entre a província argentina de Misiones e o Paraguai (geolocalização) Aqui) : Um vídeo transmitido em 8 de agosto e repetido em vários meios de comunicação.

Com uma extensão de cerca de 5.000 km, o rio Paraná é o segundo maior rio da América do Sul depois do rio Amazonas. Nasce no Brasil, segue o Paraguai e deságua na Argentina, lançando-se no oceano Atlântico.

Rio Paraná e seus afluentes. © Wikipedia.

Menor nível do rio desde 1944

O vídeo acima foi capturado em várias mídias. No entanto, ao longo dos meses, mais fotos do rio seco também foram publicadas, tiradas em vários lugares, pois suas águas vinham diminuindo constantemente há dois anos. Segundo o Instituto Nacional de Águas da Argentina, o Paraná atingiu seu nível mais baixo desde 1944 e novos recordes podem ser batidos nos próximos meses.

Ilha Caraguatay, entre a província argentina de Misiones e o Paraguai (como no primeiro vídeo): Vídeo capturado por um drone por Marcos E. Sosa e dois de seus amigos, em 15 de agosto.

Fotos tiradas por Valle Silva Copperwasser, na província argentina de Corrientes, em 7 de julho de 2020 (embaixo) e 15 de fevereiro de 2021 (em cima).

As fotos foram tiradas principalmente por Vale Silva Kupervaser, na província argentina de Corrientes, entre 2018 e 2020.

“peixe morre”

Alejandro Aguirre mora no município de Resistencia, às margens do rio Paraná, na província argentina de Chaco.

A queda no nível do rio é perceptível há cerca de dois anos. No município de Corrientes, isso permitiu detectar, por exemplo, um “túnel”: não era visível quando a água estava mais alta. [Selon un historien, il servait à évacuer les eaux pluviales de la ville dans les années 1920-30, NDLR.]

Conforme o nível da água cai, um "Metrô" Foi descoberto em Corrientes, município às margens do rio Paraná, em frente a Resistencia.  À esquerda, a linha azul mostra de onde a água vinha antes, cobrindo a entrada do túnel.
Com o nível da água baixo, foi descoberto um “túnel” em Corrientes, município às margens do rio Paraná, em frente à Resistência. À esquerda, a linha azul mostra de onde a água vinha antes, cobrindo a entrada do túnel. © Fotos enviadas por Alejandro Aguirre.

Ainda mais preocupante, conforme o nível da água cai, é o impacto na vida selvagem. Os peixes morrem, por exemplo, quando ficam presos em lagos, que aos poucos vão secando e virando poças.

Peixes mortos: foto tirada por Alejandro Aguirre, perto de Resistencia, na província argentina de Chaco, em meados de agosto.

Mas essa situação também afeta os humanos. Por exemplo, muito perto daqui, no Bairro San Pedro Pescador, as pessoas vivem da pesca com as suas redes. No entanto, há algum tempo, o governo os impediu de continuar a pescar porque as espécies de peixes estão ameaçadas de extinção, embora tenham chegado a um acordo para permitir que pescassem em determinados locais. Assim, os pescadores são diretamente afetados.

Do contrário, os barcos ficam presos na areia, e a pesca esportiva não é mais possível, o que prejudica o turismo.


No dia 11 de agosto, pescadores artesanais venderam peixes a preços baixos na Praça do Congresso, em Buenos Aires, capital da Argentina, pedindo ajuda, devido à crise do setor associada ao baixo nível do Paraná.

Barcos secos, no Clube da Marinha de Villa Constitucion, na província argentina de Santa Fé: Foto tirada de um drone por Diego Soreira, no início de agosto.

A queda do patamar do Paraná também tem outras implicações para a economia. Enquanto 80% das exportações agrícolas argentinas passam por este rio, os barcos que transportam mercadorias devem reduzir sua carga para evitar encalhes, o que gera custos adicionais: segundo a Bolsa de Valores de Rosário (província de Santa Fé), o setor agroindustrial da região já tem Ele perdeu $ 315 milhões Entre março e julho, principalmente por esse motivo. Além disso, os barcos não podem mais chegar ao porto de Barranqueras no Chaco, Segundo o presidente do Conselho Federal Argentino de Águas.

O transporte fluvial de mercadorias também é afetado pela queda do nível do rio.  A foto foi postada no dia 24 de julho.
O transporte fluvial de mercadorias também é afetado pela queda do nível do rio. A foto foi postada no dia 24 de julho. © Crédito: conta yaninaruizdiaz_rd Instagram.

Outro problema: o abastecimento de água potável – que vem sendo tratada após ser extraída do rio – pode se tornar cada vez mais um problema nos próximos meses. Em entrevista realizada por nossa redação, um morador da cidade de Paraná, na província argentina de Entre Ríos, indicou que já ocorreram cortes de água em alguns municípios, identificados pelos municípios.

As fotos foram tiradas no Paraná, na província argentina de Entre Rios, em janeiro de 2016 (à esquerda) e junho de 2020 (à direita).
As fotos foram tiradas no Paraná, na província argentina de Entre Rios, em janeiro de 2016 (à esquerda) e junho de 2020 (à direita). © Cesar Machado.

A savana estuarina está diretamente ligada às atividades humanas.

Lucas Michlod é advogado ambiental residente em Rosário, na província argentina de Santa Fé, e é sócio daAssociação Argentina de Advogados pelo Meio Ambiente.

A inundação do estuário está diretamente relacionada às atividades humanas no Brasil, Paraguai e norte da Argentina.

Há desmatamento e incêndios florestais … só em 2020, Mais de um milhão de hectares de floresta se transformaram em fumaça na Argentina. A terra é então usada para monocultura, agricultura intensiva ou mesmo projetos imobiliários: assim, há uma mudança no uso da terra. Porém, se a floresta diminuir, o fluxo de água em direção aos rios será menor e menos choverá. [Ces derniers temps, le manque de pluie a été particulièrement marquant au Brésil, NDLR.]

Além disso, a situação atual é explicada pela dragagem do rio [et par la construction d’infrastructures, telles que des ponts et des barrages, selon d’autres spécialistes, NDLR].

Além disso, essa seca é agravada pelo aquecimento global.

Desde o ano passado, um projeto de lei relacionado às “zonas úmidas” está em discussão no parlamento argentino: protegeria essas áreas, que representam quase um quarto das terras argentinas. Mas enfrenta forte oposição liderada pelos setores de mineração e agrícola … Além disso, mesmo que a seca que estamos observando seja regional, devemos dar respostas abrangentes.

Em 26 de julho, o governo argentino anunciou “Emergência de Água” Por 180 dias, nas províncias atravessadas pelo Paraná.

READ  The mayor of Miami is considering putting some of the city's treasury reserves into bitcoin

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *