Ajin: uma caminhada imersiva na floresta no coração dos jacobinos

Uma exposição magistral na Igreja Jacobita que acolhe até 30 de abril o “Projeto Arte na Floresta”. Uma floresta nascida de um grupo de artistas cujas cores refletem os vitrais.

A exposição é uma sublime correspondência cara a Baudelaire entre a natureza, seus pilares vivos e a dimensão sagrada da Igreja jacobita. O Museu e a Cidade de Agen reúnem-se neste cenário extraordinário no sábado, 29 de janeiro, para uma nova exposição em parceria com a Forest Art Project Association, que visa educar as gerações mais jovens sobre o respeito pela natureza e pela biodiversidade através da arte e ciência botânica .

É composto por obras de onze artistas talentosos, incluindo desenhos do famoso botânico e cientista Francis Haley, projetados aos sábados no Les Montreurs d’images.

Esta exposição fala sobre este mundo moribundo, sobre o desmatamento e o aquecimento global, que é necessário proteger. “É um convite para mergulhar e sonhar”, disse Marie-Claude Eachimet, assistente cultural, no coração dessa floresta primitiva criada do zero para os jacobinos e o grupo de artistas, a curadora Pauline Lisowski fala de um passeio entre as árvores e as brigas. Cerca de 300 criações plásticas serão apresentadas ao público, bem como a crianças em idade escolar, que serão entoadas através de múltiplas gravações de áudio de florestas tropicais e diversos filmes, para imersão total.

As obras foram assinadas por Mark Ulsterlind, Naim Amelot, Ursula Carwell, Claude Como, Terry Dubereuil, Frances Haley, Vincent Lagarrigue, Baptiste Linell, Gilles Teller, Sarah Valente e Mathilde Wolff.

arte da cicatriz

Quatro artistas estiveram presentes na semana passada em Agen para a instalação. Membro da sociedade e artista conceitual Ursula Carwell trabalha em conexões planta-humano como seu trabalho em “The Drama of Bark Beetles”, um pequeno inseto que vive nas florestas de abetos do nordeste da França. Parte do qual desapareceu do mapa. “Eu fiz impressões monocromáticas de impressões de lâminas nas hastes cortadas, depois costurei-as, bordei-as como esperança e precisava curar alguma coisa.” Seu processo criativo passa pela observação das plantas nos locais onde suas instalações são expostas. Ela defende a arte local e nômade onde a identidade da paisagem e a questão de reviver a pintura é essencial. Apaixonada por botânica, ela estuda os processos de crescimento dos seres vivos para replicar sua natureza criativa.

READ  Fausses informations sur la COVID-19: la suspend des comptes de Bolsonaro sur les réseaux sociaux demandée

Mathilde Wolff admirava Frances Haley. Durante uma longa viagem ao Brasil, me interessei pelas florestas primárias da costa atlântica, reservatório de biodiversidade, tragicamente abatido. Esse trauma emocional provoca uma evolução em sua prática, que agora visa conscientizar sobre questões ambientais. Criou a série Na Mata, onde as formas das plantas tornam-se temas flutuantes e onde a floresta reverbera através da nitidez das camadas, das aguarelas, da subtileza do traço, do apagamento mas também da reprodução, da multiplicação das texturas.

Mark Alsterlind é da Califórnia e artista há 40 anos. Exibe em todo o mundo. Ele fica de olho nos signos seculares e há vários anos também se compromete a explorar volumes, como pilhas de livros embebidos em capa dura e transformá-los em inusitados painéis de pedra. É carne de árvore que é reciclada pelo artista. “Esse projeto foi liderado por Francis e Vincent e eu. Nos conhecemos no set de um filme no Gabão. A partir daí nasceu a associação e depois o grupo. Queríamos ampliar o tema e nos abrir para outros artistas.”

trio fundamental

Vincent Lagarrig, que foi médico e cientista da Cruz Vermelha, evoca “um choque estético e emocional diante da floresta da Guiana. O verdadeiro apelo da árvore. Conheci Frances Haley e também estabelecemos com Mark, o Forest Art Project. Assim, a ciência e a arte se comprometem com o futuro das grandes florestas primárias: a Amazônia, a africana, a indonésia que participa do movimento constante do planeta. para a beleza das coisas.” O seu trabalho centra-se nos ecos terrestres, telúricos e marinhos, entre origem e futuro, complementados por uma obra de escultura que mostra madeira, árvore e bosque para encontrar nas fibras esquecidas, destruídas, calcinadas, a possibilidade de ‘emergência’.

READ  Neymar concordou com este documentário?

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *