Antes das Olimpíadas de Surdos, Olimpíadas de Surdos, “Promover nosso esporte será ótimo”

Duas semanas antes da abertura dos Deaflympics, o equivalente olímpico dos Jogos de Surdos e Deficientes Auditivos, em 1º de maio no Brasil, Sebastien Messager, Head of Deaf Sports da Handisport por um ano e meio, falou sobre as dificuldades de desenvolver esportes para surdos e as esperanças da delegação francesa.

Quais projetos o sindicato implementou desde que você chegou a esse cargo?

Sebastião Mensageiro. Nossa missão é apoiar projetos de desenvolvimento do esporte surdo, para que os atletas surdos sejam reconhecidos como os melhores atletas, o que não é o caso no momento. Enfrentamos enormes restrições financeiras, porque tudo é feito com dinheiro da própria Federação. O primeiro esporte para surdos recentemente reconhecido pelo ministério: o boliche. As disciplinas devem atender a critérios rígidos: deve ser praticada por muitos tricolores, deve estar presente em um certo número de países e a França deve estar bem classificada globalmente. Essa primeira tag é poderosa porque desbloqueia automaticamente listas de nível superior para atletas.

Os jogos para surdos podem ajudar os esportes surdos nessa direção?

Pessoalmente, estou convencido de que a promoção do esporte para surdos passará por grandes performances e atletas muito competentes. A ajuda estatal é enorme para os esportes olímpicos e paralímpicos. Nosso sindicato enfrenta os mesmos problemas que outras práticas não olímpicas entre as pessoas que ouvem. O Ministério começou a abrir os olhos para isso, financiou um terço do orçamento para esses jogos, caso contrário não vamos sair.

Quais são os objetivos da seleção francesa nesta competição?

Não especificamos uma medalha de gol. Com o período de Covid, houve algumas competições de referência. Estamos tentando construir um time bonito e jovem. O que me interessa é mostrar que o esporte para surdos é um esporte de alto nível. Mostrar aos jovens que um verdadeiro caminho na vida é possível, porque muitos surdos e deficientes auditivos nem sabem que existem clubes e times franceses. No Brasil teremos uma delegação de cerca de sessenta atletas de cerca de dez disciplinas. E com o nível dos nossos atletas, com certeza teremos grandes atuações.

READ  Luis Henrik, "O Paciente Brasileiro" na OM

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *