Antonio Zambogo voltou à França para um concerto extraordinário na Basílica de Saint-Denis

É uma das grandes vozes da música portuguesa no século XXI. Esta voz de tom embriagador, com uma paleta infinita de sentimentos, exprime-se muito para além dos confins do fado, este canto sombrio que revela as profundezas da alma da sua pátria. Antonio Zambogo, 45 anos, inspira-se nas mais diversas influências e gosta de cantar em diferentes idiomas. Do jazz ao pop, do folclore português à música brasileira, a sua música sutil e requintada, que cruzou mares e oceanos, fez com que fosse apresentado como uma personagem do “neo fado”, termo que não abraça. não necessariamente reconhecer.

A última visita de Antonio Zambogo à França remonta ao inverno de 2020, altura em que veio apresentar o seu impressionante historial. dentro fora (“Upside Down”), com melodias cativantes. Na primavera, um novo estúdio de gravação foi lançado em Portugal (mas está disponível nas plataformas), voz e violão O título é uma referência ao disco de João Gilberto, uma de suas grandes influências.

Zambujo atua na terça-feira, 22 de junho de 2021 na Igreja de Saint-Denis, em Crio, Perguntado Festival de Saint Denis para o festival Planície de Metis Comum (22 de junho a 10 de setembro) que este ano celebra a osofonia. Ele vai se apresentar ao lado da conterrânea Anna Mora, outra grande voz do Fado, e também da Orquestra Nacional da Bretanha sob a direção da violinista Fiona Monbet. no álbum dentro foraCom efeito, Antonio Zambogo acompanhou em algumas canções a orquestra Sinfonietta em Lisboa. Ele também canta nas noites de quinta-feira em Finistère.

Lote B (Pedro da Silva Martins / Luís José Martins), primeiro single do novo álbum de António Zambujo, som e guitarra

Cultura Franceinfo: Por vezes é apresentado como um dos mestres do “neo fado”. O que “neo fado” significa para você?
Antonio Zambogo: Eu não me qualifico assim! Não gosto de rótulos na música. Gosto de cantar em português, com influências, tenho uma base que é a música tradicional. Principalmente a região do Alentejo no sul de Portugal. Existe uma grande tradição de canto polifônico. O Fado é uma das minhas memórias musicais mais antigas. É por isso que comecei a cantar e ouvir gravações. Depois, apaixonou-se por João Gilberto, Chet Baker e outros cantores. A música começou a se misturar. O que faço hoje é o resultado de todas essas influências. As gravações que ouço podem mudar a música que faço, mas essa base permanece.

READ  "Pare de choramingar!" Bolsonaro afirma, apesar do histórico desastroso do Brasil

Em relação às suas memórias musicais, quais são as primeiras imagens, quais são os primeiros sons que voltam para você?
É muito importante porque é um grupo de canto polifônico, no qual quarenta homens cantam juntos. Para mim, que era tão jovem, foi muito legal. A primeira vez que cantei em público, estava em uma banda semelhante, tinha seis ou sete anos, e isso causou um grande impacto. As músicas eram bem simples, com melodias e harmonia que me marcaram, e ficou uma lembrança muito forte. Essa influência persiste até hoje, para arranjos e principalmente para composição. Depois vieram as gravações de fado com a voz de Amalia Rodriguez, e de outros cantores como Max e Tony de Matos e cantores clássicos portugueses. Mas o mais importante era o canto polifônico. Minha avó, de quem eu era muito próxima, conhecia todas as canções, me deu as letras para cantá-las.

Comecei com o clarinete. Quantos anos você tinha quando começou a cantar?
Ouvia fado, mas no início cantava especialmente para a família e amigos. Eu tinha 16 anos quando cantei pela primeira vez perante uma plateia numa pequena localidade de Beja [ndlr : la ville où il a grandi]. Mas antes disso, eu estava aprendendo clarinete e estudando no conservatório. Ela tocou principalmente em uma pequena orquestra composta por alunos do Conservatório. Foi uma experiência agradável. Depois disso, parei o clarinete e comecei a cantar.

Conte-nos sobre essa música maravilhosa que permeou sua juventude e te afetou diretamente?
O primeiro disco que ouvi do João Gilberto foi o último, som e guitarra [ndlr : sorti en 2000]Onde ele canta sozinho com seu violão. Quando ouvi este álbum, mudou a forma como ouço e penso sobre música, toco e canto. A seguir, busquei compulsivamente todas as suas gravações, depois todas as gravações dos vários compositores cantadas por João Gilberto, depois as canções dos cantores que influenciaram João Gilberto como Orlando Silva, Noel Rosa e Cartola. Já ouvi Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Chico Boarque, Caetano Veloso … Adoro as gravações que o Vinicius fez com o Toquinho. Ouvi as cantoras Elizabeth Cardoso e Ellis Regina … meu disco mais importante em termos de impacto é Ellis e Tom [album d’Elis Regina et Tom Jobim sorti en 1974]. É, para mim, o disco mais lindo da história da música.

Drift Wood (Jorge Drexler), em dueto com Mon Laferte, trecho do álbum dentro fora (lançado na França em 2020)

O jazz também é muito importante para você …
Do lado norte-americano, quem me mudou em particular são Chet Baker e Nat King Cole … Adoro o trabalho que Tony Bennett fez com Bill Evans, que é o melhor pianista aos meus olhos. Tem também o Tom Waits que é muito importante para mim em termos de visão artística: adoro a mistura que ele faz entre, por um lado, arranjos muito bonitos, e por outro lado, a sua voz que traz o caos à sua música e cria algo inesperado. Existem registros de Nina Simone, Billie Holiday eCancioneiro americano, Bob Dylan, Joni Mitchell … Cada vez que ouço todas essas gravações, isso muda minha visão da música, minha maneira de ouvir e me muda como intérprete.

O Brasil está muito presente na discografia. Um de seus álbuns anteriores [Até pensei que Fosse Minha, sorti en 2016] Dedicado à música de Chico Bouarque …
É uma saudação. Chico é talvez o homem mais importante para falar português. Em 2019, recebe o Prémio Camões, o mais importante prémio literário desta língua. Quando batemos o recorde, o Chico estava muito presente. Para mim foi ótimo, ele sugeriu músicas para cantar, veio ao estúdio de gravação, fez pequenas correções nas letras … Éramos tão próximos, nunca imaginei que um dia me tornaria tão próximo de um músico como o Chico. ..

Existe um ótimo relacionamento, uma grande história de intercâmbio artístico e interação musical entre Brasil e Portugal?
Temos a mesma linguagem e isso é importante. Mas está muito longe. Estamos na Europa. Nos anos 80, 90 e 2000, houve alturas em que estivemos mais próximos do resto da Europa, e mais ainda do que dos países de língua portuguesa. Agora eu acho que é um pouco diferente, o relacionamento é tão melhor quanto o relacionamento entre os músicos. Existe muita relação entre Brasil, Cabo Verde e Angola, mas acho que podemos fazer mais. Mas isso deve acontecer naturalmente. Não podemos impor coisas.

Se você não me quer mais (Luisa Sobral), música de abertura do álbum dentro fora (lançado na França em 2020)

O último álbum que fiz até agora na França, dentro foraOs seus discos marcaram a vida de Lisboa e as suas dimensões narrativas poderosas, quase cinematográficas..
Sim. É todo dia. É como se eu estivesse escrevendo um post na janela. Eu olho na rua, há histórias acontecendo, eu descrevo o que vejo. Com músicos e produtores gravados, ouvimos muitas músicas e conversamos muito sobre cinema. Todos nós tínhamos uma paixão e uma ligação muito fortes com o cinema e a música para filmes. Adoro a maneira como diretores como Stanley Kubrick, Quentin Tarantino e Martin Scorsese usam a música. Quando trabalhamos em cada peça, pensamos: “Esta peça deve poder aparecer em um filme de Tarantino, Scorsese, Almodóvar ou Paul Thomas Anderson …”

Antonio Zambogo em show na França
Terça-feira, 22 de junho de 2021 na Basílica de Saint-Denis às 20h30: “Fado hoje”Com Anna Mora (vocal) e Fiona Monbett (violino). Criar, comissão Festival de Saint Denis para o festival Planície de Metis Comum

Quinta-feira, 24 de junho de 2021 a Rodor, Saint-Martin-des-Champs, 20h (o concerto estava inicialmente marcado para 9 de janeiro)
> Sua agenda musical

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *