Arqueólogos descobrem conjunto de arte rupestre de 9.000 anos próximo a pegadas de dinossauros no Brasil

Arqueólogos descobrem conjunto de arte rupestre de 9.000 anos próximo a pegadas de dinossauros no Brasil

A descoberta arqueológica no Brasil revela uma interação fascinante entre as culturas humanas pré-históricas e o ambiente natural, manifestada por pinturas rupestres, de 9.000 anos, justapostas a pegadas de dinossauros.

Este estudo, realizado por uma equipe multidisciplinar de arqueólogos e paleontólogos vinculados a diversas instituições brasileiras, foi publicado na revista Relatórios Científicos. O sítio do Serrote do Letreiro, localizado no estado da Paraíba, tornou-se um ponto focal para a compreensão de como nossos ancestrais percebiam seu mundo, integrando elementos da fauna pré-histórica em sua arte rupestre.

Estas descobertas não apenas acrescentam uma camada ao conhecimento da história natural. Destacam a complexidade das interações entre os primeiros habitantes da região e o seu ambiente, revelando a importância das pegadas de dinossauros no quadro cultural e espiritual das comunidades antigas.

Tela de arte rupestre pré-histórica revelada

O sítio Serrote do Letreiro, no município de Sousa, nordeste do Brasil, estado da Paraíba, é caracterizado por três grandes afloramentos rochosos. Distribuído por 15.000 metros quadrados, está localizado próximo ao Vale dos Dinossauros, famoso por suas inúmeras pegadas fossilizadas de dinossauros.

Este sítio apresenta-se então como um cruzamento excepcional entre a arte antiga e a paleontologia. É caracterizado por seu conjunto único de pinturas rupestres. Concretamente, trata-se de gravuras rupestres feitas por povos antigos.

Eles estão localizados próximos às pegadas de dinossauros. Na verdade, estas marcas do passado oferecem aos investigadores um panorama direto do Cretáceo Inferior.

Pegada de dinossauro no Brasil. ©Leonardo Troiano

Precisamente, essas pegadas fossilizadas são atribuídas aos terópodes. Estes são carnívoros bípedes, alguns dos quais são ancestrais diretos das aves modernas. Depois, reconhecemos as pegadas dos saurópodes, gigantes de pescoço comprido.

READ  Khabib quer que Makhachev domine Oliveira no Brasil, 'em sua casa'

Eles são conhecidos por estarem entre os maiores animais que já existiram na Terra. Finalmente, existem os iguanodontianos, um grupo diversificado de herbívoros. Eles vagaram pelas florestas e planícies da era Mesozóica.

Certamente, os arqueólogos conhecem pegadas de dinossauros na região de Sousa desde o início do século XX. Mas a maior atenção estava focada nessas impressões até descobertas mais recentes. A arte rupestre, embora mencionada em trabalhos anteriores, não foi estudada em profundidade e ligada a pegadas de dinossauros até pesquisas realizadas e publicadas no século XXI.

Arte rupestre e pegadas: uma proximidade perturbadora

Os petróglifos do sítio Serrote do Letreiro distinguem-se pelos seus complexos padrões circulares preenchidos por linhas radiais. Além disso, os humanos antigos faziam esculturas com duas técnicas: perfuração e raspagem.

Esta arte rupestre é atribuída a pequenos grupos semi-nômades de caçadores-coletores. Eles viveram onde hoje é o Brasil entre 9.400 e 2.620 anos atrás. No entanto, os pesquisadores não encontraram nenhum vestígio orgânico que pudesse permitir a datação por radiocarbono.

Por isso ” comparamos a arte com sítios arqueológicos na área com arte rupestre semelhante ou idêntica », explica Troiano ao Ciência Viva. Petroglifos em sítios como a Pedra do Alexandre, cerca de 200 km a oeste do Serrote do Letreiro, datam de cerca de 9.400 anos. Esta estimativa é então baseada em análises de radiocarbono de sepultamentos humanos.

Esta coabitação espacial indica uma abordagem deliberada, evidenciando um fascínio pelos vestígios deixados pelos dinossauros. Leonardo Troiano sugere que “ os indivíduos que fizeram esses petróglifos tinham plena consciência das impressões. Eles provavelmente escolheram este local precisamente por causa destes “.

(A) Fotografia aérea do afloramento. (B) Esboço digital do mesmo afloramento, com pegadas de terópodes em branco e pinturas rupestres em laranja escuro. Barra de escala = 2 m. A seta aponta para o norte. © L. Troiano et al., 2024

Esta integração deliberada e cuidadosa das gravuras na arte rupestre pode estar ligada a rituais ou mitos. Podemos imaginar um significado espiritual ou simbólico.

READ  o Eliseu gasta 3.000 euros para transportar dois ternos do presidente na classe executiva

A disposição dos petróglifos sugere uma intenção clara. Os antigos queriam criar uma conexão visual entre a arte humana e as marcas das criaturas de um mundo passado. Poucos casos dos dois juntos no mesmo local de escavação foram descobertos, observam os autores.

Interpretações e implicações culturais

A presença simultânea de petróglifos e pegadas de dinossauros sugere uma profunda integração dos fósseis no tecido cultural e espiritual destas comunidades. Ao colocar deliberadamente as suas obras perto ou em associação directa com estas gravuras, os povos antigos não estavam simplesmente a marcar o seu território ou a decorar os seus espaços de vida.

Na verdade, estas impressões serviram potencialmente como catalisadores em práticas rituais. Os antigos podem tê-los visto como conexões com espíritos ou forças da natureza. Até como portais para um mundo ancestral povoado por criaturas míticas.

Arte do rock. ©Leonardo Troiano

A hipótese que liga os petróglifos às visões alucinógenas enriquece a nossa compreensão da arte antiga como expressão da experiência espiritual. Em seguida, levanta questões fascinantes sobre as práticas rituais e crenças das sociedades pré-históricas.

Esta teoria, apresentada por investigadores, destaca a possibilidade de uma dimensão transcendental na criação artística destes povos. As semelhanças entre os desenhos gravados e as visões típicas relatadas por usuários de substâncias psicoativas sugerem que a arte pode ter servido como meio de explorar e expressar realidades alteradas.

A descoberta do Serrote do Letreiro evidencia assim a importância da preservação destes sítios únicos. Esses vestígios oferecem uma perspectiva inestimável sobre as primeiras tentativas humanas de dar sentido ao seu ambiente. A primeira tentativa de interpretar o mundo natural ao seu redor. A sua preservação torna-se crucial para a compreensão das culturas antigas e da sua relação com a terra nutritiva.

READ  Um ataque cibernético priva brasileiros de certificado de vacinação e avaliação de epidemia

Fonte: Troiano, LP, dos Santos, HB, Aureliano, T. et al., “Um notável conjunto de pinturas rupestres e pegadas de dinossauros no Nordeste do Brasil”, Sci Rep 14, 6528 (2024)

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *