Bagdá | Pelo menos 80 pessoas morrem em um incêndio em um hospital designado para COVID-19

(Bagdá) Mais de 80 pessoas no período dimanche, arrachées à leur respirateur, asphyxiées par les fumées ou carbonisées suspensão dans l’incendie d’un hôpital dédié à la COVID-19 à Bagdad, une tragédie née de néglences qui Ministro da Saúde.




Salam FARAJ e Ahmed AL-RUBAYE
France Media

Tudo começou durante a noite com a explosão dos cilindros de oxigênio “armazenados sem observar os requisitos de segurança”, de acordo com médicos do Hospital Ibn Al-Khatib. Então, por horas a fio, as chamas devoraram tetos falsos que não eram à prova de fogo e, por baixo, pacientes usando ventiladores destruíram brutalmente suas camas.

A defesa civil disse: “O incêndio não durou mais do que três andares, apenas três minutos.”

Foto de Anmar Khalil, jornalista associado

Os funerais das vítimas do incêndio ocorreram em Najaf.

De acordo com o último relatório divulgado pelo Ministério do Interior, “82 pessoas morreram e 110 ficaram feridas” em um país que há décadas sofre com o colapso do sistema de saúde.

As perdas também são pesadas porque os bombeiros não chegaram imediatamente ao hospital nos subúrbios agrícolas e remotos de Bagdá.

Sentimos uma explosão. Havia entre 140 e 150 pessoas no hospital. Vimos o incêndio e não conseguimos salvar ninguém “, conta Bakr Kadhim, chorando enquanto acompanha o caixão de seu pai até Najaf.

Nesta cidade sagrada ao sul de Bagdá, onde a grande maioria dos xiitas iraquianos está enterrada, as procissões fúnebres se seguiram ao longo do dia.

Amir, 35, teve mais sorte. Ele disse à Agence France-Presse que “conseguiu com dificuldade salvar seus irmãos que estavam no hospital”.

Foto da Reuters por Thaer Al-Sudani

Paramédicos se preparam para transportar um homem com diagnóstico de COVID-19.

“São estes que libertaram os feridos”, insiste, a meio da noite, a meio do mês do Ramadão, durante as horas da multidão de doentes e familiares que tentavam fugir do hospital com o estreito serviço . As escadas, só foram ajudadas pelos moradores que vieram dar uma mãozinha.

READ  Lara Trump, a nova queridinha republicana?

Os bombeiros lutavam na armadilha de Ibn al-Khatib: “O hospital não tem sistema de extinção de incêndios e o fogo se espalhou pelos telhados emprestados”, explicou a Defesa Civil. A maioria das vítimas morreu devido ao deslocamento e negação de ventiladores. Outros sufocados pela fumaça.

Hashtag “renúncia”

Desde a tragédia, a hashtag “renúncia do ministro da Saúde”, que ele não assinava desde o incêndio, tornou-se a principal palavra-chave do Twitter no Iraque.

O primeiro-ministro Mustafa Al-Kazemi respondeu no meio da estrada, que declarou um período de luto nacional de três dias e concedeu 10 milhões de dinares (cerca de 5.700 euros) à família de cada vítima. Ele “suspendeu” e “colocou à disposição dos investigadores” o ministro da Saúde, Hassan Al-Tamimi, um amigo próximo do profundamente perturbado líder xiita Muqtada al-Sadr.

A mesma pena foi aplicada ao governador de Bagdá, Muhammad Jaber, e ao chefe da saúde no leste de Bagdá.

Uma declaração do gabinete do Sr. Al-Kazemi afirmou que “os resultados da investigação serão apresentados ao governo dentro de cinco dias.”

O diretor do hospital e os chefes de segurança e manutenção técnica de Ibn al-Khatib foram convocados para interrogatório durante a noite.

O primeiro-ministro sabe que está enfrentando uma emboscada pró-iraniana que o ataca: mais uma vez no domingo à noite, as brigadas mais radicais do Hezbollah exigiram a renúncia de seu governo.

Al-Kazemi respondeu no Twitter que era necessário “evitar a manipulação política nesta catástrofe nacional”.

A indignação no Iraque vem de atribuir o fogo à negligência, que anda de mãos dadas com a corrupção desenfreada no país, conforme indicou o Presidente da República, Barham Salih.

“A tragédia de Ibn al-Khatib é o resultado de anos de enfraquecimento das instituições estatais por meio da corrupção e da má gestão”, escreveu ele no Twitter.

READ  Covid-19 | Dinamarca apresenta passaporte de saúde na reabertura

um crime”

Para o Comitê de Direitos Humanos do governo, trata-se de um “crime” contra “pacientes assediados pela COVID-19 que colocaram suas vidas nas mãos do Ministério da Saúde e que em vez de serem curados morreram nos incêndios”.

É o caso de Ali Ibrahim, 52. Ele tinha acabado de passar 12 dias no hospital e tinha alta programada para sábado à noite.Um parente disse à AFP que ele estava apenas esperando o resultado de seu último teste COVID-19.

A missão da ONU no Iraque expressou seu “choque”, enquanto o Papa Francisco, que esteve no Iraque no início de março, pediu “orações” pelas vítimas.

Como no eco, um novo incêndio irrompeu na noite de domingo na boca de todos: a chama de um shopping em Kirkuk (centro), e nenhuma vítima foi identificada imediatamente.

O Iraque teve mais de 1 milhão de casos de COVID-19 na quarta-feira, ou um em cada 40 pessoas, com mais de 15.000 mortes. O país, talvez devido à sua população jovem, registra um número relativamente baixo de mortes.

Para evitar um hospital degradado, os pacientes geralmente preferem ter um cilindro de oxigênio instalado em suas casas.

A campanha de vacinação foi lançada no início de março, mas os moradores que estão evitando as máscaras continuam extremamente céticos.

Das aproximadamente 650.000 doses de várias vacinas – quase todas recebidas na forma de doação ou por meio do programa internacional Covax – cerca de 300.000 foram administradas.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *