Bancos centrais em desordem diante dos desafios climáticos

La Banque centrale européenne (BCE), assume publiquement aujourd'hui le fait d'intervenir, dans la mesure où le dérèglement climatique a des conséquences directes sur son mandat, la stabilité des prix et, concernant l'institution de Francfort, la supervision bancaire (archives). © KEYSTONE/EPA EUROPEAN CENTRAL BANK/SANZIANA PERJU / ECB HANDOUT

Sendo o salvador da economia global durante a crise financeira de 2008 e após a pandemia, os bancos centrais estão confusos na proteção do clima, jogando seu peso sobre os governos.

Por que eles estão agindo?

Como a maioria dos participantes do mundo financeiro, eles estão enfrentando os riscos crescentes associados ao aquecimento global para a economia, bem como o aumento da pressão do público e das ONGs.

Alguns, como o Banco Central Europeu (BCE), assumem agora abertamente um ato de intervenção, na medida em que as alterações climáticas têm consequências diretas para os seus mandatos, a estabilidade de preços e, para a Fundação de Frankfurt, a supervisão bancária.

O início da ação climática do banco central às vezes remonta a um discurso que o governador do Banco da Inglaterra, Mark Carney, considerou fundamental em 2015, referindo-se à “tragédia do horizonte”.

O que eles decidiram?

Entre as ferramentas à sua disposição estão os testes de estresse climático, testes de estresse projetados para julgar a solidez das instituições financeiras diante de choques.

E enquanto o Banco Central Europeu acaba de lançar iniciativas nesse sentido, o Banco da França já testou nove grupos bancários e quinze seguros em maio e, no momento, revelou riscos moderados para essas instituições.

Também nos cartões do BCE, a potencial maior consideração do risco climático na escolha das compras de obrigações de empresas e durante as operações de refinanciamento, por preferir instituições que os oferecem em garantia com ativos alheios às atividades mais poluentes.

O Banco da China também está considerando testes de estresse climático, enquanto o Banco da Inglaterra começou a fazê-lo em junho, continuando a questionar bancos como o HSBC e o Barclays. Também deve anunciar antes do final do ano seu programa de recompra de seus ativos no meio ambiente.

READ  Racy race vê Virgin vencer

Em geral, muitos bancos centrais aderiram à Rede de Bancos Centrais e Supervisores para Esverdear o Setor Financeiro (NGFS), que hoje inclui 95 bancos centrais e reguladores, como o Banco da China, Índia ou do Brasil.

O Banco do Japão, que também é membro, introduziu financiamento sem juros em junho para instituições de crédito que financiam eles próprios atores econômicos envolvidos em projetos ambientais. O Banco do Japão também comprará títulos verdes denominados em moedas estrangeiras.

O maior banco central do mundo, o Federal Reserve dos EUA, no entanto, não se destaca por suas iniciativas. Seu presidente, Jerome Powell, enfatizou reservadamente que a proteção climática “não é algo com que lidamos de frente”.

“Nos sentimos engajados em pensar sobre os riscos climáticos”, como desastres naturais, a fim de determinar seus efeitos na economia e no sistema financeiro, disse Mary Daley, presidente do capítulo de São Francisco, na quarta-feira.

Eles tomaram medidas urgentes?

O trabalho deles é “rápido e lento”, disse o juiz Eric Dorr, diretor de estudos econômicos da Escola de Administração do IESEG.

“As ideias podem ser facilmente encontradas e explicadas, mas colocá-las em prática é muito complexo e é necessário convencer muitas partes interessadas”, diz ele.

Desde a imposição de controles financeiros às instituições durante os testes de estresse até a escolha de ativos verdes para comprar, “é preciso ser progressista”, diz o economista.

Como nas duas crises financeiras anteriores, os banqueiros centrais dos principais países desenvolvidos estão pedindo aos governos que levem essas questões em consideração eles mesmos.

“Os bancos centrais têm uma parte do problema a resolver, mas tentar resolvê-lo sozinho não levará a lugar nenhum”, disse Romain Svartzmann, economista do Banco da França e co-autor de um relatório chamado “O Cisne Verde”.

READ  Um novo começo simbólico oficializado na Paris SG

“Não adianta um banco central atuar sozinho em um país onde o governo não faz nada e vice-versa”, acrescenta.

Posição transmitida pela presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, durante discurso em Veneza, em julho, destacando que os governos “controlam as principais ferramentas necessárias”.


ATS, awp, afp

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *