Birmânia | Acusado de Suu Kyi, pede aumento da desobediência civil

(Yangon) A líder birmanesa Aung San Suu Kyi foi acusada na quarta-feira, dois dias depois de ter sido deposta por um golpe militar, enquanto os apelos à desobediência civil aumentavam.




France Media

Os militares encerraram abruptamente a frágil transição democrática do país na segunda-feira, declarando estado de emergência de um ano e prendendo Suu Kyi, 75, o chefe de fato do governo civil, e outras autoridades de seu partido, a Liga Nacional para a Democracia (LND) . .

O ex-líder foi acusado de “violar a lei de importação / exportação” e “o tribunal ordenou sua prisão preventiva” até 15 de fevereiro, segundo Ki Tu, porta-voz da Liga Nacional para a Democracia.

De acordo com Kyi Toe, o ex-presidente Win Myint, que também foi preso, está sendo julgado por violar a Lei de Gestão de Desastres Naturais.

Segundo o partido, foram realizadas batidas em várias sedes do movimento e apreendidos documentos.

Dois dias depois deste golpe, condenado por muitos capitais estrangeiros, surgiram os primeiros sinais de resistência.

Médicos e profissionais de saúde, que usavam fitas vermelhas (a cor da Liga Nacional), se recusaram a trabalhar, exceto em casos de emergência médica. “Só obedeceremos ao governo eleito democraticamente”, disse Aung San Min, chefe de um hospital com 100 leitos em Magway (centro), enquanto os militares desafiam as eleições legislativas de novembro, que o NLD ganhou por uma maioria esmagadora.

A equipe médica do Hospital Geral de Yangon se reuniu em frente às instalações e saudou três dedos, um gesto de resistência já adotado por ativistas pró-democracia em Hong Kong ou na Tailândia.

READ  This robot dog learned how to get up after falling

Um grupo, o “Movimento pela Desobediência Civil”, foi lançado no Facebook, com cerca de 160.000 assinantes. Pode-se ler “Shame on the army”, “Os soldados são ladrões”.

Na terça-feira à noite, no distrito comercial de Rangoon, a capital econômica, os moradores tocaram suas buzinas, bateram em potes e frigideiras e alguns gritavam: “Vida longa à mamãe Soo!” (Su Kyi).

Percebendo os acontecimentos, o último, que agora estará em prisão domiciliar na capital, Naypyidaw, exortou os moradores a não “aceitarem” o golpe em uma carta pré-escrita.

Mas o medo da vingança ainda é forte em um país que viveu, desde sua independência em 1948, sob o jugo da ditadura militar por quase 50 anos.

“A população sabe muito bem como os militares podem ser violentos e pouco se preocupa com sua reputação internacional”, disse Francis Wade, autor de livros sobre o país.

Atenção

As autoridades já emitiram um alerta contra qualquer discurso que “possa fomentar motins ou uma situação de instabilidade”.

O golpe, que o general Min Aung Hlaing considerou “inevitável”, gerou uma série de condenações internacionais.

Depois de ameaçar impor novas sanções, o governo Joe Biden levantou a retórica novamente contra a Birmânia, o primeiro grande teste internacional para o novo presidente dos Estados Unidos.

Um oficial dos EUA disse que Suu Kyi e Win Myint foram “derrubados por um golpe militar”. Esta qualificação legal dificulta a assistência ao estado de Washington, birmanês, que disse ter sido “perturbado” na quarta-feira pela acusação de Mr.Eu Suu Kyi chamou o exército de todos os líderes presos.

Mas a resposta dos EUA permanece principalmente simbólica: os militares birmaneses já estão sob sanções desde os abusos cometidos por seus soldados contra a minoria muçulmana Rohingya em 2017, uma crise que levou os investigadores da ONU a acusar Burma de “genocídio”.

READ  Donald Trump dirigiu os serviços secretos para proteger sua família

Aliado chinês

O Conselho de Segurança da ONU se reuniu com urgência e a portas fechadas na terça-feira, mas não conseguiu chegar a um acordo sobre um texto comum. As negociações ainda estão em andamento, de acordo com um diplomata, que pediu anonimato.

Para ser adotada, a declaração requer o apoio da China, que está exercendo seu poder de veto como membro permanente do Conselho de Segurança.

No entanto, Pequim continua a ser o principal apoio à Birmânia nas Nações Unidas, já que a China frustrou qualquer iniciativa durante a crise de Rohingya, acreditando que o conflito com a minoria muçulmana era apenas um assunto interno da Birmânia.

Na quarta-feira, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês pediu à comunidade internacional para “criar um ambiente externo saudável para que a Birmânia possa resolver adequadamente suas diferenças”, dizendo que qualquer intervenção do Conselho de Segurança deve “evitar o agravamento das tensões e complicar a guerra”. De acordo com a nova agência estatal chinesa.

Os chanceleres do G7 se disseram “muito preocupados” com os acontecimentos, assim como o Fundo Monetário Internacional, “extremamente preocupado” com seu potencial impacto na economia do país, que já foi atingido pela epidemia do Coronavírus (mais de 140 mil casos e 3.100 infecções. As mortes registadas).

A Liga Nacional para a Democracia pediu ao Facebook a “libertação” imediata de Aung San Suu Kyi, 75, e suas outras autoridades. Um porta-voz do partido disse que nenhum contato direto foi feito com Suu Kyi, embora os vizinhos a tenham visto caminhando no jardim de sua casa oficial murada.

Os militares prometeram realizar novas eleições assim que o estado de emergência for suspenso por um ano.

READ  A Suprema Corte fecha uma frente legal aberta contra Trump

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *