Brasil desempenha o papel do turismo interno e do turismo africano

Brésil : le tourisme autochtone et l

Descriptografar Josette Seksic (Futuroscopia)

Depois de ter sido duramente atingido pelos anos Bolsonaro, fazendo-o cair do pedestal e retornar aos seus velhos demônios, o turismo brasileiro teve alguns anos difíceis. Corrupção, repressão do Ministério da Cultura, subsídios às escolas de samba, pilhagem da Amazônia, carnificina ambiental irreparável, retorno da pobreza extrema… Em apenas alguns anos, o milagre brasileiro foi interrompido por uma política liberal que nos faz esqueça as garotas. Ipanema, Carnaval, Bossa Nova, o gênio arquitetônico de Brasília… Felizmente as coisas mudaram e o retorno do presidente Lula em 2022 deu esperança à economia brasileira e ao seu turismo. Os mais proeminentes são o “turismo africano” e o turismo “indiano”. Acolher a diversidade nos níveis cultural, social e ambiental.



Brasil: Turismo interno e turismo africano são áreas de promoção do destino - Foto JS
Brasil: Turismo interno e turismo africano são áreas de promoção do destino - Foto JS

Brasil: Turismo interno e turismo africano são áreas de promoção do destino – Foto JS

Confiar no património humano, não só para melhorá-lo, mas para lhe permitir desenvolver uma economia própria, tornou-se comum.

Que país não procura nas suas raízes elementos culturais autênticos, capazes de realçar a sua história e, por vezes, o seu génio? Mas sempre há ambigüidade na resposta. Na realidade, Deveríamos envolver os povos indígenas sob o risco de fazê-los perder a alma? Em atividades comerciais até certo ponto, ou Deveríamos preservá-lo, mantendo-o afastado dos círculos turísticos?

Ambas as respostas são possíveis desde que mantenhamos as coisas precisas e comedidas. Porque ambos podem fornecer Recursos economicos Para as sociedades que vivem na marginalidade, isso é mais desconfortável do que as imagens “nostálgicas” de épocas passadas podem sugerir.

Leia também: No Canadá, revisitando a história com os povos indígenas 🔑

Assim, o Brasil, assim como o Vietnã, a Tailândia, a China, o Peru e muitos outros, optou por homenagear Povos indígenas indígenasou segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, existem aproximadamente 305 etnias que falam mais de 270 línguas.

Com um retorno Lolaa Ministério dos Povos Indígenas Chegou a ser criado, com 120 servidores, a maioria indígenas, chefiados pelo MP Sônia Guajajara. Um activista indígena cuja missão é preservar as pessoas que viram as suas terras e florestas destruídas pela exploração madeireira generalizada e pela pilhagem sistemática de plantas, minerais e outros recursos energéticos.

Certamente aqueles indígenas descritos detalhadamente por Claude Lévi-Strauss em “ Trópicos tristes “Seu número não ultrapassa alguns milhões e muitos deles vivem em completo isolamento. Mas para quem está aberto à visita, o artesanato, a gastronomia, a exploração da selva e a natureza em geral constituem a pedra angular do turismo que a Organização Mundial do Turismo em 2021 pediu para promover, permitindo-lhe manter a sua autenticidade graças ao domínio do seu turismo. atividade.



No Brasil, além do artesanato, da gastronomia e dos passeios turísticos oferecidos por algumas operadoras de turismo como a Amazonastor, por exemplo, que estima que 24% dos turistas que chegam à Amazônia são estrangeiros. Os principais países emissores são os Estados Unidos (31,89%), Alemanha (10,99%), Colômbia (5,51%) e Suíça (3,51%).


Turismo africano: reconectando as pessoas com sua cultura

Turismo africano, turismo baseado na descoberta e compreensão de pessoas de origem africana - Foto JS
Turismo africano, turismo baseado na descoberta e compreensão de pessoas de origem africana - Foto JS

Turismo africano, turismo baseado na descoberta e compreensão de pessoas de origem africana – Foto JS

Já o turismo africano constitui a outra face do turismo que visa reconectar as pessoas com sua cultura e mostrar a história da população brasileira de ascendência africana.

Longe vão as praias de areia branca e as garotas de Ipanema dançando samba enquanto os desfiles de Carnaval libertam o gênio festivo dos brasileiros. Foi substituído pelo turismo mais autêntico, que leva os mais curiosos para dentro da sociedade brasileira: o chamado “ Turismo africano “ou” Turismo africano » Tornou-se agora um dos focos de promoção do destino, confirmou O novo chefe do Imperator, o historiador Marcelo Freixo.

Sobre o que é isso? Principalmente de A Turismo baseado na descoberta e compreensão dos afrodescendentes Este enorme país, o mais africano do continente americano e o segundo maior país africano do mundo depois da Nigéria.

Tudo isto introduzindo os afro-brasileiros no conhecimento da sua cultura, mas também capacitando-os para desenvolver uma atividade turística dedicada quer à restauração, quer à hotelaria, quer a visitas exploratórias e caminhadas ao ar livre…


Um pouco de história

…É preciso dizer que o número de escravos negros que chegaram há mais de 300 anos vindos de vários países africanos é estimado em 3,6 milhões. Desembarcaram no Rio vindos de Moçambique, Congo e Angola, seguidos por nigerianos, tanto iorubás quanto hauçás, até o porto da Bahia, e todos foram condenados a trabalhar em péssimas condições nos canaviais sob o comando de seus senhores portugueses.

Ele foi libertado em 13 de maio de 1988 sob a Lei OriyaNo entanto, estes escravos não receberam qualquer terra ou dinheiro que lhes permitisse entrar no sistema económico e social formal. Foram, portanto, imediatamente obrigados a viver na pobreza e na fragilidade, em que alguns deles ainda hoje vivem.

Mas, felizmente, essas populações foram importadas com eles Cultura, religião, tradições Que influenciou e enriqueceu profundamente a cultura brasileira ao longo dos séculos, a ponto de torná-la um dos motores da vida em geral e da vida turística do país.

A religião brasileira, em particular, carrega a marca do sincretismo entre o catolicismo e as religiões africanas. Com todos os tipos de rituais indígenas e crenças africanas, a sua prática que consiste no culto a divindades de origem totémica realiza-se em dezenas de milhares de locais, muitas vezes longe da vista de estrangeiros que, no entanto, gostam muito dela e a procuram, por vezes com sucesso. participar.


Música uma e outra vez

Muito presente no Rio, A cultura afro-brasileira também está presente em locais históricos da capital Que já não escondem a sua profissão principal. E assim ” Cais de Valongo » Um dos maiores portos de escravos do mundo foi escondido pelos portugueses e depois classificado como Património Mundial pela UNESCO.

Em São Paulo, a cidade com a maior concentração de afrodescendentes do país, 4,5 milhões de indivíduos, e extensos acervos de patrimônio histórico, social e cultural, também oferecem uma viagem quase imersiva pelo… Quilombos urbanos e marcos emblemáticos locais.

Mas está claro Salvador, capital do estado da Bahia (80% da população é de origem africana) o que é uma referência. Repleto de influências africanas, destaca principalmente a arquitetura indígena, o folclore, a gastronomia e as práticas religiosas mescladas com as vertentes artísticas mais famosas do país: as escolas de samba.

Que espalha sua experiência durante o carnaval e todas as bandas musicais, entre as quais encontramos os maiores nomes da música brasileira: Caetano Veloso, Gilberto Gil, João Gilberto… e hoje vozes como Margaret Menezes, que não é outra senão a Ministra da Cultura!

…Uma última informação que mostra até que ponto o Brasil procura recuperar a sua posição entre os principais destinos internacionais jogando estes trunfos que tornam o turismo sustentável: proteger a natureza e a sua diversidade, mas também e sobretudo proteger a população que o torna um riqueza humana e cultural.

Já com quase 6 milhões de turistas internacionais, terá sem dúvida sucesso e será capaz de enfrentar os seus concorrentes diretos, como a Argentina, que hoje sofre com a eleição de um novo presidente, aparentemente incontrolável, com ideias excessivamente liberais. A situação económica do país piorou e a sua atratividade foi perdida.


Turismo africano em todo o mundo

De acordo com dados de pesquisa realizada para a MMGY GLOBAL, US$ 109 bilhões foram gastos em viagens afro-americanas em 2019. Além disso, os viajantes negros no Reino Unido e na Irlanda gastaram US$ 9 bilhões em viagens nacionais e internacionais; Na Alemanha, gastaram US$ 8,1 milhões; Os viajantes negros canadenses gastam US$ 7,8 bilhões anualmente. Em França, as suas despesas são estimadas em 5 mil milhões de dólares no mesmo ano.


Josette Seksic - Dra.
Josette Seksic - Dra.

Josette Seksic – Dra.

A jornalista, consultora e palestrante Josette Seksic observa as mudanças no mundo há mais de 25 anos para analisar as suas consequências para o setor do turismo.

Desenvolvendo a Tourismocopy há mais de 20 anos, permanece na ponte das notícias, descodificando o presente para prever o futuro. Em www.tourmag.com, seção Futuroscopie, artigos proativos e analíticos são publicados várias vezes por semana.

Contato: 06 14 47 99 04
E-mail: touriscopie@gmail.com


Observação


Todos os comentários obscenos, ofensivos ou difamatórios serão imediatamente apagados pelo moderador.

Denunciar abuso

READ  Dois jogadores suspensos no Brasil por manipulação de resultados

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *