Brasil: esta vila de pescadores lentamente engolfada pelo mar

A cada ano o mar ganha espaço na vila de pescadores brasileira de São João da Barra. A cidade, localizada ao norte do Rio de Janeiro, vem sendo lentamente engolida pelo Oceano Atlântico há quase meio século.

A cada ano, três metros são engolidos; 500 edifícios já sucumbiram à força das águas.

Júlia Maria de Assis também viu seu projeto ser levado pelas ondas. Há treze anos, o hotel construído por seu pai desabou.

“Às vezes as pessoas perguntam se me sinto triste como dona. Mas aqui o respeito pelo mar é enorme, principalmente pelo mar de Atafona”, afirma. “Não há rancor. O mar leva o que quer levar. Somos nós que devemos nos adaptar e respeitar a natureza”, filosofa.

Se a natureza é implacável, as mudanças também têm uma causa humana. A cidade é banhada pelo rio Paraíba do Sul. Doze barragens pontuam seu curso com o objetivo de abastecer a região sudeste do Brasil. Dela dependem os quase treze milhões de habitantes da região metropolitana do Rio de Janeiro.

Secas severas reduziram seu fluxo e agora faltam sedimentos que antes serviam de obstáculo ao mar.

O professor Pedro Henrique de Araújo, do Instituto Federal Fluminense, aponta “o aumento da temperatura global que eleva o nível dos oceanos” e “problemas climáticos que tornam mais fortes as marés e as tempestades”.

“No rio, a vazão diminui, o que traz menos sedimentos, e a erosão do oceano é mais importante”, acrescenta.

A construção de barreiras artificiais ou o depósito de grandes quantidades de areia já foram testados. Mas as soluções encontradas até agora pelos especialistas são insuficientes para deter o avanço do mar.

READ  Brasil no coração de Friburgo

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *