Brasil | Investigação do Senado sobre a forma como Bolsonaro lidou com COVID-19

(Brasília) O Senado brasileiro montou nesta terça-feira uma comissão de inquérito sobre a gestão da crise do coronavírus pelo governo do presidente Jair Bolsonaro, criticada por todos os lados um ano e meio antes da eleição presidencial de 2022.


France Media Agency

O líder da extrema direita minimizou a pandemia em todos os seus aspectos, rejeitando o confinamento, usando máscaras e até vacinas a princípio, preferindo elogiar os méritos de medicamentos considerados ineficazes por especialistas, como a hidroxicloroquina.

Quase 400.000 mortos

O Senado estudará possíveis “omissões” do governo, enquanto o Brasil deve ultrapassar nos próximos dias o limite de 400 mil mortes por COVID-19, o segundo pior número de mortes no mundo depois dos Estados Unidos.

A comissão parlamentar de inquérito, constituída com mandato renovável de 90 dias, deve informar se foram cometidos delitos de negligência ou mesmo corrupção, em particular durante a assassina falta de oxigênio em Manaus (norte), metrópole aninhada no coração do Rio de Janeiro. Floresta amazônica.

“Acredito que essa comissão vai trazer muitos problemas para o presidente”, explica à AFP André Rehbein Sathler, pesquisador do site Congresso em Foco, especializado em análise do Parlamento.

Eles nem mesmo precisam investigar. Todo mundo viu como o governo lidou com a pandemia.

Andre Rehbein Sathler, pesquisador do site do Congresso em Foco

“Não são apenas omissões, mas também ações. O governo recorreu ao Supremo Tribunal Federal para que fossem anuladas as medidas de restrição (movimento ou atividade) tomadas por alguns estados e recusou a compra de vacinas ”, resume a pesquisadora.

Certas comissões parlamentares de inquérito no Brasil tiveram, por vezes, efeitos devastadores para o governo: uma delas abriu caminho para o impeachment do presidente Fernando Collor em 1992.

READ  a variante brasileira suspeita no novo desastre que atinge a cidade de Manaus

Mas outros governos saíram ilesos.

Sentindo que a maré estava começando a mudar, Jair Bolsonaro abordou recentemente o Centrao, um grupo informal de partidos centristas que lucrou com seu apoio ao Parlamento em troca de cargos importantes.

Mas esta aliança parece frágil, enquanto as críticas ao governo são cada vez mais agudas, a oposição não hesita em qualificar o chefe do estado de “genocida”.

Com uma taxa de rejeição de mais de 50% nas últimas pesquisas, este último parece mais vulnerável do que nunca com esta crise de saúde que assumiu uma dimensão política, ameaçando seus planos de reeleição em 2022.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *