Brasil Lula, um novo campeão climático?

Brasil Lula, um novo campeão climático?

Com a maior delegação de toda a conferência COP28 (2.400 pessoas (Incluindo 400 representantes governamentais), o Brasil tem feito sua voz ser ouvida em voz alta desde os primeiros dias da conferência do clima.

Durante a cúpula de líderes em que 140 chefes de estado e de governo se reuniram na semana passada em Dubai, o presidente Lula reiterou seu compromisso com o combate ao desmatamento: “Revimos as nossas metas climáticas, que são agora mais ambiciosas do que as de muitos países desenvolvidos. Reduzimos significativamente o desmatamento na Amazônia e chegaremos a zero até 2030. Uma posição de campeão climático que marca a diferença em relação ao seu antecessor, o cético climático Jair Bolsonaro, a quem substituiu como chefe de Estado em outubro de 2022. E que pretende ocupar um lugar privilegiado nas negociações internacionais enquanto o Brasil sediará a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP30) em 2025.

Liderar a luta contra o desmatamento

Entre as principais propostas anunciadas pelo governo brasileiro na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP28) está a criação de um fundo para proteger as florestas tropicais. Para fornecê-lo 250 bilhões Esta iniciativa proporcionaria financiamento a 80 países proprietários de florestas tropicais para que pudessem preservar as suas árvores. Os pagamentos serão feitos anualmente com base nos hectares salvos ou restaurados.

Na COP também se falou de um plano diretor para a transformação ecológica deste enorme país, apresentado pelo ministro da Economia, Fernando Haddad. Planeje “O objetivo é unir forças em torno de um objetivo histórico: deter cinco séculos de extração e destruição ambiental para colocar o Brasil na vanguarda do desenvolvimento sustentável.” Anunciar. O Brasil já é um grande país em energia renovável, com… Um mix de eletricidade muito neutro em carbono Graças às suas capacidades hidrelétricas. No dia 5 de dezembro é juntar Global Offshore Wind Alliance juntamente com o Panamá, a Califórnia e a Comissão Europeia.

READ  Brasil: Lula legaliza seis reservas indígenas

O maior produtor de petróleo da América do Sul

Mas, além desses anúncios, nós aprendemos No início de Dezembro, o Brasil, o maior produtor de petróleo da América do Sul, aproximava-se da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP). Cerca de vinte países já coordenam e regulam a sua produção de ouro negro dentro desta organização.

“A exploração petrolífera é um eixo forte do desenvolvimento económico do Brasil e é pouco provável que o governo Lula questione isso. Mencionado verde François-Michel Le Tourneau, geógrafo e especialista na Amazônia brasileira. Em agosto, na Cúpula de Conservação da Amazônia em Belém, o país simplesmente rejeitou a ideia de proibir a exploração de hidrocarbonetos.

em Estudo recente A agência de jornalismo investigativo Agência Pública, reportando em 5 de dezembro, revelou que se o Brasil explorar todo o potencial de energia fóssil de sua costa amazônica, “As emissões de gases de efeito estufa provenientes de sua combustão anulariam para o planeta os ganhos obtidos com a redução do desmatamento na Amazônia.”

Efeitos nocivos da agricultura intensiva

Há outro tema que agrada ao seu estatuto de líder climático: o uso de pesticidas. Às vésperas da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP28), o Senado brasileiro aprovou uma lei que facilita ainda mais o uso desses produtos. O Brasil já é o país que mais consome agrotóxicos no mundo, e é utilizado para produzir grandes quantidades de soja e milho, em especial.

“Todo o marketing ambiental do governo Lula está voltado para a floresta amazônica. Estão sendo freados o desmatamento, e aqui nos referimos ao desmatamento ilegal, mas e quanto à proteção de outros ecossistemas do país, como as savanas do Cerrado, por exemplo? ”“, pergunta François-Michel Le Tourneau.

READ  Novo trem chinês coloca Laos no mapa comercial

Esta vasta região no coração do Brasil, que é ao mesmo tempo uma bacia hidrográfica essencial, um enorme depósito de carbono e uma reserva excepcional de biodiversidade, viu metade da sua área desaparecer nas últimas décadas em favor da exploração agrícola do Brasil.Negócio agrícola Brasileiro. Este ano, foram identificados 40 mil focos de incêndio na região do Cerrado.

Foto ilustrativa: Lula na COP27 no Egito em novembro de 2022. © UNFCCC / Flickr

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *