Brasil | Lula vai reconquistar o centro para as eleições presidenciais

(Rio de Janeiro) Ex-metalúrgico que se tornou o presidente mais popular da história do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva lançou-se um novo desafio aos 75: recuperar o centro para obter um terceiro mandato.


Joshua Howat Berger
France Media Agency

Embora não tenha anunciado oficialmente sua candidatura às eleições presidenciais de 2022, o ícone da esquerda parece estar se preparando e sabe que terá que atuar como unificador para derrotar Jair Bolsonaro.

Em 2018, Lula estava no fundo do poço: preso por corrupção, presenciou, impotente, a fácil eleição desse candidato de extrema direita que surfava na rejeição de parte da população em relação à esquerda governante no país há 13 anos.

Uma vitória contra Jair Bolsonaro no próximo ano seria uma bela vingança para o ex-presidente (2003-2010), cuja imagem foi manchada por escândalos de corrupção.

Quem engraxou sapatos quando criança para ajudar a família a sobreviver no Nordeste está acostumado a dar a volta por cima.

Para voltar ao topo do estado, ele precisa reconquistar o empresariado e a classe média. Então, para mostrar um rosto moderado em um Brasil mais polarizado do que nunca desde a eleição de Jair Bolsonaro.

“Lula é versátil, andou de um lado para o outro nos últimos 40 anos, da extrema esquerda nos anos 80 às alianças do centro nos anos 2000”, lembra Oliver Stuenkel, cientista político da Fundação Getulio Vargas.

“Agora que ele está de volta ao modo de governo, ele está claramente se posicionando como um centrista”, acrescenta.

Muitos compromissos

Quando voltou a ser elegível em março, depois que o Supremo Tribunal Federal anulou suas condenações, Lula imediatamente disparou contra Jair Bolsonaro, criticando suas “decisões estúpidas” diante do coronavírus, que já matou mais de 450 mil no Brasil.

READ  Essas marcas indie e ingredientes do Brasil que nos inspiram

Mas ele também tentou tranquilizar. “Não tenha medo de mim. Dizem que sou radical porque quero atacar os problemas do país pela raiz ”, disse ele.

E embora tenha dito em suas últimas entrevistas que ainda não havia tomado uma decisão final sobre a candidatura, Lula lançou as grandes manobras políticas.

No início deste mês, ele viajou a Brasília para uma série de encontros com importantes figuras políticas, de esquerda e de direita.

Lula então almoçou em São Paulo com seu antecessor de centro-direita Fernando Henrique Cardoso (1995-2001), que o derrotou em duas eleições presidenciais.

Eles colocaram as velhas rivalidades de lado por uma foto postada nas redes sociais e Cardoso garantiu que o apoiaria se chegasse ao segundo turno contra o Bolsonaro.

“Já vimos resultados imediatos dessas reuniões, no que diz respeito às elites políticas. Líderes de vários partidos o elogiaram ou pelo menos foram cordiais ”, disse Mayra Goulart, cientista política da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Lula, que já disputou cinco eleições presidenciais, sofreu três derrotas contundentes antes de chegar ao cargo.

Durante a campanha de 2002, ele apostou na mudança de sua imagem: barba bem aparada, alguns quilos a menos e moderação no discurso.

Tendo se tornado presidente, ele aceitou muitos compromissos com os mercados, aproveitando o boom econômico para lançar programas ambiciosos que tiraram milhões de brasileiros da pobreza.

Quando passou o bastão para Dilma Rousseff, sua popularidade girava em torno de 80%.

“Candidatos da Terceira Via”

Mas hoje, milhões de brasileiros não querem Lula ou Jair Bolsonaro. Como em 2018, cerca de 30% dos eleitores se absterão ou votarão em branco ou nulo. Dos 70% restantes, as pesquisas indicam que Bolsonaro e Lula terão 25% cada um.

READ  Paris espera ver a magia de Neymar novamente

“Um centrista terá muita dificuldade em se impor”, acreditam os consultores do Eurasia Group.

Já esbarrando nos possíveis candidatos: governador, ex-ministro, empresário, telespectador e até um ex-juiz, Sérgio Moro, o mesmo que prendeu Lula, foi ministro do governo Bolsonaro antes de renunciar.

“O setor que mais gera empregos no Brasil é o de candidatos à terceira via”, brincou a revista Veja.

Muitos são pouco conhecidos nacionalmente. Lula, por sua volta, enxerga além das fronteiras: deu entrevistas ao British Guardian e à estrela do canal americano CNN, Christiane Amanpour.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *