Brasil | Musk “preserva a liberdade” de expressão, diz Bolsonaro durante grande comício

Brasil |  Musk “preserva a liberdade” de expressão, diz Bolsonaro durante grande comício

(Rio de Janeiro) O ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro disse domingo que o magnata Elon Musk “preserva a liberdade” de expressão ao denunciar a censura do judiciário, e apelou aos seus apoiantes para “lutarem” para defender esse direito, durante um grande comício na cidade do Rio de Janeiro.


Musk “é um homem que preserva verdadeiramente a liberdade para todos nós” e que “teve a coragem de mostrar, com provas, […] para onde nossa democracia estava indo, quantas liberdades já foram perdidas”, disse Bolsonaro em frente à icônica praia de Copacabana.

A pedido de Bolsonaro, a multidão agitou bandeiras brasileiras e aplaudiu com entusiasmo o proprietário da plataforma X, que nos últimos dias entrou em confronto com o juiz do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes, chamando-o de “ditador”.

Durante o comício de Bolsonaro, Musk escreveu em sua conta no X que Moraes “é contra a vontade do povo e, portanto, contra a democracia”.

Em nome da luta contra a desinformação, Moraes ordenou o bloqueio de contas de usuários em plataformas de internet, incluindo X, principalmente após as tentativas dos bolsonaristas de desacreditar o sistema de votação durante a última campanha eleitoral.

Bolsonaro, de 69 anos, denunciou “uma ditadura” e apelou aos seus apoiantes para “continuarem a luta” em defesa da liberdade de expressão, “ameaçada” no Brasil.

FOTO PILAR OLIVARES, REUTERS

Jair Bolsonaro participou de comício no Rio de Janeiro

“Atuemos pacificamente, para defender a democracia, pela nossa liberdade, sem cartazes nem faixas”, declarou quinta-feira o ex-presidente (2019-2022) nas redes sociais.

Atentos a esse slogan, muitos simpatizantes vestiram apenas a camisa da seleção, envolta em bandeiras brasileiras.

“Vim lutar pela minha liberdade de expressão porque não temos mais esse direito. A Suprema Corte ultrapassou todos os limites […] Não estou aqui nem por festa nem por pessoa”, testemunhou Daiana Mesquita, gestora de comunicação de 38 anos.

“Sem mentira”

Em carta datada de 13 de abril, representantes de X no Brasil, porém, comprometeram-se a cumprir as decisões do Supremo Tribunal Federal.

A disputa ganhou força nos círculos políticos e jurídicos. Outros membros do Supremo apoiaram o magistrado.

O presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva, vencedor contra Bolsonaro em outubro de 2022, declarou sem aludir diretamente a Musk: “se eu pudesse, decretaria a proibição de mentir”.

O juiz, que recentemente fez inúmeras declarações públicas, observou na sexta-feira que a justiça brasileira estava acostumada a “lidar com comerciantes estrangeiros que tratam o Brasil como uma colônia”.

FOTO ERALDO PERES, ARQUIVO DE IMPRENSA ASSOCIADA

Juiz Alexandre de Moraes

Deputados bolsonaristas acusam o STF de estar alinhado ao governo Lula e de minar a democracia e as liberdades.

Um comitê da Câmara dos Representantes dos EUA até interveio ao publicar um relatório extenso na quinta-feira sobre decisões confidenciais do juiz em relação ao X e outras plataformas.

A manifestação de domingo ocorre dois meses depois de uma grande manifestação de Bolsonaro em São Paulo, em 25 de fevereiro.

Em 2023, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), presidido pelo Sr. de Moraes, o condenou a oito anos de inelegibilidade por ter desinformado sobre o sistema eleitoral brasileiro.

O juiz já havia ordenado a abertura de investigações contra Bolsonaro e pessoas próximas a ele quando ele era presidente, o que o levou a ser chamado de “canalha” pelo interessado em 2021.

“Notícias falsas”

Outra investigação a cargo do magistrado tenta apurar se o ex-presidente foi o instigador dos tumultos de 8 de janeiro de 2023 em Brasília, quando milhares de seus simpatizantes, recusando-se a aceitar a vitória de Lula, saquearam lugares de poder.

Bolsonaro foi proibido em 8 de fevereiro de deixar o país como parte de uma investigação sobre uma suposta “tentativa de golpe” após sua derrota eleitoral em 2022.

Os investigadores referiram-se a um documento contendo um projeto de decreto que visa “impedir o acesso ao poder ao presidente legitimamente designado”, através da convocação de novas eleições e da prisão de Alexandre de Moraes.

Este projeto de decreto é “a maior notícia falsa da história do Brasil”, denunciou o ex-presidente num vídeo de 6 de abril convocando manifestações.

Ele sempre proclamou a sua inocência, dizendo que foi vítima de “perseguição”.

READ  Eleições no Brasil: Jair Bolsonaro pede escolha entre "bem e mal"

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *