Brasil não atingirá meta de redução do desmatamento

Carlos de Sousa via AFP O Brasil não perderá a meta de reduzir o desmatamento (Foto: Incêndio na floresta amazônica Foto de Carl de Sousa/AFP)

Carlos de Sousa via AFP

Ambiente – “cômico”, mas “melhor que nada”. O vice-presidente Hamilton Mourão reconheceu na segunda-feira (3 de agosto) que o Brasil não atingirá sua meta de reduzir o desmatamento na Amazônia em 10% durante o período de referência de agosto de 2020 a julho de 2021.

“Provavelmente não atingiremos a meta de redução de 10% (no desmatamento). Acho que será cerca de 4 a 5%. É uma redução ridícula, mas é melhor do que nada”, disse o general da reserva à imprensa.

Os dados oficiais sobre o desmatamento no ciclo agosto-julho, coletados pelo sistema Prodes do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), só serão conhecidos em novembro. De agosto de 2019 a julho de 2020, 10.851 quilômetros quadrados foram desmatados na Amazônia, um aumento de 7% em relação ao ciclo anterior.

Sempre a área mais desmatada

Apesar dos militares serem mobilizados na tentativa de reprimir o desmatamento ilegal, a situação continuou a se deteriorar nos últimos meses. Outro sistema de cálculo do INPE, o Deter, que publica dados brutos em tempo real, mostra que a área desmatada da Amazônia aumentou 17% no primeiro semestre de 2021 em relação a 2020.

Em junho, o desmatamento bateu o quarto recorde mensal consecutivo desde a criação do Deter em 2015, com pelo menos 1.062 quilômetros quadrados desmatados, número preocupante para este mês que marca o início da estação seca.

Por outro lado, o vice-presidente Mourão destacou uma diminuição de 27% no número de incêndios identificados pelo Instituto Nacional de Proteção contra Incêndios em julho em relação ao mesmo mês do ano passado.

READ  Hello Kitty fará seu cinema

Segundo ele, esta redução deve-se “às medidas tomadas pelo governo”, razão pela qual recomenda “continuar a mobilizar o exército” para combater também estes incêndios.

“O pior está por vir.

Mas Cristian Mazzetti, da filial brasileira do Greenpeace, teme que o número de incêndios florestais volte a aumentar nos próximos meses “quando a cobertura vegetal em áreas recentemente desmatadas estiver mais seca e com maior probabilidade de ser queimada ilegalmente”.

“O pior ainda está por vir. Não só os próximos meses serão muito secos na Amazônia, mas os órgãos de fiscalização ambiental[do governo]foram enfraquecidos”, principalmente por cortes orçamentários”, e é prioridade do Parlamento aprovar leis que poderia levar à insistência em mais da destruição do meio ambiente.”

O presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro recentemente prometeu à comunidade internacional erradicar o desmatamento ilegal no Brasil até 2030, sem anunciar medidas concretas para atingir esse objetivo.

Veja também no HuffPost: O maior set de filmagem da América do Sul foi lançado

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *