Brasil: protestos pró-Bolsonaro em meio a uma pandemia

Vários milhares de pessoas foram às ruas do Brasil no sábado em manifestações em apoio ao presidente de extrema direita Jair Bolsonaro, desafiando qualquer distanciamento físico em meio à pandemia, enquanto a oposição celebrava online o dia 1º de maio.

• Leia também: Brasil: 82.000 mortos por COVID-19 em abril, novo recorde mensal

• Leia também: Brasil deve ultrapassar 400.000 mortos por COVID-19

• Leia também: Investigação parlamentar de alto risco para Bolsonaro

Os comícios aconteceram em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro, com manifestantes em sua maioria vestidos de amarelo e verde, as cores da bandeira brasileira, onde mais de 400.000 pessoas morreram de COVID-19.

No Rio, várias centenas de manifestantes se reuniram nos arredores da famosa praia de Copacabana, com faixas clamando por “intervenção militar” para fortalecer os poderes do presidente Bolsonaro.

Há duas semanas, o chefe de estado disse que esperava “um sinal do povo” para “tomar medidas” para acabar com as restrições tomadas localmente por prefeitos ou governadores para tentar conter a disseminação do coronavírus.

E mais recentemente, em entrevista à televisão, disse que o exército “um dia pode ir às ruas, para fazer respeitar a Constituição, a liberdade de ir e vir”.

Um dos slogans das manifestações de sábado foi precisamente “Autoriso Bolsonaro” (autorizo ​​Bolsonaro) a enviar o exército.

BRASIL-POLITICS-BOLSONARO-DEMO-SUPPORT

AFP

Em Brasília, vários milhares de pessoas se reuniram na Esplanade des Ministries, que o presidente Bolsonaro sobrevoou de helicóptero no auge da manifestação.

Enquanto isso, um de seus filhos, o deputado Eduardo Bolsonaro, estava no meio dos manifestantes, usando a máscara na altura do queixo e tirando fotos com muitos apoiadores, também com os rostos descobertos.

READ  Variantes: uma moção aprovada por unanimidade para suspender voos

“Este é um momento crítico e o Bolsonaro precisa do apoio da população”, disse à AFP Edvaldo de Paulo, 60 anos que se manifestou em Brasília.

“Temos que limpar Brasília para deixar o presidente governar”, acrescentou Elenir Ritonni, uma aposentada de 63 anos, em São Paulo, onde várias centenas de pessoas se reuniram.

“Antes, no dia 1º de maio, havia bandeiras vermelhas como se fôssemos um país socialista. Fico feliz em ver bandeiras verdes e amarelas em todo o país, com gente que realmente trabalha ”, disse o presidente de extrema direita no sábado, durante videoconferência de um evento agrícola.

BRASIL-POLITICS-BOLSONARO-DEMO-SUPPORT

AFP

Poucas manifestações anti-Bolsonaro foram planejadas para este 1º de maio, mas figuras políticas da oposição, de direita e de esquerda, juntas participaram de um show organizado pelos principais sindicatos do país nas redes sociais.

Entre essas personalidades, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010), que poderia disputar um terceiro mandato contra o Bolsonaro em 2022, e seu antecessor de centro-direita Fernando Henrique Cardoso (1995-2002).

“É um triste 1º de maio para os trabalhadores do nosso país, um dia de luto pelas 400 mil vidas perdidas para a Covid-19, muitas delas porque o governo Bolsonaro se recusou a comprar as vacinas que lhe foram oferecidas”, disse Lula.

Na terça-feira, uma comissão parlamentar de inquérito foi constituída no Senado para examinar como o governo tem lidado com a crise de saúde, uma gestão considerada inepta e irresponsável por muitos especialistas, especialmente no que se refere à questão da vacinação, que avança lentamente. devido à falta de doses disponíveis.

READ  Jair Bolsonaro diz que "se esconde para chorar no banheiro"

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *