Brasil: regulador se opõe a importação da vacina russa Sputnik V

A agência reguladora de saúde do Brasil (Anvisa) se opôs na segunda-feira ao pedido de vários estados do país para importar a vacina russa Sputnik V contra a COVID-19, alegando que faltavam dados para garantir sua segurança e eficácia.

• Leia também: COVID-19: Brasil cruza recorde mensal de óbitos

“Jamais permitiremos que milhões de brasileiros sejam expostos a produtos sem a devida verificação de qualidade, segurança e eficácia. No mínimo, diante da grave situação pela qual estamos passando, devemos garantir que haja uma relação favorável entre o risco e os benefícios ”, disse Antonio Barra Torres, presidente da Anvisa.

A gestão da agência seguiu a recomendação de seus especialistas que têm “incertezas” sobre a vacina, que ainda não foi aprovada pelos órgãos de saúde da União Europeia (EMA) e dos Estados Unidos (FDA).

A recusa em importar o Sputnik V não implica uma análise definitiva da vacina, e a Anvisa, que recebeu um pedido no final de março para uso emergencial da fórmula russa, não divulgou suas conclusões, alegando falta de informações.

O Sputnik V já está em uso em vários países – além da Rússia – como México, Argentina ou Venezuela. Segundo o instituto Gamaleïa, que criou a fórmula, ela já foi autorizada por mais de 60 países.

Em fevereiro, a prestigiosa revista médica The Lancet relataram que essa vacina foi 91,6% eficaz, dissipando dúvidas sobre sua confiabilidade.

Mas especialistas da Anvisa afirmam que a publicação na prestigiosa revista científica não atendeu aos mesmos requisitos dos órgãos reguladores para eventual aprovação.

“Foto do momento”

Na tentativa de acelerar seus planos de vacinação, uma dezena de estados do Norte e Nordeste do Brasil assinaram contratos com o Fundo de Riqueza Soberana da Rússia (RDIF), que financiou o desenvolvimento da vacina Sputnik V, para adquirir mais de 30 milhões de doses . O governo federal encomendou 10 milhões.

READ  Fwd: Elim. WC Qatar 2022: Brasil assalta o sexto sucesso contra o Paraguai

A recusa de seus pedidos de importação é “uma foto do momento, do que foi possível analisar até agora”, disse Bara Torres.

“Espero que, de fato, o processo de vacinação do Sputnik V adapte suas informações e encontre rapidamente uma solução para os problemas de compliance, pois milhões de pessoas precisam ter acesso a vacinas seguras e eficazes”, acrescentou outro executivo da Anvisa, Meiruze Freitas .

Além das duas vacinas aplicadas desde janeiro (Coronavac e AstraZeneca), o regulador brasileiro já autorizou o uso das vacinas Janssen, da farmacêutica americana Johnson & Johnson, e Pfizer-BioNTech, que ainda não chegaram ao país .

O Brasil, com uma população de 212 milhões, tem mais de 390.000 mortes por COVID-19 e, até agora, vacinou com sucesso 27,3 milhões de pessoas com a primeira dose e 11,6 milhões com a segunda.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *