Brasil supera 400 mil mortes de COVID, Partido dos Trabalhadores mantém política de imunidade coletiva

Como o Brasil supera 400.000 mortes por COVID-19, governadores de estados da “oposição”, o Partido dos Trabalhadores (PT) e o Partido Comunista Maoísta do Brasil (PCdoB) estão implementando políticas que funcionam em paralelo com a reabertura da economia e da economia. defesa das infecções em massa, imposta pelo presidente fascista Jair Bolsonaro.

Moradores colocam rosas em colchões simbolizando as vítimas da COVID-19, durante uma manifestação contra a forma como o governo está lidando com a pandemia. (AP Photo / Silvia Izquierdo)

Enquanto a mídia e os governos estaduais promovem taxas de ocupação de unidades de terapia intensiva (UTI) um pouco menores, decorrentes do fechamento parcial em vários estados, a realidade é que o índice de infecção em todo o Brasil tem aumentado. atingiu níveis sem precedentes por mais de um mês. No auge da epidemia de Manaus em janeiro, a média móvel atingiu um pico de 55.626 casos; atingiu 77.129 em março e ainda não caiu abaixo do nível de janeiro.

Isso resultou em uma das maiores taxas diárias de mortalidade por coronavírus no mundo, com mais de 2.000 pessoas morrendo todos os dias nos últimos 40 dias.

O número de mortes por COVID-19 registrado em abril é o mais alto desde o início da pandemia. O número de mortos chegou a 200 mil dez meses após o registro do primeiro caso no país. Mas apenas 76 dias depois, atingiu 300.000 e levou apenas 36 dias para atingir 400.000 mortes.

Na semana passada, o Ministério da Fazenda anunciou que os recursos solicitados pelo Ministério da Saúde para o esforço de vacinação e compra de kits de intubação – que incluem sedativos e relaxantes musculares necessários à intubação – seriam liberados em parcelas menores, citando a “possibilidade de a crise aguda irá diminuir à medida que a vacinação progride ”.

Essa negação efetiva de recursos reduziu pela metade a compra de kits de intubação; o armazenamento agora seria suficiente para durar 90 dias, enquanto a estimativa inicial era de 180. O anúncio do Ministério da Fazenda veio dois dias após o ministro da Saúde Marcelo Queiroga, adiar de maio para setembro a data de término da vacinação da prioridade grupo, que corresponde a apenas 37 por cento da população.

Enquanto o governo e a grande mídia se concentram publicamente nos preparativos para a produção nacional em massa de vacinas e em novas compras – a maioria das quais só estará disponível em alguns meses -, o ministério da saúde revelou suas reais preocupações. em cartas ao Ministério das Finanças.

Isso indicava que a situação era grave. Havia “incerteza” quanto à demanda por unidades hospitalares e suprimentos médicos, referindo-se ao início de abril quando as unidades de terapia intensiva em 24 estados estavam com 80% da capacidade e 11 ultrapassavam 95%, o que “caracteriza uma situação muito grave”.

READ  Brasil: Seleção Feminina Sub-17 logo se reagrupará no Pinheiral

Enquanto isso, atrasos nas importações de vacinas prejudicam sua distribuição. Quarta-feira, um relatório doEstado de são paulo uma concluiu que cidades em pelo menos oito estados não seriam capazes de entregar a segunda dose a tempo. Atualmente, não há estudos sobre a eficácia de uma dose única, o que significa que centenas de milhares de pessoas podem estar em perigo. Mais de 100.000 pessoas receberão sua segunda injeção após o período ideal de 28 dias para a vacina CoronaVac. No Rio Grande do Sul, 223 mil correm o risco de não receber a segunda injeção após o atraso na chegada das vacinas.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *