Brasil: terras indígenas, um baluarte contra o desmatamento

Brasília (AFP) – As terras reservadas aos indígenas no Brasil serviram de baluarte contra o desmatamento nas últimas três décadas, embora a situação tenha se deteriorado recentemente, segundo um relatório publicado nesta terça-feira.

Este documento produzido por Mapa Biomasum projeto de monitoramento de solos criado por um coletivo de ONGs e universidades mostra que 70% do desmatamento nas últimas três décadas se concentrou em terras de proprietários privados, em comparação com 1,6% para territórios indígenas.

No total, o Brasil perdeu 69 milhões de hectares de vegetação nativa nesse período, mas apenas 1,1 milhão de hectares em reservas indígenas, que ocupam 13,9% do território nacional.

“Dados de satélite mostram povos indígenas atrasando a destruição da floresta amazônica”explica Tasso Azevedo, coordenador do projeto Mapbiomas.

“Sem esses territórios, certamente estaríamos mais próximos do ponto sem volta, do qual essa floresta tropical deixará de desempenhar seu papel crucial para a agricultura e as indústrias das quais as cidades dependem”ele adiciona.

A Amazônia, considerada vital por especialistas para conter o aquecimento global, já emite mais carbono do que absorve.

As terras indígenas, que ainda concentram 109,7 milhões de hectares de vegetação nativa, ou quase 20% do total no Brasil, estão sob maior pressão desde que o presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro chegou ao poder em 2019, segundo o MapBiomas.

O relatório mostra que o desmatamento nesses territórios quase dobrou nos últimos três anos: multiplicou por 1,7 em relação ao período 2016-2018.

O presidente Bolsonaro foi eleito com a promessa de não “não desista um centímetro a mais” para territórios indígenas, e está tentando fazer com que o Parlamento aprove projetos de lei que autorizem atividades de mineração e agricultura nessas reservas.

READ  proibição de viagens da Índia, Brasil e África do Sul "necessária", de acordo com Van Ranst

Seu governo também é acusado de ter enfraquecido a fiscalização ambiental, favorecendo a impunidade para traficantes de madeira, garimpeiros ou fazendeiros que praticam desmatamento ilegal.

Desde o início de seu mandato, o desmatamento médio anual na Amazônia aumentou 75% em relação à década anterior.

© AFP

Também no GoodPlanet Mag’:

No Brasil, garimpo ilegal de ouro se estende entre os Yanomami

Amazon: o “ponto de inflexão” está se aproximando mais rápido do que o esperado

Txai Surui, a jovem brasileira nativa que continua a luta de seus pais

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *