Caru Alves de Souza: “O skate é o segundo esporte mais popular do Brasil”

“Meu nome é Bagdá” conta a história de uma brasileira de 17 anos cuja vida mudará ao conhecer um grupo de skatistas. Nesse filme, em torno do skate, o diretor Caru Alves de Souza também evoca a juventude, a diversidade social, o racismo ou a igualdade de gênero em São Paulo. A oportunidade de conversar com ela sobre o lugar do skate no Brasil. “Este é o seu segundo longa-metragem, a história de um jovem skatista no Brasil. Por que andar de skate?
Para o lado da transgressão e a maneira de ver a cidade dos patinadores. São paulo (o filme se passa na Freguesia do Ó, bairro popular da cidade, de onde ela é) é uma cidade muito violenta, principalmente para os jovens, e muito dividida entre ricos e pobres. As meninas não podem andar quietas na rua por exemplo … O skate é outra forma de ver a cidade, de se locomover, de recuperar a cidade. leia também Os lendários Z-Boys contaramVocê anda de skate?
Não. Quando eu era mais jovem, costumava sair muito com skatistas. Mas havia apenas alguns skatistas na cidade. Era muito mais difícil para uma garota patinar. E os homens não estavam bem com isso, eram muito doloridos. Se você queria andar de skate com eles, precisava provar algo mais. Eu tinha um skate quando tinha 7 anos, mas não podia entrar no skatepark, então desisti. “Quando comecei a pesquisar para o meu filme há vários anos, ia a parques de skate e quase não havia raparigas lá. Ele evoluiu. ” Uma das lendas do skate feminino é Brasileira, Letícia Bufoni. E nas Olimpíadas, o que causou sensação é Rayssa Leal, medalha de prata aos 13 anos. Hoje essa situação mudou?
sim. Quando comecei a pesquisar para o meu filme há vários anos, ia a parques de skate e quase não havia raparigas lá. Ou era uma menina sozinha em um canto, muito tímida, fazendo manuais (andar sobre duas rodas, em piso plano). Então, três ou quatro anos antes de o filme ser feito, vi duas ou três garotas patinando juntas. Ele evoluiu desde então. Com a medalha de Rayssa Leal e a atuação das brasileiras nas Olimpíadas, será mais fácil para uma menina ir a um skatepark. Nos anos 80, os skateparks eram muito selvagens para uma menina. Não pude nem voltar para casa! Agora não é um paraíso, mas está muito melhor.

Para a filmagem, você escolheu skatistas locais, não atores. Como foi fazer uma turnê com eles?
Sim, eles são todos skatistas na vida real. Even Grace Orsato (a atriz principal, que interpreta Bagdá). Foi muito importante para mim. Construímos o filme juntos. Durante o teste (ela não enviou um roteiro completo para os atores), discutimos muito as cenas e mudamos muitas delas porque eles estavam me dizendo: “não, não é assim na vida real”, e eu adorei! Eles são patinadores de rua, não pessoas famosas. É superdifícil filmar o skate, mas com eles foi fácil porque são naturalmente bons: não brincam, são só eles. leia também Steve Caballero, lenda do skate: “Somos artistas”O Brasil é uma das nações mais fortes no skate hoje. Como é visto aí?
O esporte é muito importante no Brasil, mas todo o dinheiro vai para o futebol. Com os desempenhos das Olimpíadas, espero que mais pessoas se interessem e respeitem. Mas acho que o skate é o segundo esporte mais popular do Brasil. Todas as crianças patinam em um ponto da rua. É realmente enorme, mas não foi reconhecido em seu devido lugar. Tem muitos brasileiros muito fortes (Bob Burnquist, Pedro Barros, Felipe Gustavo …), mas a maioria deles vai morar no exterior, nos Estados Unidos para morar lá, para ter patrocinadores. Então, muitos brasileiros andam de skate por diversão, com os amigos, não para fazer carreira disso. Mas essa é a minha coisa favorita no skate: as ruas. Em seu filme, você evoca misoginia, racismo, homofobia no Brasil de Jair Bolsonaro (o presidente) …
Sim, porque desde que ele foi eleito, está piorando cada vez mais. Era um problema antes do Bolsonaro, isso é certo. Mas ele é o ápice da homofobia, do machismo, do racismo … Ele representa todas essas coisas horríveis. Parece que uma pessoa pode ser abertamente racista ou homofóbica hoje. Ele permitiu que essas pessoas falassem mais abertamente do que antes. É um grande problema da sociedade brasileira. Queríamos denunciar tudo isso. Este filme representa a nossa resistência e fala dos marginalizados no Brasil: mulheres, negros, comunidade LGBTQ +, skatistas … Este filme também quer dizer: “estamos aqui e vamos ficar aqui, gostem de nós ou não”. »

READ  Brasil | Bolsonaro castiga a "ditadura cruel" de Cuba e pica seu rival Lula

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *