China confina uma cidade de quatro milhões de pessoas

As autoridades chinesas impuseram confinamento na terça-feira em Lanzhou (noroeste), que tem uma população de quatro milhões, devido ao ressurgimento dos casos COVID-19, cem dias após as Olimpíadas de Inverno em Pequim.

• Leia também: direto | Desenvolvimentos em COVID-19

• Leia também: China quer vacinar crianças a partir dos 3 anos

O país onde o coronavírus surgiu há quase dois anos relatou 29 novos pacientes de origem local na terça-feira. A maioria está ligada à movimentação de um grupo de turistas infectados.

Embora esses números possam parecer insignificantes em comparação com os registrados diariamente em outras partes do mundo, eles estão levando as autoridades a dobrar sua vigilância enquanto a China se prepara para sediar os Jogos Olímpicos de Inverno em 4 de fevereiro de 2022.

Um surto recente na Mongólia Interior, no norte do país, foi responsável por mais de 100 casos desde a semana passada.

Desde então, várias províncias relataram pacientes, principalmente Gansu (noroeste).

France Press Agency

Na terça-feira, o município anunciou em Lanzhou, sua capital, que todas as áreas residenciais estariam sujeitas à “gestão fechada” e ao controle estrito de movimento.

As autoridades disseram em nota que qualquer saída de casa agora só será possível para “compras essenciais”, uma necessidade ligada à pandemia, ou “tratamento médico de emergência”.

Lanzhou está localizada a cerca de 1.400 km a oeste de Pequim.

A capital chinesa também está em alerta com a aproximação das Olimpíadas.

France Press Agency

Nos últimos dias, as autoridades pediram aos moradores que evitassem viagens “não essenciais” para fora da cidade, bem como grandes aglomerações.

READ  Índia e China concluem a retirada de suas forças na fronteira do Himalaia

Qualquer pessoa que chegue em Pequim de uma área onde casos COVID-19 foram identificados deve testar negativo.

A Maratona de Pequim foi adiada indefinidamente. Cerca de 30.000 corredores estão programados para participar no domingo.

Em uma indicação da gravidade da situação aos olhos das autoridades, a polícia da capital anunciou, nesta segunda-feira, a abertura de três inquéritos por suposto descumprimento de normas sanitárias.

Entre os suspeitos: pessoas infectadas que poderiam ter escondido seu estado de saúde, trancado residentes ou farmacêuticos acusados ​​de dar remédios contra febre e tosse para clientes, sem informar às autoridades.

A China foi capaz de retomar a atividade social e econômica quase normal desde 2020, graças em particular ao controle estrito de viagens por meio de aplicativos móveis.

Apenas duas mortes foram registradas em mais de um ano.

O país mantém uma política de saúde voltada para a “erradicação total da infecção”, com restrições estritas à entrada em seu território, quarentena obrigatória, confinamento e testes quando surgirem alguns casos.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *