China: ‘Lobos’ presos na diplomacia de combate

Eles inflamaram seus cidadãos com insultos contra o Ocidente. Agora eles são os “lutadores lobos” da diplomacia chinesa que enfrentam uma oferta pela margem de opinião mais nacionalista.

Estimulados pela restauração do status de grande potência por seu país, alguns funcionários diplomáticos chineses nos últimos meses não hesitaram em usar insultos ou brandir teses conspiratórias para defender o regime comunista.

Aos seus olhos: o grande rival americano, vizinhos como Índia ou Japão, países como Austrália ou Canadá com os quais Pequim tem problemas, o Ocidente em geral, e principalmente a mídia, é considerado sistematicamente anti-China.

Foi assim que um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China confirmou no ano passado no Twitter que o coronavírus poderia ter entrado na China pelos militares dos EUA durante uma competição esportiva.

Este novo tipo de diplomata foi apelidado de “Wolf Fighters”, em homenagem a um filme de ação chinês.

O embaixador chinês na França Lu Shai exigiu a marca, que disse ao jornal L’Opinion Ter “tanto orgulho de ser chamado de lobo lutador porque há tantas hienas loucas atacando a China”.

Confiança, admiração e respeito

O vento mudou? O próprio presidente Xi Jinping ligou no início deste mês para retratar a China em uma imagem que inspire “confiança, admiração e respeito”.

O homem forte de Pequim argumentou que tanto os líderes quanto a mídia deveriam se esforçar para “falar bem à China”.

Diante de uma aparente deterioração de sua imagem no exterior, inclusive com aliados em potencial, o regime comunista percebeu que precisava corrigir a situação, dizem os especialistas.

“Os líderes chineses se encurralaram: por um lado, prometeram ao mundo uma China gentil e amorosa e, por outro, venderam à opinião pública uma China forte e autoconfiante”, observa Florian Schneider, diretor da divisão da Ásia . O centro fica em Leiden, Holanda.

READ  Jane Psaki, dublado por Joe Biden

Enquanto isso, nas redes sociais, ultranacionalistas estão fazendo ofertas. Alguns no início de junho atacaram um grupo de acadêmicos como “traidores” por sua participação em um programa de intercâmbio com o Japão.

As autoridades foram obrigadas a intervir, deixando claro que o programa em questão visava “fortalecer a confiança e aprofundar a amizade” entre os dois vizinhos.

Ao mesmo tempo, um grupo de senadores norte-americanos desembarcava em Taiwan com vacinas destinadas à ilha reivindicada por Pequim. Excepcionalmente, o poder comunista reagiu de forma um tanto conservadora a essa troca oficial com os Estados Unidos, irritando trolls no Weibo, a principal rede social chinesa.

“Por que eles não atiraram? Eles violaram nosso espaço aéreo”, protestou um usuário. Outro lamentou “fracos e incompetentes”.

Mísseis e cremação

No início de maio, quando o rival indiano lutava em meio a uma crise pandêmica, um site vinculado ao Partido Comunista Chinês (PCC) não hesitou em destacar o contraste nas fotos entre a cremação da Índia e o sucesso do tiroteio. Foguete.

Até Hu Xijin, o editor-chefe altamente nacionalista do Global Times, achou a comparação de mau gosto, dizendo que sites ligados ao poder deveriam mostrar “humanidade”.

“Às vezes, o comportamento dos lobos pode aumentar”, observa o cientista político Jonathan Hasid, da Universidade Estadual de Iowa, nos Estados Unidos.

Mas “se a China tentar suavizar sua imagem, os nacionalistas ficarão irritados. Se for na direção deles, a comunidade internacional reagirá mal”.

Em Paris, o Embaixador Le Chai escolheu seu acampamento: “Avaliamos nosso trabalho não de acordo com o que os estrangeiros pensam de nós, mas de acordo com o que as pessoas de nosso país pensam”, disse ele à revista Guancha.

Entre a repressão em Hong Kong e a tensão com Taiwan, o novo curso da diplomacia chinesa teve até agora pouco impacto no terreno.

READ  Os alienígenas existem? Inteligência dos EUA não pode decidir

O executivo chinês busca objetivos conflitantes, analisa Adam Ni, do Center for Chinese Policy in Canberra.

“Pequim quer uma imagem melhor a nível internacional”, explica. “Mas os imperativos da política interna e a necessidade de afirmar seus interesses significam que eles continuarão a trabalhar na direção oposta.”

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *