China quer erradicar COVID com desinfetante

Eles pulverizam tudo, desde ruas a apartamentos e animais de estimação: na China, os serviços de desinfecção estão despejando toneladas de produtos químicos na esperança de erradicar o coronavírus, apesar do efeito duvidoso de combater a epidemia.

• Leia também: Adeus máscara (quase) em todos os lugares

• Leia também: Coreia do Norte: 21 novas mortes por “febre” em meio à propagação da epidemia de “Covid”

A China, onde o COVID-19 foi detectado inicialmente no final de 2019, teve uma recuperação desde o início do ano com a variante Omicron, que confinou cidades inteiras a ela, começando com a mais populosa Xangai.

Agência de Imprensa da França

No arsenal da estratégia Zero COVID, a desinfecção de superfícies faz parte de uma “ofensiva bem colocada” contra o vírus, como explicou uma autoridade local no início de maio.

Em vídeos postados online, podemos ver funcionários em trajes completos pulverizando apartamentos cujos moradores estão em quarentena.

Agência de Imprensa da França

Móveis, roupas e alimentos: Nenhum pertence pessoal escapou de gotas de desinfetante na habitação cujos moradores tiveram que deixar a chave para esse fim antes de sair.

Lá fora, a onda de limpeza está escorrendo pelas calçadas, construindo muros e até jardins.

Agência de Imprensa da França

Mas, na opinião de especialistas entrevistados pela AFP, esses esforços são inúteis diante de um vírus que se espalha principalmente pelo ar ao tossir ou espirrar.

“A grande desinfecção não é necessária porque a infecção por contato com superfícies contaminadas não é uma importante via de transmissão”, observa Yanzhong Huang, especialista em saúde pública do Conselho de Relações Exteriores de Nova York.

READ  Condenado a um ano de prisão | “As pessoas não se deixam enganar por nada”, diz Nicolas Sarkozy.

Não o suficiente para desencorajar o “dabai”, ou “branco alto”, pessoal em equipamento de proteção responsável pela tarefa.

Xangai, que está confinada desde o início de abril, desinfetou pelo menos 13.000 complexos de apartamentos em 2 de maio, ou 140 milhões de metros quadrados, disse o vice-prefeito Liu Dio.

A estratégia de zero COVID do regime comunista, apesar de seu custo para a economia e as liberdades públicas, é cada vez mais contestada pelos moradores de Xangai, que reclamam que não conseguem ver um fim para ela.

A limpeza forçada não ajuda. Um morador, que pediu para não ser identificado, disse à AFP que sua residência foi desinfetada duas vezes após retornar da quarentena.

Cada vez, sua família teve que esperar na porta por uma hora.

Agência de Imprensa da França

Especialistas questionam a utilidade dessas medidas.

Embora o vírus possa ocasionalmente ser transmitido através de superfícies contaminadas, ele “não vive muito tempo fora do corpo humano”, observa Huang.

Por outro lado, ele observa que “o uso desproporcional de produtos químicos como o cloro pode ter um impacto negativo na saúde e no meio ambiente”.

Para o especialista em doenças infecciosas Leung Ho Nam, do Hospital Mount Elizabeth Novena, em Cingapura, a desinfecção externa “não traz absolutamente nenhum benefício”.

“É como desenhar as pernas de uma cobra”, diz ele, citando um provérbio chinês.

A China possui mortes limitadas por COVID até agora, ao contrário da carnificina registrada nos países ocidentais. O regime comunista vê isso como evidência da superioridade de seu modelo autoritário.

Limpar as superfícies internas e externas pode ter um motivo político acima de tudo, especula o Dr. Leung.

Ele acredita que é uma “intervenção altamente visível que satisfaça os altos funcionários”, mesmo que reduza por pouco a propagação do COVID.

Yanzhong Huang enfatiza o trabalho que também mostra a todos a determinação do poder comunista em erradicar o vírus.

“Dá a imagem de uma batalha heróica contra um inimigo invisível.”

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *