Cientistas alertam que mudanças climáticas podem desencadear a próxima grande pandemia

À medida que o clima global continua a aquecer, os cientistas preveem que os animais selvagens terão que realocar seus habitats – provavelmente para áreas com grandes populações humanas. Isso aumentará muito o risco de um salto viral em humanos que pode levar à próxima grande pandemia.

Os pesquisadores preveem que, à medida que o aquecimento global continuar, os animais selvagens serão forçados a migrar seus habitats – provavelmente para áreas com populações humanas – aumentando drasticamente o risco de um salto viral em humanos, potencialmente levando à próxima pandemia.

Essa ligação entre as mudanças climáticas e a transmissão do vírus foi descrita por uma equipe de pesquisa internacional liderada por cientistas da Universidade de Georgetown em um artigo intitulado “A mudança climática aumenta os riscos de transmissão entre espécies do vírus”, publicado em 28 de abril de 2022 na revista temperar a natureza.

Em seu estudo, os pesquisadores realizaram a primeira avaliação abrangente de como as mudanças climáticas estão reestruturando o vírus global dos mamíferos. O trabalho se concentra nas mudanças de distribuição geográfica – as jornadas que as espécies farão ao traçar seus habitats em novas áreas. Como eles encontram outros mamíferos pela primeira vez, o estudo prevê que eles compartilharão milhares de vírus.

Mudança climática levará a novo compartilhamento de vírus entre espécies de mamíferos

Em 2070, os centros populacionais humanos na África tropical, sul da China, Índia e sudeste da Ásia se sobreporão aos pontos críticos projetados para transmissão cruzada do vírus na vida selvagem. Crédito: Colin Carlson/Georgetown University

Eles argumentam que essas mudanças oferecem uma oportunidade maior para vírus como Ebola ou coronavírus emergirem em novos lugares, tornando-os mais difíceis de rastrear, e em novas espécies animais, tornando mais fácil para os vírus saltarem através de um “degrau” para as espécies. . Humanos.

“A semelhança mais próxima é, na verdade, com os riscos que vemos no comércio de animais selvagens”, diz o principal autor do estudo, Colin Carlson, PhD, professor assistente no Centro de Ciências e Segurança da Saúde Global do Centro Médico da Universidade de Georgetown. “Nós nos preocupamos com os mercados porque reunir animais não saudáveis ​​em grupos não naturais cria oportunidades para esse processo de emergência em camadas – como como a SARS pulou de morcegos para civetas, depois civetas para pessoas. Mas os mercados não são mais especiais. Em um clima em mudança, esse tipo de processo será É a realidade na natureza em quase todos os lugares.”

Preocupante é que os habitats dos animais se moverão desproporcionalmente nos mesmos lugares que os assentamentos humanos, criando novos focos de riscos de disseminação. Grande parte desse processo pode já estar em andamento no mundo 1,2 grau mais quente de hoje, e os esforços para reduzir as emissões de gases de efeito estufa podem não impedir que esses eventos se desenrolem.

Uma descoberta importante adicional é o efeito de temperaturas mais altas em morcegos, que respondem pela maioria da nova participação viral. Sua capacidade de voar lhes permitiria viajar longas distâncias e compartilhar a maioria dos vírus. Devido ao seu papel central na emergência viral, os maiores impactos são esperados no Sudeste Asiático, um hotspot global para a diversidade de morcegos.

“A cada passo do caminho, nossas simulações nos surpreenderam”, disse Carlson. “Passamos anos verificando esses resultados novamente, com dados e suposições diferentes, mas os modelos sempre nos levam a essas conclusões. É um exemplo realmente incrível de como quanto podemos, de fato, prever o futuro se tentarmos.”

Com os vírus começando a saltar entre as espécies hospedeiras em taxas sem precedentes, os autores dizem que os efeitos na conservação e na saúde humana podem ser surpreendentes.

“Esse mecanismo adiciona outra camada à forma como as mudanças climáticas ameaçam a saúde humana e animal”, diz o coautor do estudo Gregory Alberi, PhD e pós-doutorando no Departamento de Biologia da Faculdade de Artes e Ciências da Universidade de Georgetown.

“Não está claro exatamente como esses novos vírus podem afetar as espécies em questão, mas é provável que muitos deles se traduzam em novos riscos de proteção e alimentem o surgimento de novos surtos em humanos”.

Ao todo, o estudo sugere que a mudança climática se tornará o maior fator de risco para o surgimento de doenças – superando questões proeminentes como desmatamento, comércio de animais selvagens e agricultura industrial. Os autores dizem que a solução é emparelhar o monitoramento de doenças da vida selvagem com estudos em tempo real de mudanças ambientais.

“Quando um morcego brasileiro de cauda livre chega aos Apalaches, devemos investir em saber quais vírus estão marcando”, diz Carlson. “Tentar detectar esses saltos de host em tempo real é a única maneira de impedir que esse processo cause mais transbordamentos e mais epidemias”.

“Estamos mais perto de prever e prevenir a próxima pandemia do que nunca”, diz Carlson. “Este é um grande passo para a previsão – agora temos que começar a trabalhar na metade mais difícil do problema.”

“O[{” attribute=””>COVID-19 pandemic, and the previous spread of SARS, Ebola, and Zika, show how a virus jumping from animals to humans can have massive effects. To predict their jump to humans, we need to know about their spread among other animals,” said Sam Scheiner, a program director with the U.S. National Science Foundation (NSF), which funded the research. “This research shows how animal movements and interactions due to a warming climate might increase the number of viruses jumping between species.”

Reference: “Climate change increases cross-species viral transmission risk” by Colin J. Carlson, Gregory F. Albery, Cory Merow, Christopher H. Trisos, Casey M. Zipfel, Evan A. Eskew, Kevin J. Olival, Noam Ross and Shweta Bansal, 28 April 2022, Nature.
DOI: 10.1038/s41586-022-04788-w

Additional study authors also included collaborators from the University of Connecticut (Cory Merow), Pacific Lutheran University (Evan Eskew), the University of Cape Town (Christopher Trisos), and the EcoHealth Alliance (Noam Ross, Kevin Olival).

The research described is supported in part by a National Science Foundation (NSF) Biology Integration Institutes (BII) grant (BII 2021909), to the Viral Emergence Research Initiative (Verena). Verena, co-founded by Carlson and Albery, curates the largest ecosystem of open data in viral ecology, and builds tools to help predict which viruses could infect humans, which animals host them, and where they could someday emerge. NSF BII grants support diverse and collaborative teams of researchers investigating questions that span multiple disciplines within and beyond biology.

Addition funding was provided by the NSF grant DBI-1639145, the USAID Emerging Pandemic Threats PREDICT program, the Institut de Valorisation des Données, the National Socio-environmental Synthesis Center, and the Georgetown Environment Initiative.

READ  Fotógrafo captura um vídeo de 5 horas de close-up do sol

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *