Clima: Aumento acentuado das emissões no Brasil sob Bolsonaro | TV5MONDE

Clima: Aumento acentuado das emissões no Brasil sob Bolsonaro |  TV5MONDE

As emissões de gases de efeito estufa do Brasil aumentaram acentuadamente durante o mandato do ex-presidente de extrema direita Jair Bolsonaro, anulando o progresso feito para retornar ao nível de cerca de 15 anos atrás, de acordo com um relatório de uma organização não governamental publicado na quinta-feira.

Durante os quatro anos da presidência de Bolsonaro (2019-2022), o maior país da América Latina emitiu 9,4 mil milhões de toneladas de gases com efeito de estufa, ultrapassando o limite dos nove mil milhões pela primeira vez desde o período 2003-2006.

Esses dados foram compilados em relatório anual divulgado pelo Observatório do Clima, grupo brasileiro de organizações não governamentais.

Em 2022, as emissões brasileiras caíram 8%, atingindo 2,3 mil milhões de toneladas, mas este volume é o terceiro maior nível desde 2005, depois de 2019 e 2021, restantes anos do mandato de Jair Bolsonaro.

O relatório atribuiu o declínio do ano passado, em parte, às fortes chuvas que permitiram ao país aproveitar ao máximo a sua extensa rede hidroeléctrica para geração de energia, sem utilizar excessivamente as centrais térmicas.

Embora o Brasil, tal como o resto do mundo, tenha sido recentemente atingido por uma série de desastres ambientais, o Observatório do Clima afirma que estes números mostram a urgência de reduzir as emissões para limitar o aumento da temperatura a 1,5 graus Celsius desde o início da era industrial. A meta estabelecida pelo Acordo Climático de Paris em 2015.

“Os eventos catastróficos extremos de 2023 mostraram ao mundo como é a vida acima de 1,5 grau (de aumento da temperatura global)”, alerta Marcio Astrini, secretário executivo deste grupo.

Segundo o relatório, o Brasil ocupa o sexto lugar entre os países que mais emitem gases de efeito estufa, depois da China, dos Estados Unidos, da Índia, da Rússia e da Indonésia.

READ  Brasil: Taxa de desemprego historicamente baixa

Se a União Europeia fosse contabilizada como país, estaria em sexto lugar e o Brasil em sétimo.

O relatório mostra que quase metade das emissões brasileiras em 2022 (48%) são provenientes do desmatamento, especialmente na região amazônica. A agricultura vem em segundo lugar (27%).

O desmatamento na Amazônia aumentou acentuadamente sob o governo de Jair Bolsonaro, que ao longo de seu mandato incentivou a expansão das atividades mineradoras e agrícolas na região.

O seu sucessor de esquerda, Luiz Inácio Lula da Silva, que regressou ao poder em janeiro, prometeu eliminar a desflorestação ilegal até 2030.

Segundo os autores do relatório, publicado às vésperas da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP28), o Brasil precisa ser “mais ambicioso” em suas metas, porque poderia emitir muito menos gases de efeito estufa do que 1,2 bilhão de toneladas por ano. até 2019. 2030 prometido durante o Acordo de Paris.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *