Com as novas corridas de velocidade, o que está acontecendo depois da Fórmula 1?

A Fórmula 1 neste fim de semana em Silverstone está testando um formato sem paralelo em seus 71 anos de existência, no sábado, a corrida de 100km que antecederá o Grande Prêmio no domingo. Em perigo de manchá-lo?

É uma promessa. Um “fim de semana mais completo com três dias de intensa competição”, desenvolveu o diretor esportivo da F1 Ross Brawn, tudo sem “perder a integridade ou mérito” tão caro à Disciplina.

Testado em Silverstone, depois em Monza em setembro e durante o terceiro Grande Prêmio ainda a ser confirmado (no Brasil, se o evento acontecer apesar da pandemia), o conceito oferece um gostinho da corrida de Fórmula 1 de amanhã porque, se for bem-sucedido, deve estar no o solto.

Concretamente, esse formato dá lugar a uma nova trilogia: qualificação – sprint – grande prêmio. A classificatória clássica, que costuma ser disputada no sábado, avança para sexta-feira. A grade determinará a corrida de 100 quilômetros de cerca de trinta minutos no sábado, o que por si só determinará a classificação do Grande Prêmio no domingo.

Liquidação de sexta-feira

A F1 não está escondendo isso, está procurando, de acordo com Ross Brawn, “melhor cobertura da mídia nas sextas-feiras que finalmente ganhará vida”.

É verdade que neste dia geralmente um pequeno número de espectadores e espectadores assistem aos ensaios gratuitos. Na Grã-Bretanha, o calendário de qualificações foi escolhido, no início da noite (19h), para permitir a participação do maior número possível de pessoas.

Desde a aquisição da Liberty Media pelos americanos em 2017, a F1 tem procurado quebrar a monotonia de sua atualização e atrair um público novo e mais jovem, principalmente por meio das redes sociais ou da série “Drive to Survive” no Netflix.

READ  Clube europeu entra na dança Gerson?

“Queremos ver se o sprint vai agradar mais ao público, se ele permite trazer novos fãs enquanto retém os da primeira hora”, disse Brown, o ex-chefe da equipe e diretor técnico da Ferrari.

O engenheiro britânico sabe que isso significará necessariamente sucesso desportivo: uma corrida rápida vai “trazer um sabor diferente, sem estratégia de equipa, sem parar, sem gestão de combustível. Trinta minutos de corrida pura com a participação apenas dos pilotos”.

Além do risco de distorcer o sistema, F1 também corre o risco de overdose. Ao introduzir uma temporada recorde de 23 corridas de Grande Prêmio neste ano, e agora adicionar corridas de curta distância, o público acompanhará isso?

/ ATS

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *