Contrabando de fósseis: o fim de arqueólogos inescrupulosos?

Contrabando de fósseis: o fim de arqueólogos inescrupulosos?

Apelido: ObirajaraJubatos. Idade: 110 milhões de anos. Ocupação: dinossauro. Status: fóssil. Residência atual: Museu de História Natural de Karlsruhe, Alemanha. Seu nome pode não soar um sino, mas a história deste fóssil abalou toda a comunidade científica. O caso começa especificamente em 13 de dezembro de 2020, quando uma equipe de paleontólogos britânicos, alemães e mexicanos publicou a análise na revista. Pesquisa do Cretáceo.

Durante sua vida, este bizarro dinossauro do tamanho de uma galinha tinha uma juba de pelo adornando suas costas e quatro duras hastes de queratina erguidas em seus ombros. O único exemplar encontrado até agora é do Brasil e está guardado no Museu de História Natural de Karlsruhe. Acima de tudo, é uma espécie nova chamada Ubirajara jubatus, que significa “senhor da lança” em tupi, língua indígena do Brasil. Para a comunidade científica, mas também em termos mais triviais, este fóssil é inestimável.

Só que … assim que o artigo é publicado, surgem dúvidas. Como essa cópia única, extraída do maior país da América Latina, acabou na Alemanha? Por que não existe um cientista brasileiro conjunto ou instituição nacional neste cargo? A dúvida é expressa: Ubirajara jubatus Pode ser resultado do comércio de fósseis. “Rapidamente percebemos que havia um problema porque é um padrão geral, ou seja, é um único exemplar que foi usado para descrever uma nova espécie, mas as legislações dos estados brasileiros afirmam que os padrões gerais encontrados no território não pode ser mantido fora do país ”, diz Juan Carlos Cisneros, paleontólogo da Universidade Federal do Piauí, Brasil.

>> Leia também: Fósseis maiores que a vida .. em menos de 24 horas!

Compra e venda de fósseis torna-se ilegal no Brasil

Desde aquela data, qualquer fóssil encontrado em solo brasileiro passou a ser propriedade do estado. É ilegal vender ou comprar qualquer amostra.

Regulamentos evoluem

O decreto obriga pesquisadores estrangeiros a formalizar parceria com pelo menos uma instituição de pesquisa brasileira para a realização de estudos de fósseis escavados no país.

Ubirajara transferido para a Alemanha

Esta é a data em que o paleontólogo alemão Eberhard Frey poderia ter recuperado e transportado um fóssil. Obirajara Na Alemanha. Mas a polêmica só começou em dezembro de 2020.

Rebote em rebote

Felizmente, portanto, que Ubirajara jubatus Precioso … Caso contrário, pode simplesmente passar despercebido. Mas e daí? Foi para ser encontrado, retirado do país, exposto num museu europeu e publicado numa revista? Resumindo, roubou impunemente? Cientistas brasileiros alertaram para a possível ilegalidade deste fóssil, a revista Pesquisa do Cretáceo Em qualquer caso, a publicação atribuída foi temporariamente suspensa, até que os pesquisadores que identificaram o dinossauro forneçam documentos escritos que comprovem a exportação legal.

READ  China's economy is set to overtake the United States earlier due to the fallout from the Coronavirus

Foi o paleontólogo alemão Eberhard Frey, curador do Museu Karlsruhe, quem recuperou o fóssil no final do século 20, na Bacia de Ararib, localizada ao norte do Rif. O pesquisador forneceu até agora apenas um documento: uma licença assinada em 1995 pela Agência Nacional de Mineração, que limita a exportação para a Alemanha de duas caixas contendo fósseis sem valor comercial. O documento não menciona em lugar nenhum que se trata de um espécime de dinossauro. “Legalmente, ele também precisaria de uma licença assinada do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação para poder vencer, Juan Carlos Cisneros comentou. Os paleontólogos que fazem isso são prejudiciais à profissão! Eles fazem a ciência parecer Indiana Jones. “

A incrível história não termina aí: em setembro passado, um novo anúncio veio que complica ainda mais as coisas. O Ministério da Ciência e Pesquisa do estado alemão de Baden-Württemberg – no qual o Museu de História Natural de Karlsruhe se baseia – anunciou que a versão apoiada por Eberhard Frey estava errada no final das contas! O fóssil já foi escavado em 2006 por uma empresa privada, e depois adquirido pelo Museu Alemão em 2009. Contate-nos ciência e competição, Nem Eberhard Fry nem o museu quiseram dar uma resposta a essas novas descobertas.

recusou-se a devolver o fóssil

Então, no que você acredita? “Não importa porque os fósseis encontrados em solo brasileiro estão no Brasil desde 1942. Eles não podem ser comprados ou vendidos em hipótese alguma, é simplesmente contra a lei”, afirmou. Juan Carlos Cisneros explode. de qualquer jeito, Ubirajara jubatus Foi roubado e a nação sul-americana foi saqueada. No entanto, o Museu de Karlsruhe ainda se recusou a devolver o fóssil. “Eles afirmam que tudo foi Foi feito de acordo com a lei alemã, onde é virtualmente legal comprar fósseis. Mas eles escolheram deliberadamente ignorar a legislação brasileira: é uma forma de colonialismo científico “, O paleontólogo protesta.

Por sua vez, o editor disse Pesquisa do Cretáceo Ela se pronunciou a favor da comunidade científica brasileira. Diante da falta de evidências que comprovem a legitimidade deste fóssil, a publicação descreve Ubirajara jubatus Foi retirado definitivamente. Uma decisão que mostra que a moralidade está finalmente ganhando um lugar na paleontologia, confia em Nusseibeh Raja Schöpp, um paleontólogo da Universidade de Erlangen-Nuremberg, na Alemanha: “Por cerca de dois anos, as revistas científicas atualizaram sua política de publicação. Agora, a maioria delas exige documentos de autenticação de fósseis para verificar se tudo foi feito legalmente.”

READ  Faouzi Abdel Rahman: Os tunisianos não são cobaias, e as empresas propostas por Saïd serão uma retomada da experiência socialista

Acima de tudo, este caso representa um ponto de inflexão na prática da paleontologia segundo Alexander Kellner, Diretor do Museu de História Natural do Rio de Janeiro: “O comércio de fósseis teve seu pico entre as décadas de 1970 e 1990 no Brasil. Desde então, o fenômeno diminuiu. Mas pela primeira vez, graças ao caso Obiragara, o chão ficou vazio. A comunidade científica finalmente declara que vai ‘não aceito mais esse tipo de prática ultrapassada’ “.

© DR – Richard Drew / AP / SIPA – GHEDOGHEDO / WIKIMEDIA COMMONS -REUTERS – VICTOR BECCARI

A lei brasileira é ridicularizada, é uma forma de colonialismo científico. – Juan Carlos Cisneros, paleontólogo da Universidade Federal do Piauí, Brasil

UBIRAJARA JUBATUS

Longe de ser um caso isolado

O que pôs fim ao que até então fora um verdadeiro tabu no mundo paleontológico? Porque a históriaObirajara É claro que é tudo menos um caso isolado. Este espécime está longe de ser o único fóssil sul-americano a ter sido forçado ao exílio. “Com a ajuda de outros pesquisadores do Brasil e da Europa, compilamos uma lista de todos os fósseis brasileiros publicados que foram encontrados fora do país. São mais de ‘cem!'” “, A respiração de Juan Carlos Cisneros. Mais uma vez, esse número pode ter sido muito subestimado. “Esta é apenas a ponta do iceberg, porque muitos fósseis não são publicados, muito menos aqueles na sala de estar de colecionadores ricos.” Adiciona um paleontólogo. Esse fenômeno não atinge apenas o Brasil. Muitas nações da América do Sul, Ásia e África são regularmente pilhadas por seus fósseis. “A maioria dos estados que eram ex-colônias adotaram leis para se proteger contra esses tipos de práticas, mas a estrutura legislativa desses estados é muitas vezes ignorada ou ridicularizada,” Confira Juan Carlos Cisneros.

Contrabando de fósseis: o fim de arqueólogos inescrupulosos?

O primo do T-Rex voltou para a Mongólia

Em 2013, durante uma cerimônia, os Estados Unidos trouxeram de volta um fóssil de Tarbosaurus batar, prima Tiranossauro Rex Mongólia. Fui roubado no deserto de Gobi,

Contrabando de fósseis: o fim de arqueólogos inescrupulosos?

© DR – Richard Drew / AP / SIPA – GHEDOGHEDO / WIKIMEDIA COMMONS -REUTERS – VICTOR BECCARI

Padrão universal realizado na Alemanha

A presença de uma cobra de quatro patas – ou lagarto – petrificada Tetrapodovis Foi revelado em 2015. Esse padrão de manta descoberto no Brasil ainda está em um grupo especial em A.

Contrabando de fósseis: o fim de arqueólogos inescrupulosos?

© DR – Richard Drew / AP / SIPA – GHEDOGHEDO / WIKIMEDIA COMMONS -REUTERS – VICTOR BECCARI

Pterossauro gigante resgatado em perigo

Graças à apreensão pela polícia brasileira em 2013, este fóssil de pterossauro único Tupandactylus navigans Encontrado entre milhares de lajes de calcário

Além disso, um fóssil publicado pode esconder muitos outros fósseis … Um exemplo recente demonstrou quão difundido é esse comércio. Eu avisei sobre as perturbações causadas por este caso Ubirajara jubatus, que ecoou até mesmo nos Estados Unidos, Matthew Downen, um jovem pesquisador da Universidade do Kansas – após escrever uma publicação em maio de 2021 – percebeu que o fóssil da aranha brasileira Cretabalbos Vittari Ele estava trabalhando nisso já havia chegado à América do Norte sem qualquer autorização. Em seguida, ele contatou cientistas brasileiros para organizar a repatriação do fóssil. Em 6 de outubro Cretabalbos Vittari Retornando ao país natal, residiu no Museu Estadual de Paleontologia do Ceará. Mas ele nunca voltou para casa sozinho! A Universidade do Kansas já iniciou o embarque a granel: o espécime vinha acompanhado de outros 35 fósseis de aranhas, todos exportados do Brasil sem autorização legal.

Uma questão tradicional e econômica

“Essa história mostra que mesmo sem precisar, alguns paleontólogos podem agir dessa formaMoralmente, corrija os erros do passado, Juan Carlos Cisneros juntou-se novamente. Além disso, pode abrir caminho para novas colaborações. “

Se os cientistas brasileiros exigem a devolução dos fósseis ao país, é preciso, antes de tudo, resgatar parte de seu patrimônio e desenvolver ainda mais as pesquisas em paleontologia. Mas também há um problema econômico, diz Alexander Kellner: “Se você tem fósseis interessantes em seu museu, e eles são publicados, você pode arrecadar mais dinheiro para pesquisas e tornar seu museu mais atraente.” Ao enriquecer suas coleções com uma variedade de fósseis, os museus também estão atraindo mais turistas. “Isso beneficia a economia, a cultura e a educação locais ao mesmo tempo”, afirmou. Detalhes de Juan Carlos Cisneros.

Mas a estrada é longa. Em 15 de outubro, o Ministério Público Federal do Brasil apresentou pedido de cooperação com as autoridades alemãs para proceder à devolução do fóssil.Ubirajara jubatus Rumo à América do Sul, com a rejeição do Museu de História Natural em Karlsruhe contornada. Até hoje, o pedido permanece sem resposta.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *