COVID-19: A pandemia terá um impacto de ‘longo prazo’ na saúde mental

Atenas, Grécia | A Organização Mundial da Saúde alertou quinta-feira durante uma reunião em Atenas de ministros e funcionários da saúde que a pandemia do coronavírus terá um impacto de “longo prazo” na saúde mental da população.

• Leia também – As origens da Covid-19: China denuncia a “arrogância” da Organização Mundial da Saúde

• Leia também – A variável delta inflama quase todo o planeta

“Desde a ansiedade associada à transmissão do vírus, ao impacto psicológico do confinamento e auto-isolamento, às consequências associadas ao desemprego, dificuldades financeiras e exclusão social, (…), tudo está afetando o mundo de uma forma ou outro ”, disse a Organização Mundial da Saúde em um comunicado.

A organização alerta que a epidemia terá “um impacto de longo e longo alcance”.

“Estamos falando sobre um componente importante da nossa saúde. Abrindo um fórum de dois dias de ministros para a região da OMS na Europa, que inclui 53 países, em Atenas, o primeiro-ministro grego Kyriakos Mitsotakis pediu uma ação agora” dos governos.

“Devemos falar francamente sobre o estigma que acompanha a saúde mental”, acrescentou, na presença de dezenas de ministros, que leram o encontro por meio de um link de vídeo.

Para Margaritis Schinas, Vice-Presidente da Comissão Europeia, “não há desculpa para ficar para trás”.

A Organização Mundial de Saúde acredita que “não é a poluição ou o medo da contaminação que tem afetado a saúde mental da população”.

Mas “o estresse causado pelas desigualdades sociais e econômicas e os efeitos da quarentena, do confinamento e do fechamento de escolas e locais de trabalho teve consequências terríveis”, afirma a Organização Mundial da Saúde.

“A pandemia abalou o mundo. Mais de quatro milhões de pessoas se perderam no mundo, rendas foram destruídas, famílias e comunidades se espalharam, empresas foram declaradas falidas …”, lembra o Diretor da OMS para a Europa, Dr. Hans Kluge.

READ  Confirm the UK strain most contagious in Canada; About 1 in 1,000 Americans have died from COVID-19

“A saúde mental e o bem-estar devem ser vistos como um direito humano fundamental”, continua ele, conclamando os Estados a repensarem o acesso aos cuidados.

Entre as recomendações da OMS estão o fortalecimento dos serviços de saúde mental em geral, a melhoria do acesso aos cuidados por meio da tecnologia digital e o aumento dos serviços de apoio psicológico em escolas e universidades, no trabalho presencial e para trabalhadores na linha de frente na luta contra o COVID-19.

Veja também…

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *