COVID-19: um novo registro de infecção no Brasil

O Brasil bateu um novo recorde de infecções por COVID-19 na quarta-feira, com 115.228 novos casos registrados em 24 horas, de acordo com o último relatório do Ministério da Saúde, confirmando a chegada de uma terceira onda.

• Leia também: Pfizer e Moderna são 100% eficazes na prevenção de visitas hospitalares

• Leia também: Covid: Especialistas americanos tranquilizam os problemas cardíacos de jovens vacinados

• Leia também: As reações cardíacas são menos graves do que COVID-19

O número oficial de mortos também indica 2.392 novos óbitos, elevando o total para 507.109. O Brasil é o segundo país mais pobre do mundo em números absolutos, depois dos Estados Unidos, que lamenta mais de 600 mil mortes.

O maior país da América Latina, com 212 milhões de habitantes, tem 1.816.881 casos confirmados, segundo dados oficiais, que os especialistas consideram bastante subestimados.

O número de infecções diárias tem aumentado continuamente por mais de um mês, e a taxa de mortalidade média é de cerca de 2.000 pessoas por dia desde a semana passada.

“Com essa aceleração contínua no número de casos, já estamos na terceira onda”, anunciou segunda-feira o jornal O Globo Carlos Lula, titular do Conselho Nacional de Curadores de Saúde (CONAS), que reúne autoridades de saúde dos Árabes Unidos Emirates. diferentes estados do país.

Segundo o último relatório epidemiológico do Instituto de Referência Pública Vuecruz, a situação é crítica em 19 dos 27 estados brasileiros, com ocupação de mais de 80% dos leitos de terapia intensiva, e até 90% em oito deles.

E a vacinação ainda avança muito lentamente: apenas 30,7% da população recebeu pelo menos uma dose e 11,36% já foi totalmente vacinada.

READ  Roubo de criptomoeda | Três piratas norte-coreanos foram acusados ​​de roubar US $ 1,3 bilhão

Em São Paulo, a maior cidade do país, a vacinação teve que ser suspensa na terça-feira por falta de doses disponíveis, antes de recomeçar na quarta-feira.

Mas as autoridades de saúde esperam poder acelerar o ritmo de entrega das últimas vacinas, incluindo 1,5 milhão de doses da vacina Janssen, uma dose única, que chegou na terça-feira.

Apesar da deterioração da situação de saúde, a vida parece estar quase de volta ao normal na maioria das cidades do país, com restaurantes, bares, lojas e um grande número de pessoas desmascaradas abrindo as ruas.

O presidente de extrema direita Jair Bolsonaro minimizou repetidamente a escala da pandemia e questionou as medidas restritivas tomadas por prefeitos ou governadores estaduais.

Um inquérito parlamentar do Senado está investigando há quase dois meses como o governo lidou com a crise de saúde, que a maioria dos epidemiologistas considerou irresponsável.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *