Crianças viciadas em videogames e smartphones correm risco de psicose: estudo

Crianças viciadas em videogames e smartphones correm risco de psicose: estudo

Os pesquisadores conversaram com mais de 1.200 participantes.

Um novo estudo descobriu que crianças que jogam videogame em dispositivos como celulares e iPads têm maior probabilidade de sofrer episódios psicóticos mais tarde na vida. Pesquisadores da Universidade McGill, no Canadá, descobriram que o uso de smartphones e de mídias sociais na adolescência está associado a paranóia, delírios, alucinações e “pensamentos estranhos” quando uma pessoa atinge a idade de 23 anos. O estudo foi baseado na análise de dados de 1.226 participantes nascidos de 1997 a 1998 e foi publicado na revista revista Psiquiatria JAMA.

“As trajetórias crescentes e depois decrescentes de videogames e uso (curvilíneo) de computadores durante a adolescência foram associadas a níveis mais elevados de experiências psicóticas aos 23 anos”, escreveram os pesquisadores da Universidade McGill, no Canadá, no estudo.

Durante a pesquisa, foram feitas perguntas aos participantes para determinar se eles experimentaram períodos de pensamentos persecutórios, experiências estranhas e anormalidades cognitivas. Algumas dessas perguntas foram: “Você já sentiu como se as pessoas estivessem dando dicas sobre você ou dizendo coisas com duplo sentido?”, “Você já sentiu como se os pensamentos em sua cabeça não fossem seus?” e “Você ouviu vozes quando estava sozinho?”

Analisando as respostas, os pesquisadores chegaram à conclusão de que jogar mais videogame durante a adolescência estava associado a 3 a 7% mais experiências psicóticas.

No entanto, os investigadores disseram que a tecnologia em si não deve ser responsabilizada, acrescentando que o vício de uma criança em dispositivos pode servir como um aviso de que já está vulnerável a doenças mentais.

“O aumento do uso da mídia e os problemas de saúde mental parecem compartilhar fatores de risco, como problemas de saúde mental dos pais, solidão, bullying e problemas de relacionamento entre pais e filhos”, disse a equipe no estudo.

READ  SpaceX lança quarta missão dedicada ao compartilhamento de voos

A equipe de pesquisa também disse que privar repentinamente as crianças do tempo de tela pode não ajudar e pode ser mais prejudicial.

Eles esperam que este estudo ajude os psicólogos a entender por que os adolescentes têm experiências psicóticas e a descobrir a melhor forma de ajudá-los.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *