Cuba adota novo código penal que reprime ainda mais a dissidência

Cuba adotou no domingo um novo código penal que visa “proteger” o sistema socialista punindo especialmente as manifestações, após dez meses de levantes sem precedentes no verão de 2021.

• Leia também: Cuba: Oposição promete ação por 11 dias

• Leia também: Cuba: dissidentes presos antes de manifestação planejada por dissidentes

• Leia também: Cuba acusa Washington de tentar criar uma “explosão social”

Esta nova lei, aprovada pelo Parlamento durante o dia, “protege os interesses do Estado e do povo”, declarou o presidente do Supremo Tribunal Federal, Rubén Remigio Ferro, ao apresentar o projeto.

“As violações mais graves relacionadas ao exercício arbitrário de direitos constitucionais, participação em atividades subversivas, bem como ataques por meio da tecnologia da informação, são punidas”, ressaltou Ferro.

O texto penaliza especificamente atividades políticas na Internet, manifestações e financiamento estrangeiro de determinadas atividades.

Mal publicado no site do Ministério Público em março, o projeto provocou uma rejeição entre a oposição ao governo comunista.

“O novo código penal é uma nova mudança nas garras do regime para intensificar a repressão contra os cidadãos”, disse Rene Gómez Manzano, presidente da Corriente Agramontista, a mais antiga organização de advogados dissidentes cubanos.

“O código penal não é o que Cuba precisa”, disse à pesquisa o jurista Harold Bertot, professor da Universidade de Havana, agora em Madri. E “cronologicamente, sua discussão e depois sua entrada em vigor coincidem com um momento de tensão política e social em Cuba”.

Esta lei lamenta “o aumento da criminalização de crimes e penas mais duras”. “Ele foi projetado para ter um impacto significativo na atividade política cubana.”

Ao crime de “perturbação da ordem pública” já existente, junta-se agora outra pena para manifestações individuais ou coletivas. Também pune o financiamento estrangeiro de atividades “contra a segurança do Estado”.

READ  Confrontando refugiados afegãos, Trump vai da hospitalidade à hostilidade

Assim, a mídia independente ou de oposição, ativistas e grupos dissidentes seriam considerados “mercenários” se recebessem dinheiro de agências e ONGs dos EUA, colocando-os em risco de quatro a dez anos de prisão.

Este texto faz parte de uma série de leis, como as de soberania alimentar, direito de família e dados pessoais, que visam completar a nova constituição aprovada em 2019.

Foi adotado menos de um ano após as manifestações inéditas de 11 e 12 de julho de 2021, durante sessenta anos da revolução que deixou um morto e dezenas de feridos. Mais de 1.300 pessoas foram presas, muitas das quais foram posteriormente condenadas a penas severas, até 30 anos de prisão.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *