Datas importantes para uma história contraditória com a Albiceleste

Mais um recorde para um dos melhores jogadores de todos os tempos. Lionel Messi, nesta segunda-feira, 28 de junho, foi sua 148ª escolha pela seleção argentina (marcou 75 gols). O seis vezes jogador do Ballon d’Or, que se tornou o jogador mais internacional pela história da seleção argentina no último jogo da fase de grupos da Copa América contra sua escolha pela Bolívia (4-1), ainda espera pela vitória. título principal com seu país. Por mais de quinze anos.

Embora Pequim tenha vencido as Olimpíadas de 2008, a história do gênio argentino na seleção nacional ainda está incompleta. Para seu 10º torneio internacional (4 Copas do Mundo e 5 Copa América), aos 34 anos, Lionel Messi ainda espera encerrar a carreira com a Choice Cup, enfim. Franceinfo: Sport traça a história divergente entre “Bulga” e a seleção argentina.

24 de junho de 2004: Albiceleste em vez de La Roja

Antes de jogar sua primeira partida oficial pelo FC Barcelona em 16 de outubro de 2004, Lionel Messi já mostrava seu talento nas categorias de base. E a Federação Espanhola não perdeu alguns dos primeiros passos de gênio. Antes de completar 17 anos, a Rosario foi convidada para jogar com o La Roja. Mas o jovem jogador se recusa.

Seus pais o deixaram decidir. Suas palavras foram: “Sou argentino e quero jogar pela Argentina”. Foi sua escolha, a escolha do coração‘, ”Disse o ex-técnico Jose Pekerman (2004-2006) Em fevereiro, em entrevista ao canal argentino TNT Sport سبورت.

17 de agosto de 2005: Cartão vermelho para estreia

Depois de permitir que o Sub-20 ganhasse o quinto título mundial ao ser decisivo em cada uma das partidas intermitentes, Lionel Messi deu seus primeiros passos no time A durante um amistoso contra a Hungria em 17 de agosto de 2005. Quando entrou em campo no 64 minutos de jogo, ele foi expulso por um cartão vermelho.

READ  CSI 4 * Bourg en Bresse: Não há portas fechadas, mas sem público / show / esporte / recepção

Por sua primeira aparição na seleção argentina, Lionel Messi recebeu um cartão vermelho assim que jogou em 17 de agosto de 2005 em Budapeste.  (Atila Kisbenedek / AFP)

23 de agosto de 2008: ouro olímpico com uma geração de ouro

Contra a Nigéria na final do Torneio Olímpico de Futebol de Pequim, Lionel Messi se apresentou com a medalha de ouro e seu primeiro título internacional. O único adquirido há 16 anos com a camisa argentina. Na partida final contra a Nigéria (1-0), “Bulga” marcou o único gol da partida, com assistência de Angel Di Maria.

A Albiceleste já leva o nome em 2004 e o mantém por contar com uma geração de ouro. Além de Messi e Di Maria, Sergio Aguero no Estádio Olímpico em 23 de agosto de 2008. Acompanhando o futuro trio da seleção argentina como Ezequiel Garay, Pablo Zabaleta ou Fernando Gago.

Lionel Messi e Sergio Aguero após vencerem a final do Torneio Olímpico de Futebol em Pequim, pelos Jogos Olímpicos de 2008 (CHEN JIANYU / IMAGINECHINA)

2006, 2010, 2014: Alemanha, executor da Argentina

Se o recorde de Messi está vazio de qualquer título internacional importante, a Alemanha não é sem razão. Em três ocasiões, Mannschaft bloqueou o caminho para “Bulga” e seus companheiros na Copa do Mundo. Em 2006, o gênio do Barcelona ainda não conquistou seu lugar como o atual campeão, não jogando um único minuto de jogo, percebendo desde o campo a derrota da Argentina nos pênaltis, contra o organizador.

Quatro anos depois, mesmo sob as ordens de Diego Maradona, a Argentina não pode fazer isso. Reunião nas quartas de final, derrota para KO (4-0). Por fim, durante a Copa do Mundo de 2014 no Brasil, apesar de ter conquistado o título de melhor jogador no final do torneio, Lionel Messi ainda enfrentou o Mannshaft, desta vez na final (1 a 0 após a prorrogação).

Lionel Messi, sob as ordens de Diego Maradona para as oitavas de final da Copa do Mundo contra o México.  (Matt Dunham / AFP / Siba / Siba)

2016: Outro fracasso, primeira aposentadoria

Depois da terceira derrota consecutiva na final de um torneio internacional, aqui está a Copa América, Lionel Messi está jogando a toalha. No dia 27 de junho de 2016, a Argentina não conseguiu derrotar seus velhos demônios, perdendo pela segunda vez para o Chile na final da Copa América novamente nos pênaltis.

Lionel Messi ainda perdeu na final, em 26 de junho de 2016, contra o Chile.  (Chin Lang / Norfoto / AFP)

Diante da decisão de Lionel Messi, toda a Argentina foi afetada pela situação. O presidente Mauricio Macri, campeão mundial de 1986 ao redor de Maradona, e até mesmo os manifestantes nas ruas de Buenos Aires estão exigindo que “Bulga” não desista da escolha.

Argentinos exigem que Lionel Messi não desista da escolha, nas ruas de Buenos Aires no dia 2 de julho de 2016, após o anúncio de sua saída.  (Mariano Sanchez / Agência Anadolu / Agence France-Presse)

12 de outubro de 2017: um retorno milagroso e qualificação para a Copa do Mundo

Apoiando sua decisão de encerrar sua carreira internacional, Messi finalmente conseguiu classificar a Argentina para a Copa do Mundo de 2018. Embora a fase de qualificação tenha sido um desastre, em 12 de outubro de 2017, a Argentina não tinha o direito de cometer erros se quisesse ir para a Rússia. Vitória obrigatória para os comandados de Jorge Sampaoli e mensagem a Lionel Messi, que fará o “hat-trick” naquela noite, frente ao Equador.

7 de julho de 2019: cartão vermelho e climas

Em 2019, se a Copa América escapar novamente da Argentina, a seleção argentina finalmente se vinga dos chilenos, arrebatando o terceiro lugar (2-1). Em uma partida nervosa, Lionel Messi recebeu o segundo cartão vermelho em sua seleção para a carreira, aos 37 minutos de jogo, e irritado por perder a paciência contra a Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL), que o acusa de corrupção.

O capitão da seleção albiceleste chegaria ao ponto de se recusar a comparecer à cerimônia de medalha, explicando “Não fazer parte dessa corrupção e desrespeito”. Após essas acusações, que a CONMEBOL classificará como inaceitáveis, Lionel Messi receberá uma suspensão de três meses na seleção nacional.

Messi recebeu o segundo cartão vermelho de sua carreira internacional, na disputa pelo terceiro lugar entre Chile e Argentina.  (EVARISTO SA / AFP)

28 de junho de 2021: registro e previsões (novamente)

Novo recordista nas seleções com a Argentina, Lionel Messi rouba o título honorário de outro jogador emblemático da Albiceleste: seu ex-companheiro de Barcelona, ​​Javier Mascherano. E “Bulga” se classifica para as quartas de final da Copa América, e ele ainda sonha em seu primeiro título importante com seu país.

Com apenas 34 anos (desde 24 de junho), o tempo está se esgotando para Messi, que joga ali um de seus últimos cartuchos para destravar o recorde internacional. Antes de disputar sua quinta Copa do Mundo no Catar em 2022, o Bolga estava a três jogos de finalmente vencer a Copa América, e é mais em território inimigo: no Brasil.

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *