Dedicada a argentinos e brasileiros: a Taça Libertadores, mais elite do que nunca

Dedicada a argentinos e brasileiros: a Taça Libertadores, mais elite do que nunca

Na noite de sábado, o Boca Juniors terá a oportunidade de se juntar ao Independiente, Rey de Copas, clube de maior sucesso na Copa Libertadores, tendo conquistado sete títulos entre 1964 e 1984. Para isso, terá que assumir o controle do Fluminense. Ex-Madrid, Marcelo. Um grande desafio, já que os clubes brasileiros dominam o evento. Assim, as três últimas finais foram disputadas entre auriverdesE até a última caixa é dedicada quase exclusivamente a eles. Este ano, assim como nos dois anos anteriores, três representantes brasileiros chegaram às semifinais. O Boca Juniors deve sua presença no sábado, no Estádio do Maracanã, apenas à disputa de pênaltis contra o Palmeiras, vencedor das edições de 2020 e 2021.

Brasileiros e Boca o River (em 2018 e 2019), assim são as últimas finais da Libertadores. O processo de oligarquia lembra o que a Liga dos Campeões testemunhou”, afirmou.Uma revolução de elite“que Jerome Latta descreveu sistematicamente em seu último trabalho (“O que o futebol se tornou: três décadas de revolução liberal“). Os dirigentes da CONMEBOL também não escondem que têm como modelo a competição europeia. Desde 2019, este é o fim da final a duas mãos onde o 12º jogador joga com todo o seu peso desde 1960. A taça é disputada durante uma partida, em campo neutro, exceto quando o acaso levar o Fluminense para a final deste ano, em casa, no Rio. Também foi criado o hino nacional, a entrada de jogadores segue o mesmo protocolo do Velho Continente, e os terceiros lugares da fase de grupos são transferidos para a Copa Sul-Americana, equivalente à Liga Europeia.

Edinson Cavani e Boca Juniors vão disputar a final da Copa Libertadores

Crédito: Getty Images

Na Libertadores, o peso das grandes potências hoje é mais evidente do que na C1. Em 2022, nove clubes brasileiros disputaram o principal torneio da América do Sul, quase metade da sua elite! “Na verdade, os clubes brasileiros dominam graças à sua força econômica e númerosanalisa o jornalista argentino Pablo Aro Giraldes. Por terem mais recursos, ficou muito mais difícil passar rodadas para clubes chilenos, uruguaios, colombianos e até argentinos, que estão sendo saqueados pelos seus melhores jovens jogadores.“Em 2022, a América do Sul está de olho em cinco clubes Orverdis e três Albicelestes Derrota nas quartas de final.

READ  Novo recorde de poluição no Brasil frente à terceira onda

Nove clubes brasileiros..

O torneio da Copa Libertadores deu sua primeira virada elitista no final do século passado, quando argentinos e brasileiros bateram os punhos na mesa para conseguir mais participantes. Como foram os que venceram o maior número de edições – por um percentual bem menor que a edição atual – e lotaram os estádios, gerando as melhores torcidas, uma fatia maior do bolo deveria ir para eles. Inicialmente, cada um deles garantiu quatro vagas, contra três dos demais países.

Os brasileiros agora contam com cinco clubes que se classificaram diretamente, mas outros dois times chegam às fases preliminares que geralmente passam. Como os últimos vencedores da Copa Libertadores e da Copa Sul-Americana (equivalente à Liga Europa) se classificam diretamente para a próxima edição da Libertadores, poderemos nos encontrar com nove brasileiros ou sete argentinos na linha de partida da competição que reúne 32 clubes. Outros países têm apenas duas pessoas oficialmente qualificadas. A lacuna está aumentando.

Super domínio pode ser cansativo. “A Copa Libertadores se tornou muito chata e repetitivaO jornalista equatoriano Ricardo Vasconcelos denunciou 2021, É um pouco como a Fórmula 1 de 2010 a 2020, quando havia dois pilotos (Vettel e Hamilton) Dez dos onze títulos participaram“A transformação da Copa Libertadores em um assunto oligárquico é uma tendência ainda mais perigosa já que a CONMEBOL, depois de estar repleta de vários escândalos de corrupção, incluindo o FIFAgate, colocou alguma ordem em suas ações, permitindo-lhe recompensar melhor os participantes de suas competições. ” .

foto

Jogadores do Palmeiras comemoram o título da Copa Libertadores de 2021

Crédito: Getty Images

O vencedor da Copa Libertadores recebe assim cerca de 25 milhões de euros, o que está muito longe dos 85 milhões que o vencedor da Liga dos Campeões pode receber, mas muito mais do que os cinco milhões que arrecadou em 2015. É um valor que pode ser comparado, por exemplo. Exemplo. Aos 33 milhões de euros anuais que um clube como o Boca Juniors destina à gestão da sua equipa principal, incluindo salários. À medida que um número cada vez menor de equipas chega à final, as disparidades de riqueza aumentam automaticamente, enquanto as equipas mais pequenas já se contentam em receber os três milhões de dólares atribuídos a todos os participantes.

READ  Brasil corre perigo | reverberação

Ela ainda não foi completamente esterilizada

Esta melhoria na Copa Libertadores contradiz a narrativa que acompanhou este torneio até recentemente, que é uma espécie de refúgio para um futebol ainda popular, sempre em algum lugar inesperado. Num espírito de auto-ironia, os torcedores da Argentina, Equador e Colômbia se perguntaram:Por que a Libertadores é melhor que a Champions?A resposta veio na forma de vídeos de um jogo sendo interrompido por um cachorro no campo, ou de arquibancadas recebendo equipes com bombas de fumaça e fogos de artifício suficientes para iluminar a Amazônia, ou brigas gerais no apito final, ou mesmo um vestiário de visita. sala que foi inundada com água.

Mas ainda hoje a Copa Libertadores está longe de ser limpa. O espírito, por vezes controverso mas sempre entusiasmado, continua presente nas bancadas, ainda que uma parte cada vez mais importante seja dedicada à hospitalidade durante a final. A expectativa é de que cerca de 100 mil torcedores do Boca façam a peregrinação ao Rio, dos quais apenas cerca de vinte mil poderão entrar no Maracanã. Pablo Aro Giraldes, que também é fã xeneizeMas ele acha difícil acreditar no sétimo título do seu time, apesar da chegada de Edinson Cavani neste verão.

foto

Alemão Kano e Fluminense na final da Copa Libertadores

Crédito: Getty Images

Times como Boca ou River prosperam acima de tudo em sua cultura de copa. ele pensa, Mas seus recursos agora são bem menores que os dos melhores times brasileiros. Além disso, o Boca chegou à final sem vencer uma única partida, sempre nos pênaltis.Do lado do Fluminense, além do veterano Marcelo Torcedores Também participarão André, que seria atraído pelo Liverpool, ou o internacional colombiano Jun Arias. Depois de duas vitórias do Flamengo (2019 e 2022) e mais duas vitórias do Palmeiras, o Brasil está muito próximo do quinto título consecutivo. Nunca antes a Libertadores viu uma competição cada vez mais elitista.

READ  “Mais do que nunca, é necessário oferecer perspectivas para que os jovens tunisinos possam viver e trabalhar no país”

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *