Desastre do Promadinho: Vale vai pagar 9 bilhões de indenização

Desastre do Promadinho: Vale vai pagar 9 bilhões de indenização

Brasília | A gigante brasileira Vale concordou quinta-feira em pagar mais de US $ 9 bilhões em danos “sociais e ambientais”, dois anos após o desastre da mineração de Brumadinho, que deixou 270 mortos em Minas Gerais, Brasil.

Leia também: Quebra de barragem no Brasil: onze funcionários da Vale presos

As autoridades do estado do sudeste do Brasil disseram na quinta-feira que o acordo alcançado com um dos maiores grupos de minério de ferro do mundo durante o desastre de 25 de janeiro de 2019 foi o maior acordo de compensação assinado na América Latina.

Acrescentaram, porém, que “o valor (do acordo) é apenas uma estimativa” e que “pode ​​ser aumentado, se necessário”.

No início de 2019, o rompimento da barragem de retenção de resíduos da mina liberou milhões de toneladas de resíduos de minério que engolfaram 270 pessoas e um distrito inteiro no estado de mineração, causando um grande desastre para plantas e animais.

Não foram encontrados 11 corpos no enorme local destruído perto da pequena cidade de Promadinho de 40.000 habitantes, apesar de meses de buscas.

O governo de Minas Gerais havia pedido indenizações muito maiores do que os 37,7 bilhões de riais obtidos: queria 55 bilhões de riais (US $ 10,2 bilhões), incluindo 28 bilhões de riais por danos morais.

Do valor total do acordo, a Vale já pagou OMR 5,8 bilhões de indenização.

As autoridades estaduais de Minas Gerais especificaram que este acordo “significa o reconhecimento da responsabilidade da Vale e impõe-lhe novas obrigações” e não prejudica “ações individuais que possam ser instituídas para obter indenização”.

“Este acordo confirma seu compromisso de indenizar integralmente a Promadinho e de apoiar o desenvolvimento de Minas Gerais”, disse Valle em nota.

READ  O magnésio mais verde do mundo é encontrado em Val-des-Sources | Notícias A exibição

Em particular, o consórcio terá de pagar 9,1 bilhões de riais em ajuda direta a famílias em dificuldades, 6,5 bilhões em “projetos de reabilitação ambiental” e 4,7 bilhões em “projetos de reabilitação social e econômica”.

Entre os projetos ambientais, Valle terá que financiar a descontaminação do rio Paraubba e o reflorestamento da área inundada com toneladas de resíduos com árvores nativas e plantas clonadas em parceria com uma universidade local, disse Valle.

‘Vale vence’

Assim que o acordo foi anunciado, as vítimas da tragédia protestaram perante o Tribunal de Justiça de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, com base no valor do dano, muito baixo em sua opinião.

“O valor negociado aqui não cobre danos a todas as famílias, mortes e destruição do meio ambiente”, disse Joseli Andrioli, coordenadora do movimento “Desastre de Barragens” do movimento MAP.

“Este acordo é ridículo. Vali sairá vitorioso.” Ele concluiu que “os atingidos não participaram do acordo”, anunciando que os manifestantes levariam o caso ao Supremo Tribunal Federal em Brasília.

Depois de avançar na véspera por conta de um acordo iminente (+ 3,16%), as ações da Vale subiram 1,5% na quinta-feira ao meio-dia na Bolsa de Valores de São Paulo, antes de recuar ligeiramente.

O desastre afetou as contas da Vale em 2019, com perdas líquidas de US $ 1,68 bilhão. Desde então, o grupo está com boa saúde, impulsionado pela alta nos preços do minério de ferro sob a influência da forte demanda da China.

16 CEOs, incluindo o ex-CEO da Valle, Fabio Schwarzmann, foram acusados ​​de assassinato premeditado e crimes ambientais.

A Vale já se envolve em mais uma tragédia em 2015 em Minas Gerais, que deixou 19 mortos em Mariana e causou danos ambientais sem precedentes no Brasil, devido ao rompimento de uma barragem de mina.

READ  Raanana, a cidade-sede das Olimpíadas Brasileiras, é geminada com o Rio de Janeiro

Em 5 de novembro de 2015, a Barragem do Fundão, administrada pela Samarco, joint venture do grupo brasileiro e da anglo-australiana BHP, lançou repentinamente na natureza 40 milhões de metros cúbicos de resíduos altamente tóxicos.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *