Dez meses de serviço cívico na Escola Secundária Agrícola Subdray para um jovem direto do Brasil

Mais de 9 mil quilômetros separam João Luiz Rodrigues Junior de sua cidade natal, Cosmópolis, localizada a duas horas de São Paulo. Uma distância que não assustou o jovem, motivado pela descoberta de um novo país e novas culturas. “Quero aprender a língua, a cultura e o território. Ainda estou um pouco apreensiva com a distância com minha família, porque é muito longe e vou ficar longe por muito tempo. Mas com meus estudos, já moro longe dos meus pais há oito anos”, compartilha João Luiz Rodrigues Junior, que ainda não fala francês, mas precisa fazer aulas para mergulhar no idioma.

Prêmio O prefeito de Saint-Amand-Montrond, Emmanuel Riotte, retorna de dez dias em Riobamba, cidade gêmea, no Equador

Seu objetivo principal também não é fazer turismo, mas trazer sua expertise para organizar o sétimo fórum França-Brasil, programado para outubro de 2023 na escola agrícola de Subdray, e que tem como tema “o papel do ‘humano e da ciência na a transição ecológica’. Um problema que o jovem brasileiro conhece, ele que acabou de terminar seus estudos de engenheiro agrônomo. ‘Quero compartilhar meus conhecimentos’, diz. Durante sua estada na França, ele ficará hospedado em um estúdio no site da escola.

“Esperamos que o João possa voltar”

O evento que deve preparar “receberá cerca de 200 pessoas”, explica Hélène Jouhanneau, professora de espanhol e responsável pela cooperação internacional da escola secundária agrícola de Subdray. Haverá parceiros franco-brasileiros, cientistas, pesquisadores, um grupo de portugueses…”

Como o fórum será em outubro de 2023, João Luiz Rodrigues Junior terá completado sua missão na França há vários meses. O professor de espanhol ainda espera vê-lo novamente nesta ocasião. “É um grande evento nacional, e até internacional, então vamos convidar parceiros. Esperamos que o João possa regressar com o seu estabelecimento de formação”, afirma Hélène Jouhanneau.

READ  O dia de glória para Lucas Paquetá e o Brasil?

A primeira na França e na Europa

Durante seu serviço cívico, o jovem não dedicará 100% do seu tempo à organização do fórum. “João vai discutir com os jovens, principalmente os do clube brasileiro. Ele também trabalhará na horticultura”, explica Hélène Jouhanneau.

João Luiz Rodrigues Junior terá assim a oportunidade de viver novas experiências num país onde nunca pisou. “É a primeira vez que venho à França e até à Europa”, admite. Durante seus dez meses de permanência, o brasileiro ainda não planejou visitar nenhum lugar específico na França, exceto “ir à Torre Eiffel no dia do meu aniversário, 15 de julho”.

Um estudante colombiano em Berry

Sua chegada ao Cher foi possível graças à parceria entre a escola agrícola de Subdray e o estabelecimento de formação de João Luiz Rodrigues Junior, localizado na cidade de Machado, no estado de Minas Gerais, zona norte de São Paulo. .
Ele não é o primeiro estrangeiro a se estabelecer por um tempo no ensino médio. Em outubro, Juan José Gomez Tovar, colombiano de 21 anos, também se estabeleceu no Cher por pelo menos dois anos para obter um BTS em gestão de negócios agrícolas e análise de estratégia. Em breve, no final de maio, será a vez de três argentinos – dois alunos e um professor – virem à escola. “É importante estabelecer parcerias para permitir que os jovens viajem”, diz Hélène Jouhanneau.

Chloe Frelat

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *