Dunga, dodger e Carl Lewis, aqueles de 1984 relatam seu triunfo olímpico

A aventura começou com um empate feio contra o Catar em Annapolis, na costa leste dos Estados Unidos, e terminou com a apoteose de uma final vencida contra o Brasil para mais de 100 mil espectadores no Rose Bowl. de Pasadena. Enquanto o torneio olímpico de futebol começa na quinta-feira em Tóquio, quatro campeões olímpicos franceses em 1984 se lembram dessa incrível jornada para a AFP.

. Qatar, melão iugoslavo e Dunga

“No começo estamos na costa leste. Não somos muito bons, passamos com um gol do Lemoult contra o Chile. E aí, o clique, muda quando chegamos no Oeste”, disse William Ayache.

“Vencemos por 4-0 o Egito, que saiu do CAN. Depois pegamos os iugoslavos, que tiveram um pouco do melão porque eram oito para ter feito o Euro. Vencemos por 4-2, com a maneira.”

Na final, a França enfrenta o Brasil, “que na verdade é o time de Porto Alegre um pouco melhorado”, segundo Guy Lacombe. “Ainda teve o Dunga (futuro capitão do Brasil campeão mundial de 1994, nota do editor) que cuidou de mim, porque eu era meio meio”, sorri por sua vez Dominique Bijotat.

A vitória por 2 a 0 é certamente inesquecível, mas todas elas, acima de tudo, relembram a experiência única de jogar no Rose Bowl diante de uma grande multidão, com 102.000 espectadores. “Uma chama, uma loucura”, explica Patrick Cubaynes.

. Coliseu, Moses et cagnard

Para Bijotat, “tudo mudou em Los Angeles”. “Tínhamos uma equipe brilhante que entendeu tudo e aproveitamos isso. Ainda posso ver os 100m, quando Carl Lewis faz a diferença nos 70m. Eu estava lá, justamente em frente”, disse o ex-monegasco.

“Falamos com todo mundo. Viemos com o rótulo de profissionais, mas tínhamos a mentalidade Coubertin. Estávamos em dormitórios de 12, mas ninguém reclamava”, ele sorri.

READ  Venda de OM: Brasil confirma e prevê grandes convulsões em Marselha

“Conhecemos todos, comemos com eles, discutimos a nossa situação profissional, o que os interessou muito”, abunda Lacombe. “Fomos à bacia olímpica, vimos as ginastas, algumas comeram ao lado do Edwin Moses. Experimentamos coisas …”

Ayache ainda está rindo disso quase 40 anos depois. “A verdade é que passamos mais tempo no Coliseu (o estádio Olímpico de Los Angeles, nota do editor) do que treinando. Estávamos lá todos os dias, em uma masmorra. Posso dizer que ‘não tiramos uma soneca muito … “

. O peso da medalha

“Ok, não é a Copa do Mundo. Mas ainda é a maior competição esportiva do mundo. Campeão olímpico … Quando você olha para o passado, é alguma coisa”, disse Lacombe.

“Voltamos sem problemas e retomamos o campeonato quatro dias depois. O impacto foi construído ao longo do tempo e com o meio ambiente. Estávamos começando a carreira, mas éramos campeões olímpicos”, confirma Bijotat.

“Claro que para um jogador de futebol, a Copa do Mundo é outra coisa. Mas pergunte ao Neymar ou ao Messi se as Olimpíadas não são importantes!”, Lembra por sua vez Ayache.

Quanto a Patrick Cubaynes, um dos raros integrantes do épico com Lacombe que nunca conheceu a seleção France A, é muito claro: “Há 40 anos é uma coisa inimaginável”.

. Conselhos para quem está em 2021

O “velho” viu como o atual treinador Sylvain Ripoll tinha lutado para construir sua lista. “O que aconteceu é uma pena, muito simplesmente”, resume Cubaynes. “Mas bom para quem está lá. São voluntários, como nós na época. São bons jogadores, jovens que amam o futebol”, acrescentou o ex-atacante.

“Digo-lhes que abram os olhos, vivam bem e vão até ao fim”, acrescenta Ayache.

READ  Brasil lança programa de terceirização da proteção da Amazônia para o setor privado

Para Lacombe, este conjunto de probabilidades e desvantagens “terá um estado de espírito talvez superior ao de uma equipa que no papel teria mais atractivo”. “Estar em contato com outros esportistas te alimenta do que você é. É uma chance incrível. Os jogadores vão surpreender, você verá”, prevê.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *