E se a Fórmula 1 desse o salto da grade reversa? . Esportes

com um O novo formato de fim de semana foi testado nesta temporada (Em Silverstone, Monza e São Paulo) Os promotores da Fórmula 1, como sabemos, procuram há vários meses uma forma de impulsionar esta categoria.

Além disso, as coisas estão longe de congelar. Comentários feitos, sejam por comissários de F1, equipes ou até mesmo os próprios pilotos após os dois primeiros testes na Inglaterra e Itália, estão alimentando a reflexão sobre o formato futuro, que se aplicará a algumas corridas importantes no calendário a cada temporada.

Grade invertida “para exibição”?

Antes do Grande Prêmio da Itália em Monza, há duas semanas, o chefe da Ferrari, Mattia Binotto, trouxe de volta à mesa a ideia de uma grade de partida invertida – determinada pela qualificação – para competir no sprint. “Eu acho que poderia ser muito interessante para o show e o show, defender no automobilismo. No início das discussões sobre o formato de minicorrida, na Ferrari, fizemos essa proposta. Não importa onde você esteja na tabela de classificação, ela traz um elemento de cenário extra, e isso é importante para nossos fãs. É importante para o entretenimento que a F1 pode oferecer. “

Leia também. Fórmula 1. O sprint ainda não convenceu a pista

Já em vigor nas mini-classes de Fórmula 2 e Fórmula 3, a ideia foi estudada em 2020, mas a Mercedes se opôs categoricamente. Desde então, os chefes da F1 afirmam que desistiram dessa opção.

Mas ela não deixou de responder, assim como Alain Prost, o francês quádruplo campeão mundial e atual técnico da Alpine. Este último, que reconhece a existência “Estou muito feliz por podermos testar as coisas”, fortemente contra esta proposta. Em um podcast para a equipe AlpineEle explica em particular seu desejo de preservar o que torna a Fórmula 1 o auge do automobilismo: “É preciso entender que a melhor equipe deve vencer porque é a melhor, porque esse é o espírito e o objetivo da Fórmula 1”.

READ  Pelé reúne atletas famosos em leilão beneficente

‘A pior coisa que você pode fazer ao DNA da Fórmula 1’

O ex-piloto chega a pensar em deixar a Fórmula 1, se a classe fizer esse caminho um dia. “A grade invertida, eu odeio. Se eles trouxessem a grade reversa para a Fórmula 1, acho que deixaria o esporte, porque é a pior coisa que pode ser feita com o DNA da Fórmula 1,” confirmado. Eu prefiro ver o domínio da equipe porque eles fizeram um trabalho melhor, do que ver isso no lugar. “

Conforme mencionado anteriormente, a rede invertida ainda não deverá ser implementada no futuro. As primeiras lições de Silverstone e Monza nos permitiram pensar em outro futuro para a qualificação “sprint”, que poderia se tornar uma corrida real, com mais pontos atribuídos no final, para dar mais risco, enquanto víamos uma corrida de qualificação bastante enfadonha em Monza, com um número de relativamente poucos excessos.

De qualquer forma, teremos que esperar pelo menos até a última prova do Grande Prêmio do Brasil em São Paulo, em novembro, para que o futuro desse formato seja decidido.

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *