Economia da Copa do Mundo. Será o novo grupo BRICS uma cura para a crescente polarização global?

Economia da Copa do Mundo.  Será o novo grupo BRICS uma cura para a crescente polarização global?

Na sua recente cimeira em Joanesburgo, os BRICS traçaram um roteiro para uma nova fase de desenvolvimento, com a chegada de seis novos membros ao bloco. Isto é suficiente para realçar o peso deste clube anti-G7 e abrir caminho para grandes mudanças geoestratégicas, especialmente no sistema financeiro global e na abolição do dólar no comércio.

o De 22 a 24 de agostomembros de BRICS Reunimo-nos na cimeira em Joanesburgo. Nesta ocasião, os Estados-Membros – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul -Eu elaborei o roteiro. Isto marca uma nova fase no desenvolvimento dos BRICS, com ênfase no multilateralismo abrangente, no crescimento mútuo acelerado e no desenvolvimento sustentável.

Mas acima de tudo, o Presidente da África do Sul, Cirilo RamaphosaAnunciou em 24 de agosto que seis novos países seriam bem-vindos a partir de janeiro. Irã, Argentina, Egito, Etiópia, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos Irá juntar-se a um grupo de países emergentes que procuram aumentar a sua influência global.

“A adesão entrará em vigor a partir de 1º de janeiro de 2024.” Afirmou o Presidente sul-africano numa conferência de imprensa conjunta dos líderes dos cinco países que actualmente compõem o bloco. Ele acrescentou: “Com esta cúpula, o grupo BRICS inicia um novo capítulo”. Ele se parabenizou.

Com as novidades, o grupo BRICS passa a ter mais peso: passa a representar… 29% do PIB global, 46% da população, 43% da produção de petróleo e 25% das exportações de produtos. Esta associação é um dos países que integra membros pela primeira vez Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), Posiciona-se como um anticlube G7É uma espécie de alternativa ao poder ocidental.

READ  Unidade atacadista do Carrefour Brasil vai gerar 15 mil empregos no primeiro semestre de 2023

Aliança dos Países Emergentes

Recordemos que o grupo BRICS incluía originalmente grandes países de rendimento médio, cujas economias estavam a crescer rapidamente.

A abreviatura BRICS apareceu pela primeira vez em 2001 Da pena do economista britânico Jim O’Neillem relatório do banco de investimento Goldman Sachs Intitulado Os BRIC constroem uma economia global melhor (O último “S” está no plural e não se refere à África do Sul.) Ele previu especialmente que eles poderiam se tornar as principais economias do mundo até 2020 2050.

em 2006Brasil, Rússia, Índia e China decidiram unir-se formalmente para formar o grupo BRIC. A África do Sul juntou-se a eles 2010.

Aplicação do princípio de expansão

Ampliar o grupo era prioridade A 15ª cimeira. Os BRICS, uma aliança heterogénea de países geograficamente distantes e de economias com crescimento desigual, tiveram de chegar a acordo sobre a selecção estratégica de novos participantes.

Durante a cimeira na capital da África do Sul PretóriaFoi anunciado que todos os Estados-membros concordaram em Princípio de expansão. “Adotamos um documento que estabelece diretrizes, princípios e processos de revisão para os países que pretendem tornar-se membros do BRICS.” Ela deu as boas-vindas ao Ministro dos Negócios Estrangeiros da África do Sul e destacou os progressos alcançados “positivo”.

A China, que representa cerca 70% do PIB do grupo, apoiou claramente esta expansão do BRICS. Contudo, a Índia, outro importante actor económico do grupo, mas receosa das ambições do seu rival chinês na região, manifestou reservas. primeiro-ministro da Índia, Narendra modiEle enfatizou a necessidade de se chegar a um “consenso” sobre as modalidades, enquanto o processo de tomada de decisão dentro do BRICS exige unanimidade. Separadamente, o Brasil manifestou preocupação de que a expansão enfraqueça a sua influência a nível global e dentro do bloco.

READ  Homenagem a Pascal Maine - Kennel de Riken

Durante a cimeira, o BRICS reafirmou a sua posição “Não Alinhado”Este é um ponto ainda mais importante numa altura em que as divisões foram exacerbadas pela crise. Conflito na Ucrânia.

A porta permanece aberta: ainda é possível que dezenas de países adicionais possam aderir ao bloco numa data posterior. Este alargamento representa um grande passo em frente no desenvolvimento do grupo BRICS, mas também na transformação do mundo. Neste contexto, o Estado unido Afirmaram não ver os BRICS como “rivais geopolíticos” no futuro e expressaram o desejo de manter “relações fortes” com o Brasil, a Índia e a África do Sul.

Objetivo geoestratégico

A opção de integração destes novos países constitui uma Objetivo geoestratégico. O Reino da Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos desempenham um papel importante como fortes centros financeiros e comerciais estrategicamente localizados na encruzilhada. África, Ásia e Europa. Com a presença do grupo BRICS em Golfo PérsicoA passagem por esta área será bastante reforçada em termos de segurança. A participação do Egipto também ajudaria a aliviar as preocupações sobre a segurança da região canal de Suezuma grande preocupação para os gestores da cadeia de abastecimento em todo o mundo.

Leia também>Marcas de moda prestam assistência às vítimas do conflito entre Hamas e Israel

Imagem em destaque: ©Press

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *