Edina Alves Batista, a árbitra brasileira que ajuda a quebrar o teto de vidro no futebol masculino

Foto tirada por Julia Rodrigues / UOL.

O Copa do Mundo de Clubes continua a ser a única grande competição masculina organizada pela Fifa em que uma mulher atuou como árbitro durante uma partida. Esta é Edina Alves Batista, 41, já uma lenda no Brasil. Como a francesa Stéphanie Frappart, a alemã Bibiana Steinhaus e alguns – raros – outros pioneiros, o árbitro brasileiro conta com a excelência profissional para empurrar o machismo para fora do campo … e dos órgãos dirigentes do futebol.

Um curso excepcional

4 de fevereiro de 2021. Uma data histórica, já que pela primeira vez durante uma grande competição masculina (excluindo torneios juvenis) organizada pela Fifa, o quarteto de árbitros incluía uma mulher. Foi durante a partida entre o Monterrey Tigers (México) e o Ulsan Hyundai FC (Coréia do Sul). Nesse dia, Edina Alves Batista arbitrou como quarto árbitro.

A brasileira Edina Alves Batista não é iniciante, apita partidas de futebol desde 1999. Ela teve uma carreira frustrada no futebol no Paraná, tendo que se contentar com o futsal. , porque a falta de jogadores de futebol não permitiu alinhar vinte e duas jovens no mesmo terreno. Não havia campeonato feminino profissional no Paraná, então era impossível viver do futebol como jogador de futebol.

Assim, ela se tornou árbitra profissional em 2000 e, desde 2014, atua como árbitro central. Ela já arbitrou uma dezena de jogos do Campeonato Brasileiro de Futebol desde maio de 2019 – fazia então quatorze anos que os jogadores de futebol de elite não estavam sob as ordens de uma mulher. Ela é mais conhecida na França por ter arbitrado quatro partidas da Copa do Mundo Feminina em 2019, incluindo a semifinal vencida pelos Estados Unidos contra a Inglaterra.

READ  Brasil - Brasileirão 2020: Um GreNal deslumbrante!

As Olimpíadas de Tóquio são o próximo grande objetivo de Edina Alves Batista. Visando o mais alto possível, não como um simples árbitro substituto ou subordinado.

Poucos são eleitos

Edina Alves Batista não faz apenas parte da elite da arbitragem feminina, ela também faz parte da elite da arbitragem, ponto final. No entanto, poucas árbitras arbitraram uma partida internacional de elite masculina.

Foi a árbitra alemã, Bibiana Steinhaus, que se tornou a primeira mulher a arbitrar uma partida masculina em um importante campeonato europeu, durante uma partida da Bundesliga, em setembro de 2017. Também na Europa, a primeira mulher a ter exercido cargo de árbitro em um masculino encontro organizado pela UEFA é o suíço Nicole Petignat, que dirigiu em 2003 a Taça UEFA. E não foi até dezembro de 2020 para ver uma mulher segurar o apito na Liga dos Campeões. Foi a francesa Stéphanie Frappart, que já tinha mostrado o seu talento como árbitra central durante a Supertaça Europeia, em agosto de 2019.

Um pouco de previsão

Podemos razoavelmente esperar ver mulheres soprando o apito com a mesma frequência que os homens em encontros masculinos de elite? A resposta é não, pelo menos por uma razão objetiva: em média, o físico das árbitras é inferior ao dos árbitros homens. As partidas masculinas, geralmente disputadas com maior intensidade física, exigem que os árbitros realizem corridas mais rápidas e numerosas do que no circuito feminino.

No entanto, alguns árbitros têm uma constituição, uma condição física e uma mentalidade pelo menos iguais à média dos seus homólogos masculinos. A começar por Bibiana Steinhaus, cuja alta estatura e físico impressionam até mesmo os jogadores de futebol. Stéphanie Frappart também tem uma condição física superior, apesar de um tamanho menos impressionante que ela compensa com sua ciência do (deslocamento) posicionamento.

READ  Brasil não está quebrado e Bolsonaro confirma que não entende a economia 05/01/2021

Sujeito à capacidade física, os outros pré-requisitos para as árbitras entrarem nas principais competições masculinas dependem de critérios mais ou menos subjetivos. Acima de tudo, deve haver uma vontade “política” favorável à sua inclusão e, portanto, uma vontade de acabar com a onipresença de um machismo deletério.

O outro elemento potencialmente desencadeante diz respeito à qualidade do treinamento, estruturas federais, infraestrutura técnica e suporte … primeiro no futebol masculino, já que a maioria dos clubes femininos franceses continuam apoiados por um clube masculino, portanto, aos seus bons resultados e à sua boa vontade. Mesmo que possamos lamentar, clubes como o de Soyaux representam a exceção que confirma a regra.

Uma mulher árbitro não poderia realmente emergir no futebol masculino apenas onde também há um campeonato feminino significativo e vice-versa. Porque é nos encontros femininos – e nas pequenas categorias masculinas – que as mulheres aprendem a profissão de árbitras. A qualidade de um campeonato feminino sem dúvida ajudará a consolidar suas conquistas. Mas você também precisa de um campeonato masculino de elite de qualidade suficiente para trazer os melhores árbitros, independentemente do gênero da pessoa que apita.

A excelência dos clubes e da seleção nacional, em torneios internacionais (masculinos e femininos), também pode contribuir para o surgimento de árbitras de alto nível. Em primeiro lugar, pelos prémios conquistados pelas equipas, que vão potenciar o cash flow e o potencial de investimento local, quer directamente (vitória para um clube feminino), semidirecto (vitória para a selecção nacional). feminina) ou indireta (vitória do clube masculino que apoia a seção feminina, ou vitória da seleção masculina). Depois, porque segue-se uma subida automática do nível das equipas e da sua supervisão, portanto do campeonato nacional e pelo próprio fato do corpo arbitral.

READ  Brasil: Seleção Feminina Sub-17 logo se reagrupará no Pinheiral

Por fim, podemos citar – e desejar – uma intensificação dos intercâmbios, treinamentos e parcerias em benefício de federações, clubes e outras entidades – em particular árbitros – em países emergentes do futebol.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *