Egito remove o véu de uma cidade que foi enterrada há 3.000 anos

Cairo | O Egito, que está se esforçando para reavivar o interesse no turismo cultural e na egiptologia, está organizando uma visita de alto nível no sábado a uma antiga cidade de mais de 3.000 anos que foi recentemente desenterrada no sul do país após ter sido enterrada por milhares de anos.

A descoberta, anunciada quinta-feira em um comunicado de imprensa da missão arqueológica, será apresentada à imprensa no sábado pelo famoso arqueólogo e ex-ministro das Antiguidades Zahi Hawass, que liderou as escavações.

“A missão arqueológica (…) descobriu uma cidade soterrada (…) datada do reinado do Rei Amenhotep III, que continuou a ser utilizada pelo Rei Tutancâmon, ou seja, há 3000 anos”, confirma o comunicado.

“A descoberta desta cidade perdida é a segunda descoberta arqueológica mais importante desde a tumba de Tutancâmon”, disse Betsy Bryan, professora de egiptologia da Universidade Johns Hopkins, de acordo com o comunicado à imprensa.

A notícia da descoberta se espalhou amplamente nas redes sociais na sexta-feira, com as poucas fotos que as autoridades gentilmente tiveram que postar enquanto esperavam pelo sábado.

Segue-se vários outros anúncios antigos nos últimos anos.

Também chega dias depois de 22 carruagens carregando múmias dos reis e rainhas do antigo Egito passarem pelo Cairo em uma procissão espetacular para chegar ao Museu Nacional da Civilização Egípcia (NMEC), o novo lar desses restos reais.

Em janeiro, em Saqqara, o local a cerca de quinze quilômetros ao sul das famosas pirâmides do planalto de Gizé, as autoridades revelaram ao público novos “tesouros”, incluindo cerca de cinquenta caixões do Novo Reino com mais de 3.000 anos.

Depois de anos de instabilidade política associada à revolução popular de 2011, que desferiu um duro golpe para o turismo, o Egito busca retornar os visitantes, principalmente por meio da promoção do turismo cultural, principalmente dos sítios do antigo Egito.

READ  O conflito israelense-palestino Hamas afirma "vitória" sobre Israel

A nova descoberta está localizada na margem oeste do Nilo, perto de Luxor, lugares que já são ricos em monumentos do Egito faraônico, como o Vale dos Reis ou o Templo da Rainha Hatshepsut.

“Em boa forma”

Em particular, as fotos da antiga cidade tiradas pelas autoridades na quinta-feira mostram uma rede de paredes de tijolos pertencentes, segundo o comunicado, ao rei Amenhotep III.

Amenhotep III ascendeu ao trono em 1391 AEC e morreu em 1353. Na cidade foram descobertos objetos, entre eles joias e cerâmicas com seu selo, que confirmam a data.

Com seu entusiasmo habitual, Hawass, em um comunicado à imprensa, descreveu esta “cidade de ouro perdida” como “a maior cidade antiga do Egito”.

Por vezes, os seus pares o acusam de ser um homem de negócios paranóico e sem rigor científico, mas Hawass responde apresentando as suas anteriores descobertas arqueológicas, que considera “significativas”.

A missão começou os trabalhos de escavação em setembro de 2020 entre os templos de Ramses III e Amenhotep III perto de Luxor, 500 quilômetros ao sul do Cairo.

“Dentro de algumas semanas, para surpresa da equipe, formações de tijolos de lama começaram a aparecer”, disse o comunicado. O local está “em bom estado, com paredes quase completas e salas repletas com os utensílios do dia a dia”.

Esta descoberta permitirá em particular “fornecer um raro vislumbre da vida dos antigos egípcios durante as horas mais prósperas no (novo) império”, de acordo com Betsy Bryan.

A cidade consistia em “três palácios reais (…) além do centro administrativo e industrial do império”. Mas os arqueólogos também descobriram uma “área de preparação de alimentos” com uma “padaria”, “área administrativa” e uma “oficina” de construção.

READ  Reforma do Senado dos EUA Quebec Magazine

Duas “vacas ou touros” foram descobertos, além de um corpo humano “incomum”.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *