Em Deaflympics, heróis surdos esperam quebrar o silêncio

As medalhas estão descascando, geralmente dos metais mais pesados. Doze no total, quatro dos quais são de ouro. Esses blues já bateram o recorde de 2009 em Taipei, e ainda faltam alguns dias para levar ainda mais longe sua supremacia. Os resultados, no entanto, caem em um oceano de indiferença. Quem sabe, agora até 15 de maio no Brasil 24ser Surdolímpicos?

→ Releitura. Jogos Paralímpicos: Grande Momentum para os Blues antes de 2024

Esses Jogos Olímpicos para surdos e deficientes auditivos, que acontecem desde 1924, ainda são estritamente separados. Eles não se beneficiam de ver os Jogos Paralímpicos porque não fazem parte disso. Por escolha. O órgão dirigente do movimento, a Comissão Internacional de Esportes para Surdos (ICSD), já faz parte do Comitê Paralímpico Internacional (IPC) há algum tempo, após o nascimento deste no final da década de 1980. Atletas surdos nos Jogos Paralímpicos, deixaram o ICSD em 1995.

Obtenha o reconhecimento dos melhores atletas

Não sem consequências. Na França, por exemplo, o esporte para surdos agora é administrado pela Federação Francesa de Handebol (FFH) e pelas poucas federações que pediram à delegação ministerial para supervisionar a prática. No Brasil, por exemplo, onde 56 campeões franceses competem em dez quadras, há cinco federações além da FFH: badminton, golfe, judô, tênis e vôlei (1). Mas essas federações não têm assistência financeira específica para o desenvolvimento do esporte para surdos, pois o estado não reconhece os jogos para surdos como uma competição de alto nível.confirma Sebastien Messagger, chefe da delegação francesa no Brasil e pioneiro do esporte surdo na FFH. Não é uma distinção, é uma escolha, como aquela projetada para esportes não olímpicos ou paralímpicos. »

Como resultado, campeões surdos não têm o status de grandes atletas. Mas os sinais de desenvolvimento são palpáveis. Em novembro de 2021, a Fédération Internationale de Football Association (FFH) conquistou o status de boliche para surdos, graças aos bons resultados de seus campeões, que receberam duas medalhas de bronze, especialmente nos Jogos de Surdos de 2017. “Para fazer as coisas, acreditamos na capacidade de fazer bem para chamar a atenção e gerar apoio.Diz Sebastian Messagger. Viemos ao Brasil com esse objetivo, escolhendo atletas medalhistas, com a mesma precisão que colocamos no projeto dos Jogos Paralímpicos. »

Grande campanha de volta às aulas

A delegação acolheu em particular os atletas que prosseguem um “projecto dual”, válidos e surdos. Assim, Pamira Losange conquistou o ouro nos 100m rasos no Brasil no dia 8 de maio. O jovem de 20 anos é quase surdo, mas há anos corre e treina com pessoas saudáveis ​​e espera fazer parte da aventura de Paris 2024. Mesma ambição para o judoca Amado Miti, ouro na categoria acima de 100kg e bronze pelas equipes aprimorando seu talento com o Insep. “Somos poucos, e gostaria que meu ideal atraisse outros atletas” Ele lembrou antes de partir para o Brasil.

READ  Chefs' Chad Henny missed the hashtag after beating Brown in the qualifiers

→ CRÔNICA. em confiança

“Os perfis são como os deles, fomos procurá-losSebastian Messagger explica. Eles não sabiam que também podem ter ambições conosco, e acredito que outros possam se juntar a nós e dar maior ressonância ao desenvolvimento do esporte surdo. » A FFH deve lançar no início do próximo ano letivo uma grande campanha de mídia para divulgar seu projeto para os surdos e promovê-lo em nível regional. “Também precisamos convencer as associações de surdos que muitas vezes se concentram no aspecto social e pessoal de suas atividades e não necessariamente têm tempo para lidar com o desenvolvimento do esporte.Sebastian Messagger continua. Mas federações e clubes também não devem se limitar à privacidade e manter distância do mundo paralímpico. A mudança de mentalidade não acontecerá da noite para o dia. Estamos construindo para o longo prazo. »

Enquanto isso, no Brasil, os Tricolores tentam contar grandes histórias. Como Marie Rivero e Teo Moreau, um casal da cidade e um conjunto de ouro são esses Samads. Ele, especialista em triatlo, no contrarrelógio de ciclismo, foi o primeiro com um recorde de Deaflympics em jogo: 4m, abaixo dos 3s45 anteriores. Os pódios serão anunciados agora.

———

Os ucranianos continuam no topo

Sexto no quadro de medalhas nos Jogos Paralímpicos de Verão de Tóquio, eles alcançaram o segundo degrau do pódio nos Jogos Paralímpicos de Inverno de Pequim, logo atrás da China. Para esses atletas surdos, os atletas surdos ucranianos (172 no total) deixam apenas migalhas para a competição. Antes das competições de terça-feira, 10 de maio, eles dominavam amplamente o quadro de medalhas: já eram 89, incluindo 42 de ouro, muito à frente dos Estados Unidos, segundo com 38 medalhas e 17 títulos.

READ  Jogadores de futebol pedem extradição da Ucrânia

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *